Saúde garante atendimento a crianças com deficiência no Ceará

22 de setembro de 2017 # # # #

Cristiane Bonfim, Thiago Conrado e Diana Vasconcelos - Assessoria de Comunicação da Sesa

Atenção permanente nos 19 núcleos de estimulação precoce e atendimento domiciliar do Hospital Infantil Albert Sabin estão entre os serviços voltados para crianças e adolescentes.

Atenção permanente nos 19 núcleos de estimulação precoce e atendimento domiciliar do Hospital Infantil Albert Sabin estão entre os serviços voltados para crianças e adolescentes

Atenção permanente nos 19 núcleos de estimulação precoce e atendimento domiciliar do Hospital Infantil Albert Sabin estão entre os serviços voltados para crianças e adolescentes.

O Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, 21 de setembro, demarca a importância de garantir a esses cidadãos o pleno exercício de seus direitos básicos, inclusive dos direitos à saúde. Pequenos cearenses que têm impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial contam com assistência permanente em serviços como os que são disponibilizados nos 19 Núcleos de Estimulação Precoce (NEPs) das policlínicas regionais, do Governo do Ceará, e pelo Programa de Assistência Ventilatória Domiciliar (PAVD) do Hospital Infantil Albert Sabin, também da rede pública estadual.

Foi para atender cearenses de 0 a 3 anos que foram criados, em 2015, os Núcleos de Estimulação Precoce (NEPs) instalados nas policlínicas regionais, onde essas crianças são cuidadas por 120 profissionais que integram equipes multidisciplinares. Pediatras, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos foram capacitados em todo o Ceará para que crianças com diferentes graus de comprometimento, inclusive aquelas com deficiência, fossem plenamente assistidos.

Desde 2015, o Ceará confirmou 163 casos de crianças com síndrome congênita de zika, conforme último boletim epidemiológico da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). O Estado também traçou estratégia de ação para investigação e diagnóstico desses casos. O planejamento e a execução da iniciativa foram feitos pela Sesa em parceria com o Programa Mais Infância Ceará, que tem à frente a primeira-dama do Estado Onélia Leite de Santana.

Atualmente, há 567 crianças cadastradas e em atendimento nos núcleos de estimulação das policlínicas, 120 com síndrome congênita de zika e as demais com outras patologias (como paralisia cerebral, encefalopatia etc.). A iniciativa também garantiu atendimento a outras crianças com necessidade de estimulação precoce. A atenção está descentralizada nas regiões de saúde, com cobertura para os 184 municípios cearenses, o que faz com que as famílias consigam ser atendidas mais perto da cidade onde moram.

Qualidade de vida

Atenção permanente nos 19 núcleos de estimulação precoce e atendimento domiciliar do Hospital Infantil Albert Sabin estão entre os serviços voltados para crianças e adolescentes

São crianças como Paulo José, de um ano e cinco meses, que são beneficiadas pelo atendimento nos NEPs. “Me sinto bem em ver a melhora dele. Ele chegou aqui sem abrir a mãozinha. Hoje já vejo isso acontecer. Esse atendimento aqui é muito importante para a saúde dele”, conta Maria Lucinete Vasconcelos, mãe da criança. Natural de Sobral, Paulo José é atendido na policlínica regional daquele município. A criança tem microcefalia causada pela síndrome congênita do zika. Boa parte dos pequenos pacientes têm o polegar incluso, característica que dificulta ações simples da rotina de qualquer criança, como pegar um brinquedo.

Atualmente, 29 pacientes estão cadastrados para acompanhamento no núcleo de Sobral. “São atendidas crianças com alterações em desenvolvimento neuropsicomotor de 0 a 3 anos de idade. Para dar entrada no serviço é necessário ter de 0 a 12 meses. O serviço recebe pacientes com síndrome de down, microcefalia, paralisia cerebral e outras alterações neuropsicomotoras”, destaca a fonoaudióloga Elysângela Vasconcelos.

Atenção permanente nos 19 núcleos de estimulação precoce e atendimento domiciliar do Hospital Infantil Albert Sabin estão entre os serviços voltados para crianças e adolescentes.

Jennifer Nayra tem nove meses vida e, há quatro meses, é acompanhada pela equipe multiprofissional do núcleo de estimulação precoce da policlínica regional em Sobral. Ela nasceu com paralisia cerebral e a mãe dela, Nayara da Silva, de 21 anos, não esconde a alegria em ver a evolução da filha. “Depois que ela começou a ser atendida no núcleo vejo que ela melhorou bastante. Eu, como mãe, fico muito feliz em ver a cada dia a melhora dela”, comemora.

Os atendimentos são feitos duas vezes por semana, com 45 minutos divididos entre fonoaudióloga, fisioterapeuta e terapeuta ocupacional. Tudo em relação ao contexto individual de cada paciente é conversado com as mães. “Todo mês é realizada uma discussão com as mães sobre um determinado assunto que seja importante para o desenvolvimento da criança. Falar um pouco da higiene, da patologia, do nosso trabalho. Para elas saberem como é importante que elas deem esse auxílio em casa para a evolução dos seus filhos”, afirma a fisioterapeuta Lívia Braga. A policlínica regional, que está na 11ª Região de Saúde, em Sobral, atende a outros 23 municípios.

Atendimento domiciliar

Crianças cearenses com outras necessidades são atendidas no Programa de Assistência Ventilatória Domiciliar (PAVD), do Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), do Governo do Ceará. “O objetivo do PAVD é prestar assistência domiciliar com equipe multiprofissional a crianças e adolescentes dependentes da ventilação mecânica de uso contínuo ou intermitente”, explica a médica pediatria, Cristiane Rodrigues, que é coordenadora do PAVD e idealizadora do programa.

O PAVD, atualmente, atende 23 pacientes. Todos eles apresentam doenças neuromusculares progressivas. A equipe é formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, assistentes sociais, nutricionistas, cirurgião pediátrico, técnicos de enfermagem para apoio e motoristas. Cada um dos profissionais realiza visitas regulares à casa dos pacientes, sempre entre segunda-feira e sábado. Em caso de intercorrências, uma linha telefônica é disponibilizada 24 horas para que os pais de crianças atendidas entrem em contato.

Atenção permanente nos 19 núcleos de estimulação precoce e atendimento domiciliar do Hospital Infantil Albert Sabin estão entre os serviços voltados para crianças e adolescentes.

“Fácil não é. É uma luta diária, um aprendizado”, é assim que a dona de casa Adriana de Sousa Nunes Rabelo descreve a rotina com o filho portador de Amiotrofia Muscular Espinhal (Ame), tipo I. O pequeno Daniel tem apenas dois anos e, devido à doença, é totalmente dependente dos pais. Além da ajuda dos pais, ele conta com o atendimento do PAVD, do Hospital Albert Sabin. Daniel, que sofre do tipo mais grave de amiotrofia, passou a ser atendido pelo PAVD em novembro de 2016, após internação de mais de um ano no Hias.

Saiba mais

Capacitação inclusiva modifica participação de deficientes no mercado de trabalho
Acessibilidade é prioridade em projetos do Governo do Ceará
Educação: atendimento especializado nas escolas estaduais auxilia estudantes com deficiência a construir sonhos
Políticas públicas para pessoas com deficiência avançam no Estado