CE Pacífico: Governo do Ceará debate soluções para a segurança com conselhos comunitários

21 de outubro de 2017 # # # #

André Victor Rodrigues - Repórter
Tiago Stille - Fotógrafo

Com o objetivo de ouvir sugestões e debater políticas públicas com membros de comunidades de todo o Estado, o Governo do Ceará promoveu neste sábado (21) o Seminário dos Conselhos Comunitários de Defesa Social (CCDS) de 2017. O encontro reuniu 1.000 representantes de conselhos no Centro de Eventos do Ceará e foi presidido pelo governador Camilo Santana.

Durante o evento, o chefe do Executivo interagiu com os participantes, respondendo a demandas apresentadas pela população de diversos municípios cearenses. Camilo Santana ressaltou que o Governo do Ceará, através do seminário, reforça o compromisso da gestão pública com a construção coletiva de ações para o bem social e colabora para o “empoderamento da população” no planejamento estadual, em especial da Segurança Pública.

“Nós acreditamos que qualquer política que seja construída e implementada para a sociedade precisa ser dialogada com a população. E ninguém mais do que os Conselhos Comunitários de Defesa Social para sugerir, criticar e apoiar nessa construção. São eles que vivem o dia a dia nos bairros e enfrentam os problemas da violência. Eles podem sugerir alternativas de prevenção e apoio, não só na infraestrutura urbana do bairro, mas em projetos sociais que possam acolher os jovens e gerar mais oportunidades”, apontou.

Além de Camilo, participaram do evento a vice-governadora Izolda Cela, responsável por proferir a palestra sobre o Pacto por um Ceará Pacífico, e o secretário da Segurança Pública e Desenvolvimento Social, André Costa, que apresentou resultados das ações da pasta no Estado.

Projetos para a comunidade

Para o evento deste sábado, o Governo do Ceará mobilizou a vinda de representantes de todo o Interior do Estado, para valorizar e ampliar as iniciativas de todas as localidades cearenses. Durante o seminário foram empossados cerca de 380 novos conselheiros, para mandato de quatro anos.

Titular da SSPDS, André Costa argumentou que o Estado assume diante do CCDS o papel de levantar as informações e detectar as principais carências da população. A partir deste diálogo, aponta o secretário, é possível entender como trabalhar melhor projetos específicos em cada comunidade.

“Neste seminário a gente pode ter um momento de maior aproximação, contato direto. Buscamos seguir o caminho de ouvir as pessoas, as demandas que elas têm, principalmente nessa área de Segurança Pública, que hoje é o problema que mais aflige a população em geral. Aqui temos pessoas que escolheram ter um engajamento maior e debater temas específicos”, explicou.

Diversos stands estiveram instalados no Centro de Eventos do Ceará para apresentar as ações mantidas pela Segurança Pública e parceiros, como a Polícia Militar (Proerd, Cavalaria e Canil, por exemplo), Bombeiros (Saúde e Sociedade, Jovem Bombeiro Voluntário, entre outros), Polícia Civil (Divisão de Proteção ao Estudante), Ceará Pacífico e dos Escoteiros do Brasil.

Comunidade em ação

O radialista Carlos Régius está se integrando agora ao CCDS. E com grande expectativa de contribuir com as políticas públicas do Ceará. Para ele, é notória a integração cada vez maior entre as ideias apresentadas pelas lideranças comunitárias e o corpo de gestores estaduais, em todos os campos de atuação.

“Vamos fazer parte de uma construção de políticas públicas. O nosso papel principal é tentar identificar as deficiências da nossa comunidade para ajudar a minimizar os acontecimentos na área da Segurança, como também inserir os menos favorecidos neste momento de construção”, expôs.

A presidente do CCDS de Quixeramobim, Mazé Damasceno, trouxe uma expressiva comitiva do município e da Região do Sertão Central para o seminário. Com vários anos de experiência em projetos comunitários e no diálogo com o poder público, ela testemunha que é possível reivindicar e participar ativamente das ações e melhorias na vida da comunidade. “Temos vários programas para juventude na minha cidade. Sempre lutamos por eles. Através do conselho, já conseguimos para o município de Quixeramobim, o IML, o Corpo de Bombeiros e recentemente a equipe do Raio, tudo através de reuniões e solicitações junto ao Governo do Ceará”.

