Sesa participa de ação municipal de combate ao Aedes aegypti

9 de maio de 2017 # # #

Fotos:Prefeitura de Fortaleza/ Queiroz Neto Assessoria de Comunicação da Sesa Cristiane Bonfim/ Marcus Sá / Helga Rackel (85) 3101.5221 / 3101.5220 Twitter: @SaudeCeara www.facebook.com/SaudeCeara

“A estratégia de maior impacto é antes de o mosquito (Aedes aegypti) nascer”, ressaltou o secretário-adjunto da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa), Marcos Gadelha, que participou nesta terça-feira do lançamento de campanha educativa pelo município de Fortaleza, no Paço Municipal.  A eliminação de criadouros deve ser realizada pelo menos uma vez por semana. Assim, o ciclo de vida do mosquito será interrompido.

“Nesse momento, o Governo do Ceará reafirmou a parceria com o município de Fortaleza nas ações de controle ao vetor, principalmente considerando a estratégia que é executada pelo Estado, que é o carro fumacê”, ressaltou a coordenadora de Promoção e Proteção à Saúde da secretaria estadual de Saúde, Daniele Queiroz. O fumacê, nome popular para a Pulverização espacial UBV, é um procedimento que consiste na liberação via aérea de gases, que agem, por contato, atingindo os mosquitos adultos em voo.

A maioria dos focos do Aedes aegypti, mosquito que transmite a dengue, zika e a chikungunya são encontrados dentro de casa. A ação do produto só é efetiva quando o inseticida está em suspensão no ar e só mata o mosquito adulto. O inseticida não mata as larvas do Aedes aegypti, que estão em caixas d’água, potes, baldes, pneus, lajes. A recomendação aos moradores é que abram portas e janelas das casas na passagem do fumacê para que o inseticida atinja o mosquito dentro das residências.

Fortaleza

“A gente está vivendo um surto epidêmico. É muito importante a campanha, pois agora temos uma doença nova, a chikungunya, que possuímos pouco conhecimento. Em 81% dos casos de chikungunya que foram identificados, o foco do mosquito está dentro de casas ou de comércios”, disse o prefeito. Roberto Cláudio destacou que o combate não é ambiental, mas domiciliar, principalmente. “Por isso, a tarefa mais eficiente é mobilizar a dona de casa, o cidadão a fazer o seu papel dentro da própria residência”, disse o prefeito.

A ação lançada pelo município tem o objetivo de reforçar o engajamento da população na prevenção da dengue, zika vírus e chikungunya. A estratégia conta com peças publicitárias que serão veiculadas na TV e no rádio nesta semana com a participação do cantor Felipão. De janeiro a abril deste ano, já foram confirmados 5.483 casos de chikungunya em Fortaleza. Em igual período do ano passado, 2.014 contraíram a doença. Já em relação a dengue, de janeiro a abril deste ano, 4.110 pessoas foram diagnosticadas, contra 6.222 no igual período de 2016.

Atribuições

A campanha Todos Contra o Mosquito, do Governo do Ceará, também desenvolve ações permanentes. O Estado conta com o Comitê Gestor Estadual de Políticas de Enfrentamento à Dengue, Zika e Chikungunya, criado em 2015, pelo governador Camilo Santana.

A Sesa tem monitorado os municípios com maiores índices de infestação pelo mosquito Aedes aegypti e de incidência de casos de arboviroses no Ceará. O cenário de cada um deles é avaliado e, a depender do caso, pode contar com medidas como visita técnica da equipe da Sesa e monitoramento do plano de ação para o combate ao mosquito.

Entre as ações que cabem aos municípios, de acordo com o Plano Estadual de Vigilância e Controle das Arboviroses 2017/2018, está a inclusão de casos suspeitos de arboviroses como dengue, zika e chikungunya no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan).

A passagem do fumacê não diminui a necessidade da eliminação dos potenciais focos do mosquito. Por isso, as famílias devem também fazer sua parte no combate ao  mosquito. O inseticida não mata as larvas do Aedes aegypti, que estão em caixas d’água, potes, baldes, pneus, lajes. É preciso também manter os quintais sempre limpos, recolher, eliminar ou guardar longe da chuva todo objeto que possa acumular água, como pneus velhos, latas, recipientes plásticos, tampas de garrafas, copos descartáveis e até cascas de ovos. O lixo doméstico deve ser acondicionado em sacos plásticos e descartado adequadamente, em depósitos fechados.
Veja ações de enfrentamento às arboviroses