Convênio entre Sema e Unilab assegura a plantação de 30 mil árvores no rio Pacoti

24 de Fevereiro de 2017 # # # # #

RDSC 0799

A Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema) e a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) celebraram, nesta sexta-feira (24), em Redenção, no campus da Liberdade daquela instituição de ensino, convênio de parceria técnica que simbolizou o lançamento do Projeto Estadual de Florestamento, Reflorestamento e Educação Ambiental na bacia do Rio Pacoti. O reitor da Unilab, Aristeu Pontes Lima, e o secretário do Meio Ambiente do Estado, Artur Bruno, assinaram o Termo de Cooperação Técnica, num evento que contou com a presença do prefeito de Redenção, Davi Martins, num auditório lotado de alunos, professores e autoridades de outros municípios da região.

Professor Luís Gustavo Chaves da Silva apresentou o projeto. O local será contemplado com investimento do Programa Ceará Mais Verde. Serão plantadas 30 mil árvores, com a recuperação de 25 hectares na sua bacia hidrográfica, com ações de reflorestamento em matas ciliares, nascentes e topos de morro. Um dos desdobramentos da parceria é a implantação de uma unidade de produção de mudas no Campo das Auroras – Unilab, que passará a contar com um viveiro no município de Redenção, contribuindo com a produção de espécies florestais nativas.

Bruno afirmou ser esta a primeira de muitas parcerias da Sema com a Unilab e prefeituras da região. “O governador Camilo Santana é agrônomo com mestrado em meio ambiente, e isso facilita em muito nossas iniciativas”, lembrando o tema da Semana da Árvore, a ser realizada em março: “quem planta árvores, colhe chuva”. Aristeu Pontes Lima, por sua vez, disse que o problema do clima é mundial, ressaltando que “a Unilab tem de divulgar a bandeira do meio ambiente e esta é uma ação concreta”.

Com a proposta de desenvolver ações para o uso sustentável dos recursos naturais e iniciativas produtivas sustentáveis, o Estado está promovendo ações estratégicas de florestamento e reflorestamento para mitigar esta problemática e atender ao que determina os dispositivos legais, especialmente o Código Florestal, lei 12.651 de 25/05/2012 e a lei no 13.153 de 31/07/2015, que institui a política nacional de combate à desertificação e combate aos efeitos da seca.

Segundo o Plano Plurianual (PPA) de 2016-2019, apesar de todos os esforços do Governo, ONGs e demais instituições, nos últimos anos, o Estado do Ceará ainda apresenta graves índices de desmatamento. A ocupação humana desordenada e a exploração desenfreada dos recursos naturais vêm impactando regiões do estado, provocando a degradação do solo, a perda da cobertura vegetal nativa e a redução da disponibilidade de água.

24.02.2017

Demétrio Andrade
Jornalista
085.8814.8286
@demetrioandrade
/DemetrioFarias

Expediente imprensa 09jan 2017-01