Saúde: Governo entrega modernização da ala de Maternidade e Neonatologia do Hospital César Cals

24 de maio de 2017 # # # # #

Fotos: Marcos Studart / Governo do Ceará André Victor Rodrigues Repórter / Célula de Reportagem

Em Fortaleza, a rede pública estadual de saúde passa a ofertar ambiente moderno e mais qualificado para receber pacientes gestantes e recém-nascidos. O governador Camilo Santana entregou, nesta quarta-feira (24), a reforma da ala da Maternidade e Neonatologia do Hospital Geral César Cals (HGCC). As instalações da unidade agora contam com novos equipamentos, estrutura completamente reformada, além de ambientação confortável e humanizada, seguindo todas as recomendações do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O chefe do Executivo realizou visita à obra concluída, acompanhado pelo secretário da Saúde, Henrique Javi.

Ao todo, somando obra física e aquisição de equipamentos, o investimento na ala do HGCC foi de R$ 5.228.334,98, oriundos de recursos do Tesouro Estadual e do Ministério da Saúde. O hospital passa a dispor de ambientes revitalizados na emergência, no Centro de Neonatologia II, que comporta a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) com dez leitos, e a Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Convencional (UCINCo), com 20 leitos. Também foram reformadas as seis enfermarias, com 26 leitos de alojamento conjunto, para mães e bebês, que fazem parte do Bloco 700 do hospital, totalmente voltado para serviços de obstetrícia e neonatologia.

Camilo Santana reforça que a ação é mais um passo na proposta do Governo do Ceará de, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), ampliar o número de cearenses atendidos e melhorar os serviços prestados na Saúde Pública em todo o Estado. “Temos procurado ampliar a rede de assistência na Saúde regionalizada, seja através de hospitais, com ampliação das UPAs, mais atendimento nas Policlínicas, ou parcerias com hospitais filantrópicos. Estamos aqui hoje, no César Cals, apresentando a modernização de uma área muito importante de atenção às mães, que muitas vezes têm problemas no parto, filhos prematuros. Temos aqui uma ala totalmente modernizada, ampliada, com o que há de melhor para atender as gestantes e novos cearenses. Acabei de visitar as mães aqui pelas salas, e tem gente de todo o Estado. É um hospital pronto a receber pacientes não só de Fortaleza, mas de outros municípios”, afirma o governador.

Foco na qualificação

A maternidade do HGCC é especializada nos atendimentos obstétricos de alto risco, atendendo com atenção especial casos de alta complexidade. De janeiro a abril deste ano, foram realizados 5.571 atendimentos na emergência. Dos 1.162 bebês que nasceram no hospital, 86 recém-nascidos foram internados na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. O secretário da Saúde, Henrique Javi, aponta que a entrega da nova ala é de extrema importância para que o hospital evolua de modo estrutural, atendendo a mais pacientes com conforto e assim também desenvolvendo melhor o trabalho executado pela equipe de médicos e enfermeiros.

“O termo principal aqui é a qualificação. Vamos dar mais conforto a uma unidade em que diversas vezes percebemos uma grande lotação, por conta de gestantes oriundas de vários pontos do Ceará, muitas em situação de risco. Agora temos mais atenção neonatológica, três salas reformadas para o parto imediato. Tiramos pacientes que estavam na espera de leito. É uma felicidade enorme reconhecer que isso daqui qualifica a atenção materna e infantil do Estado”, conta Javi.

O titular da Sesa complementa, ainda, que hoje o trabalho do Governo é de reorganização da rede materna infantil por todo o Ceará. “Estamos fazendo uma pactuação com todos os 184 municípios para garantir que a gestante de risco habitual possa ter atenção no seu município ou na região de saúde onde ela fica. Dessa maneira, podemos reduzir em até 40% o fluxo de pacientes gestantes na unidade, e assim qualificá-la mais para o que ela é feita, o parto de alto risco”.

