Saúde mobiliza população no combate à hanseníase

18 de Janeiro de 2017

Para alertar a população sobre a importância do diagnóstico precoce da hanseníase para o tratamento e cura da doença, a Secretaria da Saúde do Estado iniciará nesta quinta-feira (19), uma programação especial de mobilização em diferentes municípios. Até o dia 29 de janeiro, data em que será comemorado o Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase, haverá oficinas, conferências, palestras, rodas de conversa e ações de sensibilização em escolas, praças e shopping centers.

Nesta quinta (19), a abertura da programação ocorrerá com a Oficina de Atualização e Sensibilização sobre hanseníase para os agentes comunitários de saúde de Fortaleza. A oficina será no auditório Waldir Arcoverde da Sesa e terá duas turmas, uma das 8 às 12 horas e outra das 13 às 17 horas. As ações de mobilização têm a proposta de promover campanhas em busca de casos novos de hanseníase e realização de exames de comunicantes – aqueles que tiveram contato com a pessoa doente – com o objetivo de quebrar a cadeia de transmissão da doença, além da atualização dos profissionais de saúde e comunidade.

A hanseníase é uma doença infecciosa de evolução lenta e se manifesta por meio de lesões cutâneas ou neurais. Os principais sintomas são lesão ou área de pele com alteração de sensibilidade, orelhas infiltradas, nariz infiltrado e entupido (sem secreção nasal), mãos e pés “inchados e dormentes”, caroços nos cotovelos ou no corpo, sobrancelhas infiltradas e com queda de pelos, dores ou choques em nervos dos braços e pernas.

Em 2016, foram notificados 1.538 novos casos de hanseníase no Ceará, sendo 87 em menores de 15 anos e 697 (45,3%) nos seis municípios prioritários: Fortaleza, Crato, Icó, Iguatu, Juazeiro do Norte e Sobral, com taxa de detecção de 17,27 por 100 mil habitantes. A hanseníase é uma doença de notificação compulsória em todo o território nacional e de investigação obrigatória.

Atendimento

O diagnóstico da hanseníase é feito na atenção primária e envolve a avaliação clínica do paciente, com aplicação de testes de sensibilidade, palpação de nervos, avaliação da força motora etc. O exame laboratorial identifica se a hanseníase é paucibacilar, com pouco ou nenhum bacilo, ou multibacilar, com muitos bacilos. A hanseníase é uma doença totalmente curável, e não há motivo para preconceito. É importante ficar atento aos sinais e procurar a atenção primária e então, o paciente será encaminhado para o tratamento em uma unidade de referência.

O Centro de Dermatologia Sanitária Dona Libânia fica na Rua Pedro I, 1033, Centro. O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7 às 17 horas. A primeira consulta é por meio da central de regulação ou quando o paciente é encaminhado de um posto de saúde. Para pacientes com hanseníase, a demanda é espontânea; ou seja, a primeira consulta não precisa de encaminhamento. Na assistência, além de atendimentos a pacientes com hanseníase, o Centro Dona Libânia realiza também atendimentos em dermatologia geral, dermatologia pediátrica, DST/Aids, oncologia cutânea, alergia, dermatoses ocupacionais, cirurgia dermatológica, entre outros.

Serviço:

Oficina de Atualização e Sensibilização sobre Hanseníase

Dia: 19 de janeiro de 2017
Horários: 8 às 12h e 13 às 17h
Local: Secretaria da Saúde do Estado (auditório Waldir Arcoverde) – Av. Almirante Barroso, 600, Praia de Iracema

18.01.2017

Assessoria de Comunicação da Sesa
Cristiane Bonfim / Marcus Sá / Helga Rackel (85) 3101.5221 / 3101.5220
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Expediente imprensa 05dez 2016-01