PPA: Emprego urbano e renda na área rural são prioridades no Litoral Oeste – Vale do Curu

21 de julho de 2017 # # #

Assessoria de Comunicação da Seplag Darlan Moreira, Joanna Cruz e Luiz Pedro Neto - (85) 3101.4495 Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado Casa Civil comunicacao@casacivil.ce.gov.br (85) 3466.4898

Oficina de monitoramento e revisão do PPA foi realizada em Itapipoca

Representantes dos doze municípios da região administrativa Litoral Oeste-Vale do Curu estiveram reunidos na sexta-feira (dia 21), na Universidade Estadual do Ceará (Uece), na cidade de Itapipoca, com o propósito de avaliar a execução do Plano Plurianual (PPA) 2016-2019. Durante o encontro, indicaram como questões mais relevantes para a população local a geração de renda nas localidades rurais e empregos na área urbana – principalmente para as pessoas mais jovens.

“Temos em Irauçuba, um município de apenas 23 mil habitantes, mais de 2,8 mil jovens com ensino médio completo sem acesso a empregos formais. E essa é uma grande preocupação da nossa prefeitura”, explicou Sousa Júnior, secretário da Infraestrutura do município. “Estamos aqui com objetivo de solicitar mais efetividade na parceria com o governador Camilo Santana para facilitar a atração de investimentos para o município”.

“Viemos para esse evento na expectativa de somar esforços com o governo estadual e tentar melhorar o ritmo de parcerias em várias áreas, principalmente no que se refere à geração de empregos”, acrescentou Júlio Brasil, secretário de governo de Irauçuba. “Temos três indústrias na cidade, que geram mais de 600 empregos diretos, mas precisamos do apoio do governo estadual para atrair outras empresas”, observou.
Na avaliação de Ribamar Farias, sócio-diretor do Instituto Serra, Sertão e Mar (Sesemar), o desafio é promover a geração de renda nas áreas rurais. “A agricultura familiar precisa de mais acesso à informação e tecnologia, além de programas perenes de assistência técnica. Sem isso, a produtividade no campo e comercialização ficam comprometidas e a tendência é que as pessoas migrem para as periferias das cidades”.

Segundo Ribamar Farias, há gargalos na produção familiar que precisam do apoio do governo estadual para ser superados, a exemplo da questão sanitária na produção animal. “As pessoas até produzem bem, mas têm dificuldade de vender para outras cidades ou regiões por falta de selo de inspeção sanitária. A atenção para a essa questão e mais assistência técnica seriam de muita importância para os pequenos produtores da região.”

Para a vereadora Maria da Conceição Gomes, que já participou de outras oficinas do PPA, as reuniões têm sido produtivas e atendido às expectativas. “As reuniões anteriores deram resultados razoáveis em questões como segurança e saúde. Nossa prioridade agora é a questão hídrica. Estamos sendo assistidos com poços profundos e adutora, mas queremos uma solução perene, com a construção de um grande reservatório no Riacho do Paulo”, ponderou.

Líder da comunidade indígena Tremembé em Itapioca, que congrega cerca de 600 pessoas, Julivan Veríssimo trouxe uma reivindicação específica para a oficina de monitoramento do PPA. “Queremos a continuidade da demarcação da terra indígena Tremembé da Barra do Mundaú, que tem 3,5 mil hectares. O processo teve bom início em 2015, recebeu apoio do governo estadual, mas queremos atenção das autoridades para finalizar de forma segura essa questão”.

O prefeito de Uruburetama, José Hilton Paiva, que abriu a oficina do PPA em Itapipoca, demonstrou preocupação com a questão da segurança e o envolvimento das pessoas com drogas ilícitas na região. “Gostaríamos que o governo nos ajudasse a implantar duas escolas de tempo integral na cidade. Creio que esse é um caminho para afastar nossa juventude da questão da violência”, afirmou o gestor de Uruburetama, município que conta com mais de 234 mil habitantes.

Outra sugestão do prefeito é traçar estratégias conjuntas com o governo estadual na promoção do turismo em Uruburetama. “Temos no município clima serrano, cachoeiras, grutas, trilhas ecológicas, grandes açudes e não estamos tão distante de Fortaleza (115 quilômetros). O momento é de escassez de recursos em todas as áreas, mas temos a sorte de ter um governo estadual austero do ponto de vista fiscal e estamos nesse encontro confiantes que seremos ouvidos e atendidos”, concluiu.