Fortaleza: Governo do Ceará beneficia 1.488 famílias com moradias no Jangurussu

14 de agosto de 2017 # # # #

Fotos: Carlos Gibaja e Marcos Studart / Governo do Ceará

A primeira etapa do residencial José Euclides Ferreira Gomes, localizado no bairro Jangurussu, foi entregue nesta segunda-feira (14) pelo governador do Ceará, Camilo Santana, em companhia do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio, e do vice-presidente de Habitação da Caixa Econômica Federal, Nelson Sousa. O equipamento vai acolher, inicialmente, por meio do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV), 1.488 famílias oriundas do entorno dos rios Maranguapinho e Cocó, áreas de impacto que atualmente recebem projetos de urbanização.

Ainda neste ano, outras 1.504 famílias também serão contempladas com unidades habitacionais do residencial. “Este empreendimento está bem localizado, com toda a infraestrutura necessária”, analisou o governador durante a cerimônia.

Até agora, dentro do Plano Estadual de Habitação, mais de 40 mil unidades já foram entregues, somando as unidades da faixa 1 (que atende famílias com renda de até R$ 1.800 por mês), do SUB-50 (municípios com população de até 50 mil habitantes) e do Plano Nacional de Habitação Rural (PNHR). Em todo o Estado, já foram contratadas mais de 60 mil unidades. “Só da parceria entre a prefeitura de Fortaleza e o Estado são mais de 30 mil apartamentos. É a maior quantidade de unidades já construídas”, calculou Santana.

O secretário das Cidades, Jesualdo Farias, destacou o empenho dos agentes envolvidos na política de habitação. “Agradeço o empenho de todos nessa tarefa difícil de estruturar, de organizar, de construir tantos sonhos para as pessoas que buscam uma moradia digna”, afirmou.

O prefeito Roberto Cláudio lembrou, ainda, que outros residenciais estão sendo levantados na região, como o Luiz Gonzaga (1.750 unidades) e o Alameda (cerca de 5 mil unidades). “Temos areninha, Escola de Tempo Integral, creches, posto de saúde, a duplicação da principal via de acesso – a avenida Valparaíso. Governo e Prefeitura fizeram chegar, juntos, uma infraestrutura em paralelo (à construção do residencial)”, disse o gestor municipal.

Atualmente, o Governo do Ceará tem em andamento a construção de 18 empreendimentos na faixa 1 do PMCMV – são mais de 17.311 unidades, sendo 13.168 na Capital. No primeiro semestre deste ano, foram entregues 840 apartamentos dos residenciais Riacho Verde I e II (Siqueira), Nossa Senhora do Livramento (Trairi) e Águas de Jaçanã (Maracanaú).

Segundo Nelson Sousa, a Caixa Econômica Federal assegura os investimentos para todas as obras contratadas. “Os recursos financeiros estão garantidos; estão todos contabilizados e todas as obras em andamento serão concluídas, tanto do faixa 1, como em outras”, garantiu.

Mais acessibilidade

Ronaldo Pereira, de 28 anos, não vê a hora de fazer a mudança para o novo lar. Com deficiência física, ele lembra de como era o deslocamento na antiga morada, às margens do Cocó, próximo ao Castelão. “A casa fica perto de um rio. Quando tem enchente, alaga. A estrada só tinha buraco e pedra. Aqui (no Jangurussu), é ótimo”, comparou Ronaldo, que testou as rampas de acessibilidade durante a entrega da casa.

Mãe de Ronaldo, a dona de casa Antônia Ilma, de 56, sorri ao ver a nova casa. E não esconde a pressa pelo sossego: “A minha casa tá quase caindo na cabeça. Estou ansiosa pra vir pra cá. Já posso dizer que venho pro céu”.

José Euclides Ferreira Gomes Júnior

José Euclides Ferreira Gomes nomeia o residencial entregue pelo governador Camilo Santana nesta segunda-feira (14). Defensor público, José Euclides foi prefeito do município de Sobral entre os anos de 1977 e 1982. Pai de Ciro e Cid Gomes, ambos ex-governadores do Ceará, e de Lia, Ivo (atual prefeito de Sobral) e Lúcio Gomes (atual secretário da Infraestrutura do Estado), José Euclides Ferreira Gomes Júnior faleceu em junho de 1996, aos 78 anos.

Corte no Bolsa Família

Durante a entrega das unidades habitacionais, o governador Camilo Santana se pronunciou sobre o corte de 41.691 famílias do programa Bolsa Família – a maior redução de contemplados da história do programa. “Para mim, isso é um crime. Quem deve pagar a conta da má administração do País não são os mais pobres, mais humildes. E infelizmente é o que está acontecendo, ainda mais quando o desemprego aumentou, quando a situação econômica está complicada”, disse. Os estados brasileiros sofrem cortes contínuos desde março último. Nesse período, o Ceará já soma 70 mil famílias retiradas do Bolsa Família.