Pioneirismo: Ceará passa a utilizar barco robótico inédito no País para coleta e monitoramento ambiental

25 de agosto de 2017 # # # #

André Victor Rodrigues - Repórter
Carlos Gibaja e Davi Pinheiro - Fotógrafos

Barco robótico vai ajudar a monitorar o meio ambiente

Na manhã desta sexta-feira (25), às margens do Rio Cocó, o Governo do Ceará entregou equipamento tecnológico inédito no País para a análise e o monitoramento das águas dos mananciais do Estado. Trata-se do barco robótico Iracema (Instrumentos Robóticos Autônomos para Coleta e Monitoramento Ambiental). De forma autônoma e funcionando como laboratório móvel, a embarcação irá atender às demandas de órgãos como Funceme, INPE, Cagece e Cogerh, de acordo com solicitação das entidades. O governador Camilo Santana presidiu a solenidade de entrega – acompanhado do secretário da Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Inácio Arruda, de representantes de institutos tecnológicos e outros gestores estaduais – e realizou percurso no barco pelas águas do Cocó.

O barco pode ser utilizado para determinação da topografia do leito em águas costeiras (mares) e interiores (rios, lagoas etc), além de realizar batimetria, mensuração da profundidade das massas de água (oceanos, mares, lagos etc.). O equipamento possui capacidade para execução de sensoriamento científico, coleta de amostras e monitoramento de reservas ambientais. O Iracema é a primeira embarcação destinada à operação em regiões costeiras, compreendendo uma arquitetura integrada de software para coordenação e controle.

Barco robótico é inovação no Brasil para monitoramento do meio ambiente

Camilo Santana destacou o investimento de cerca de R$ 1,5 milhão oriundo de parcerias da Secitece com Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), ARMTEC Tecnologia em Robótica, para elaboração e concepção do projeto, além do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para o financiamento de bolsas de pesquisa. O governador classificou como grande ganho para a preservação do meio ambiente a concretização do projeto Iracema.

“O barco tecnológico representa avanço da ciência e da tecnologia para o Estado do Ceará. Vamos ter um equipamento que possibilita fazer o monitoramento da qualidade das águas do Ceará, tanto do mar quanto rios, açudes e lagoas. Temos aqui um projeto para fazer a dragagem (limpeza) do Cocó, para dar navegabilidade e balneabilidade ao rio e aos nossos mananciais urbanos. Esse equipamento vai ser muito importante para fazer os estudos e traçar os parâmetros, para que a gente possa planejar as ações”, disse o chefe do Executivo.

Elaborado pelo Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação (ITIC) – vinculada à Secitece – e pelo Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer – Campus Nordeste (CTI-NE), o projeto da construção também contou com a colaboração de diversas instituições de pesquisa, como a Universidade Federal do Ceará, Universidade de Fortaleza e Universidade Federal Vale do São Francisco, além do Instituto Atlântico.

Pioneirismo

Titular da Secitece e presidente do Conselho do ITIC, Inácio Arruda ressaltou o caráter pioneiro do Ceará na construção de barcos robóticos, visando à elaboração de sistemas e instrumentos autônomos para coleta de dados e monitoramento ambiental. “É um grau de tecnologia elevado, o que permite esse barco a examinar a qualidade da água e mandar imediatamente as informações para a Semace e várias outras empresas que precisam desses dados. O laboratório já é onde o equipamento está, pronto a remeter as análises direto do local”, explicou.

Barco robótico funciona de forma autônoma como laboratório móvel

O diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da ARMTEC, Roberto Macedo, observou que o Iracema é a primeira embarcação robótica para fazer medições de informações ambientais, e isso significa um novo passo para fazer operações de monitoramento sem precisar ter uma tripulação. “O barco foi escolhido para ser catamarã (embarcação com dois cascos e propulsão a motor) pela versatilidade nas águas e estabilidade da embarcação, tem um sistema de propulsão próprio, tem um sistema de ancoramento próprio, tudo integrado e automático. Nós temos uma embarcação que está a favor do crescimento sustentável de uma nação. Ela consegue verificar nos locais que teriam riscos para o ser humano e, através de um laboratório móvel, já dar o alerta imediato para se tomar uma ação”, descreveu.