Ceará reforça parcerias municipais no combate ao mosquito Aedes aegypti

11 de julho de 2017 #

Fotos: Assessoria de Comunicação da Sesa Assessoria de Comunicação da Sesa Cristiane Bonfim/ Marcus Sá / Helga Rackel (85) 3101.5221 / 3101.5220 Twitter: @SaudeCeara www.facebook.com/SaudeCeara

A participação efetiva dos Agentes de Controles de Endemias (ACEs) nas visitas aos imóveis e o trabalho permanente de combate ao mosquito Aedes aegypti, aliado ao processo de educação da população para evitar focos do vetor, foram os principais diferenciais citados pelos gestores que alcançaram os melhores resultados no combate às arboviroses no Ceará, durante visitas solenes realizadas pelo secretário da Saúde do Estado, Henrique Javi, e o secretário adjunto, Marcos Gadelha, na segunda-feira, 10 de julho.

Por terem se destacado nas ações de combate ao mosquito que é vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya, os getores da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), junto a coordenadores e supervisores da Sesa e gestores municipais, participaram de solenidades de reconhecimento dos municípios que atenderam aos critérios de prevenção e controle às arboviroses no ano de 2016. A programação da visita solene aos 15 municípios que tiveram melhores resultados no enfrentamento ao Aedes iniciou em Maracanaú, Eusébio, Cascavel e Parambu.

“O motivo de ter vindo aqui, pessoalmente, é trazer um parabéns do governador Camilo Santana para os municípios que conseguiram fazer uma série de ações que impactaram contra o Aedes”, disse o secretário Henrique Javi. Ele ressaltou ainda que esse reconhecimento chega em um momento peculiar em que o estado atravessa a chegada de um vírus novo para a população do Ceará, que é o da chikungunya.

Premiação em 2018

“Agora, é não medir os esforços para manter esses índices sob controle para que a gente possa chegar em 2018 com menos dor de cabeça, mas para as arboviroses estarem sob controle no município e vocês fazerem jus àqueles R$ 10 milhões que vão ser divididos nos municípios que mantiverem seus índices em condições sustentáveis”, destacou o secretário Henrique Javi. Ele visitou municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (Maracanaú, Eusébio e Cascavel) e entregou certificados de reconhecimento ao trabalho realizado pelas gestões municipais.

Com o lançamento das Ações Estratégicas de Combate ao mosquito Aedes aegypti, feito pelo governador Camilo Santana em 12 de junho passado, ficou instituído incentivo de R$ 10 milhões para os municípios que atingirem os melhores resultados no enfrentamento às arboviroses. Para receber esses recursos, cada cidade cearense precisa atender a critérios de execução das ações previstas de julho a dezembro de 2017, como monitorar permanentemente indicadores que apresentem impacto na redução do número de casos das doenças provocadas pelo mosquito.

Outras visitas

O secretário da Saúde visitará também São João do Jaguaribe, Frecheirinha, Ibiapina, Tianguá, Ubajara, Ererê, Potiretama, Jucás, Milhã, Itaiçaba e Jaguaruana. Os critérios para definição dos melhores resultados foram a cobertura de visitas dos imóveis acima de 80% a cada dois meses, a incidência de casos de dengue abaixo de 250 por 100 mil habitantes e a conquista do Índice de infestação abaixo de 1% nos ciclos de visitas ao longo de 2016. Outro pré-requisito foi que todos esses municípios também tivessem sido premiados pelo Selo Unicef, que reconhece cidades que mais avançaram nas áreas de Saúde, Educação, Proteção e Participação Social em direção à redução das desigualdades que afetam as vidas de crianças e adolescentes.

Este ano, o Governo do Ceará premiou municípios que, em 2016, atenderam a todos esses critérios. Os melhores resultados foram premiados com a doação de 15 veículos modelo Spin, que serão destinados ao apoio às ações de campo dos Agentes de Controle de Endemias. O valor unitário de cada carro é de R$ 67,5 mil, totalizando R$ 1.012.500,00.

Além de parabenizar os municípios pelas metas alcançadas, Henrique Javi destacou ainda que o envolvimento da população também é fundamental para a saúde pública. “Porque saúde pública não é só o agente de endemias, o agente comunitário, o médico. Nós intermediamos com os nossos trabalhos as ações necessárias para fazer acontecer”, ressaltou.

Em Maracanaú, o secretário de Saúde do Município, Torcápio Silva, recebeu Henrique Javi às 9 horas, no centro administrativo municipal. Logo em seguida, às 11 horas, no Eusébio, o prefeito Acilon Gonçalves e o secretário da Saúde do Município, Mário Lúcio, participaram de solenidade na prefeitura. À tarde, às 14 horas, foi a vez de a prefeita de Cascavel, Ivonete Queiroz, e do secretário de Saúde do Município, Luís Carlos, fazerem parte do evento na sede da administração municipal.

O município de Parambu, por sua vez, recebeu o secretário adjunto da Saúde, Marcos Gadelha. “O município foi um dos 15 do Ceará que obteve indicadores e atingiu metas no sentido de reduzir os riscos das pessoas adoecerem de arboviroses como dengue, chikungunya e zika”, declarou o secretário adjunto. Ele destacou a importância de que haja uma continuidade dessas ações e de obter um envolvimento permanente da população nesse sentido. “Os gestores sozinhos não conseguem atingir esses resultados. Esse veículo tem exatamente o objetivo de ajudar os agentes nas ações de campo, de combate e controle das endemias”, explicou Marcos Gadelha, que esteve no município localizado a cerca de 400 quilômetros de Fortaleza.

Cenário epidemiológico

Com a circulação endêmica de três arbovírus, dengue, chikungunya e zika, novos cenários epidemiológicos são identificados no Ceará em 2017. Doença nova no estado, a chikungunya registra casos desde 2014 no Ceará, por isso a população ainda é muito suscetível. Este ano, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado, foram confirmados 31.482 casos até a semana epidemiológica 26 (até 1º/07/2017), com 43 óbitos em consequência da doença, além da confirmação de 14.487 casos de dengue desde janeiro, dos quais oito levaram a óbito. Um total de 402 casos de zika foi confirmado em igual período, sendo 38 confirmados em gestantes por critério laboratorial.