Cinema no interior: Adolescentes do sistema socioeducativo produzem filme por meio de projeto cinematográfico

20 de outubro de 2017 # # # #

Lígia Duarte Assessoria de Imprensa da Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo.

Com o intuito de desenvolver perspectivas do ser, sensações e emoções, a Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo, junto às entidades que trabalham em cogestão nas unidades de atendimento socioeducativo, firmou parceria com o projeto Cinema no Interior, do cineasta Marcos Carvalho, para proporcionar aulas de arte visual para os adolescentes que cumprem medidas socioeducativas.

A iniciativa faz parte das ações do eixo Ceará Pacífico e foi apresentada na tarde desta quinta-feira (19) à vice-governadora Izolda Cela.

As atividades visam proporcionar que os adolescentes privados de liberdade possam, através de seu olhar e de suas experiências de vida, construir um filme (curta-metragem) com a ajuda de um aparato de profissionais do ramo das artes.

O projeto é dividido em seis oficinas, com duração de uma semana cada. São elas: “Oficina de Fotografia – o despertar do olhar”, “Cinema-Interação com o Mundo”, “Oficina de interpretação”, “Oficina de Som – Criação e Gravação de Trilha Sonora”, “Oficina de Roteiro” e “Oficina Fazendo Filmes”.

Após a conclusão das oficinas, os adolescentes produzem um curta-metragem com a ajuda dos profissionais da área, como explica Marcos Carvalho. “[…] Todas essas oficinas fazem parte de um processo de construção de um filme. O filme foi roteirizado pelos alunos, e de fato ele representa a vida de muitos brasileiros, e voltamos ao tema “Brasil Real”, inspirados também, em capítulos, de momentos importantes da vida de muitos deles. No filme, por exemplo, você encontra o carinho, o respeito, admiração que eles têm por alguns profissionais que eles cruzaram no caminho.”

As atividades da oficina cinematográfica começaram na unidade de semiliberdade de Juazeiro e no Centro Socioeducativo Dr. Zequinha Parente em Sobral, que são geridos em sistema de cogestão com o Movimento Consciência Jovem (MCJ). A ideia é que essa parceria possa se expandir para outras unidades do Ceará.