Programação do dia de combate à sífilis começa neste sábado (7)

6 de outubro de 2017 # # # #

Cristiane Bonfim/ Marcus Sá / Helga Rackel - Assessoria de Comunicação da Sesa

Tem início neste sábado, 7 de outubro, a programação elaborada pela Secretaria da Saúde do Ceará alusiva ao Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita, 21 de outubro, terceiro sábado do mês. A atividade acontecerá na Praça Primeiro de Maio, no Parque Dois Irmãos, em Fortaleza, com realização de testagem rápida para a sífilis, das 8 às 12 horas. No mesmo horário, haverá testagem para a doença no Vapt Vupt de Messejana, na terça-feira, dia 17, e no Vapt Vupt de Antônio Bezerra, na quarta-feira, dia 18.

Para atualizar os profissionais de saúde dos municípios nas ações de vigilância e manejo clínico de pacientes, haverá transmissão de webpalestra sobre sífilis pelo Núcleo de Telessaúde do Ceará, na segunda-feira, 16 de outubro, a partir das 14 horas. Com o mesmo objetivo, será realizado na quarta-feira, 19, o Simpósio Cearense sobre Sífilis, das 8 às 17 horas, no Auditório Waldir Arcoverde, da Secretaria da Saúde do Ceará. Na quinta-feira, 20 de outubro, equipe da Secretaria da Saúde estará no Shopping Benfica, das 15 às 20 horas, para levar informações sobre a doença à população.

O que é a sífilis

A sífilis é uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum. Podem se manifestar em três estágios. Os maiores sintomas ocorrem nas duas primeiras fases, período em que a doença é mais contagiosa. O terceiro estágio pode não apresentar sintoma e, por isso, dá a falsa impressão de cura da doença. Todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar o teste para diagnosticar a sífilis, principalmente as gestantes, pois a sífilis congênita pode causar aborto, má formação do feto e/ou morte ao nascer. O teste deve ser feito na 1ª consulta do pré-natal, no 3º trimestre da gestação e no momento do parto (independentemente de exames anteriores). O cuidado também deve ser especial durante o parto para evitar sequelas no bebê, como cegueira, surdez e deficiência mental.

A doença pode ser transmitida de uma pessoa para outra durante o sexo sem camisinha com alguém infectado, por sangue contaminado ou da mãe infectada para o bebê durante a gestação ou o parto. O uso da camisinha em todas as relações sexuais e o correto acompanhamento durante a gravidez são meios simples, confiáveis e baratos de prevenir-se contra a sífilis.

Sintomas

Os primeiros sintomas da doença são pequenas feridas nos órgãos sexuais e caroços nas virilhas (ínguas), que surgem entre a 7 e 20 dias após o sexo desprotegido com alguém infectado. A ferida e as ínguas não doem, não coçam, não ardem e não apresentam pus. Mesmo sem tratamento, essas feridas podem desaparecer sem deixar cicatriz. Mas a pessoa continua doente e a doença se desenvolve. Ao alcançar um certo estágio, podem surgir manchas em várias partes do corpo (inclusive mãos e pés) e queda dos cabelos.

Após algum tempo, que varia de pessoa para pessoa, as manchas também desaparecem, dando a ideia de melhora. A doença pode ficar estacionada por meses ou anos, até o momento em que surgem complicações graves como cegueira, paralisia, doença cerebral e problemas cardíacos, podendo, inclusive, levar à morte.

Prevenção

Com o foco da prevenção, o Ceará foi o primeiro estado brasileiro a universalizar, em 2010, os dois testes de HIV e sífilis para gestantes no pré-natal. A universalização do exame foi possível com a aquisição de equipamentos para os Laboratórios Centrais de Saúde Pública (Lacen), unidades da rede estadual de saúde que realizam os testes. A Sesa realizou capacitações para a aplicação do novo teste rápido de HIV e sífilis, que diminui o risco de falso positivo. Para avançar no tratamento da doença, em 2012 a Secretaria distribuiu kits de reação anafilática por penicilina a 183 municípios para o tratamento de possíveis reação alérgica em pacientes com sífilis.

Lei sancionada este ano instituiu o Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita, no terceiro sábado de outubro de cada ano. O objetivo é enfatizar a importância do diagnóstico e do tratamento adequado da sífilis como doença sexualmente transmissível e especialmente na gestante durante o pré-natal. Para isso, a nova lei determina o incentivo à participação de profissionais e gestores de saúde. A proposta visa aumentar a conscientização da população para uma doença de fácil identificação e tratamento, mas que continua produzindo muitas vítimas, principalmente entre recém-nascidos.

A sífilis congênita persiste no Brasil com uma taxa de 4,7 casos por mil nascidos vivos. Já no caso da sífilis em gestantes, a taxa chega a 7,4 casos para cada mil nascidos vivos, segundo dados do Ministério da Saúde.De acordo com a atualização semanal de doenças de notificação compulsória, até a semana epidemiológica 39, encerrada em 30 de setembro, o Ceará registra no ano 899 casos de sífilis congênita e 767 casos de sífilis em gestantes.