Para ampliar a valorização dos conselhos, o governador Camilo Santana anunciou nesta edição do Seminário CCDS a novidade de que serão feitas reuniões mensais com as lideranças dos Conselhos Comunitários de Defesa Social para discussão e acompanhamentos de temas e pautas mais urgentes para a população.

Luta reforçada

Coordenadora do Pacto por um Ceará Pacífico, a vice-governadora Izolda Cela reforçou em seu discurso no seminário a relevância de a comunidade andar junto aos governantes na elaboração de soluções no combate à violência. Para ela, os conselheiros são representantes com grande poder e responsabilidade, capazes de transformar mais do que ninguém a realidade onde vivem.

“Mais do que um programa que tenha ações, essa é uma instância de mobilização compreendida pelo governador como altamente necessária se a gente quiser ter chance de vencer essa batalha contra a violência e sermos mais eficazes nesse combate”, afirmou Izolda.

Reivindicações

Ao longo da manhã, Camilo Santana conversou e ouviu anseios por parte de populares no evento. Entre as reivindicações das comunidades, que foram apresentadas por representantes dos CCDS, destacou-se o pedido por construção de areninhas em bairros de Fortaleza e em alguns municípios.

Sobre o tema, o governador reforçou que 33 novos equipamentos de lazer e esporte estão licitados e, até o final do mês, o Governo do Ceará deve iniciar as ordens de serviço da maioria destes.

Os municípios que receberão o Projeto Areninha neste primeiro momento são: Acaraú, Aquiraz, Aracati (Sede e Canoa Quebrada), Barbalha, Brejo Santo, Camocim, Canindé, Cascavel, Caucaia, Crateús, Crato, Eusébio, Guaraciaba do Norte, Horizonte, Icó, Iguatu, Itaitinga, Itapajé, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Limoeiro do Norte, Maracanaú, Maranguape, Mombaça, Morada Nova, Pacajus, Pacatuba, Paracuru, Quixadá, Quixeramobim, Russas, Santa Quitéria, São Benedito, São Gonçalo do Amarante, Sobral, Tauá e Tianguá.

“Acrescentamos mais duas cidades na lista das que vão receber as areninhas, que são Granja e Trairi. A nossa intenção é que todo município acima de 50 mil habitantes receba areninha. A ideia é levar acolhimento e estrutura para esporte e lazer para os jovens”, disse.

Sobre o CCDS

O Conselho Comunitário de Defesa Social (CCDS) foi criado em 1998, com objetivo de participar ativamente da solução dos problemas de segurança, apoiando e auxiliando a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Anualmente, a diretoria dos CCDS, composta com no mínimo 10 e no máximo 20 membros, é eleita pela comunidade e constituída por autoridades da SSPDS, representantes de associações, lideres comunitários, profissionais liberais, estudantes de nível médio e universitários e demais cidadãos, todos espontaneamente comprometidos com a colaboração para o equacionamento dos problemas de segurança pública.

Os voluntários trabalham diariamente em prol da segurança dos moradores, auxiliando a polícia na manutenção da ordem pública. Através de reuniões, os conselheiros apresentam a defesa dos interesses da comunidade, junto aos poderes públicos, garantindo assim a satisfação dos anseios e necessidades existentes. A ideia é incentivar o bom relacionamento da população com a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e Polícia Civil.

 

Ouça

O governador Camilo Santana ressaltou que o Governo do Ceará, através do seminário, reforça o compromisso da gestão pública com a construção coletiva de ações para o bem social e colabora para o “empoderamento da população” no planejamento estadual, em especial da Segurança Pública.

O secretário da SSPDS, André Costa argumentou que o Estado assume diante do CCDS o papel de levantar as informações e detectar as principais carências da população.

Coordenadora do Pacto por um Ceará Pacífico, a vice-governadora Izolda Cela reforçou em seu discurso no seminário a relevância de a comunidade andar junto aos governantes na elaboração de soluções no combate à violência.