Sentimento de segurança

Há pouco mais de três meses, a costureira Maria José Alves, 29, viajou às pressas do município de Tejuçuoca até a Capital em decorrência de uma gravidez de alto risco. O filho nasceu prematuramente, aos cinco meses de gestação, por conta de descolamento na placenta. No Hospital Geral César Cals encontrou o socorro e tratamento para salvar a vida do filho. E também, conforme relata, conseguiu o ambiente tranquilo para diminuir as preocupações e aumentar as esperanças.

“Eu nunca imaginei que fosse passar por algo assim. Foi uma situação muito difícil, só conseguia pensar num milagre para meu filho estar vivo. Agradeço a Deus por ter vindo para o César Cals. O tratamento aqui é ótimo, tem profissionais maravilhosos que cuidam do meu filho e também de mim. Me desloquei do Interior e precisei ser acolhida. Cuidaram de mim aqui”, relata Maria. O bebê recém-nascido atualmente está recebendo cuidados de Médio Risco, após sair da Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Numa das enfermarias do HGCC, Brenda Kelly recebia aplicação de soro na veia enquanto sorria e conversava com outras pacientes. Retoma as forças aos poucos. A estudante de 20 anos se recupera de gravidez de risco. O bebê nasceu com malformação e hoje continua na UTI, enquanto ela precisou ser submetida a remoção de restos placentários após o parto.

“Eu sabia que aqui era o melhor local para eu e meu filho sermos tratados. Minha mãe já havia alertado que o hospital tinha uma maternidade boa, com bons médicos. Mas o que mais me impressionou foi a boa estrutura, o conforto e a rapidez no atendimento. Todas as enfermeiras são gente boa, me senti muito acolhida. Eu e meu bebê estamos mais fortes para sair bem daqui”, garante a jovem.

Detalhes da reforma

A reforma foi dividida em três etapas. Na primeira e na segunda, foram concluídas a unidade neonatal e as enfermarias. Por último ficaram as obras na emergência, que contempla a recepção, acolhimento com classificação de risco, salas de espera, consultórios e sala de parto. Foram realizados serviços de melhorias e modernização com novos revestimentos das paredes, tetos, pisos e esquadrias das enfermarias, postos de enfermagem, emergência, recepção de atendimento da emergência, admissão e alta, e sala de parto.

A estrutura da ala se adequou às recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com recuperação da coberta, reforço nas estruturas de concreto, instalação dos quadros de IT Médico, que garantem segurança, com o pleno funcionamento dos aparelhos elétricos, ao manter ligados os equipamentos médicos e evitar problemas de descarga elétrica, reforma do jardim para banho de sol das mães, instalações elétricas e hidrossanitárias, climatização específica para UTI, com filtragem de ar; instalações de bate-macas e instalações de gases medicinais da unidade neonatal.

Na unidade de Neonatologia, a localização dos postos de enfermagem – antes recuados – agora possibilita uma visão ampla e direta de toda unidade; o piso utilizado é próprio para unidades fechadas, com manta para facilitar a limpeza. A nova tecnologia instalada contempla a monitorização que concentra as informações de cada incubadora, com detalhes sobre saturação e frequência cardíaca de todos os recém-nascidos internados. Nas enfermarias, novas camas e berços permitem que as puérperas e recém-nascidos tenham uma recuperação apropriada, com segurança e excelência.

Todo o Bloco 700, que contem também a Emergência Obstétrica do Hospital e Sala de Parto, além da Enfermaria de Alojamento Conjunto e Unidade Neonatal, foi completamente modernizado. As novas incubadoras estacionárias, por exemplo, possuem sensores que fornecem informações sobre a temperatura e peso do bebê, além da umidade interna. Já as incubadoras de transporte contêm os Ventiladores Mecânicos Manuais em T, que permite o transporte de recém-nascidos com mais segurança internamente ou para outras unidades hospitalares, caso seja necessário.