Ceará Pacífico: células de mediação escolar serão implantadas em municípios cearenses

26 de outubro de 2017 # # # #

Giuliano Vandson - Gestor de Célula/Secretarias

Os acordos de cooperação técnica com municípios cearenses para a implantação das células de mediação escolar seguem avançando. Desta vez, mais seis municípios assinaram o acordo com a Vice-governadoria, a Secretaria da Educação do Ceará (Seduc) e o Ministério Público Estadual. Ao todo já são 23 municípios que assinaram o acordo iniciado neste mês. A reunião ocorreu nesta quarta-feira (25) no Palácio Iracema, em Fortaleza.

A assinatura do termo de cooperação é uma das ações do Pacto por um Ceará Pacífico na instituição de uma política pública para resolução pacífica de conflitos e para o desenvolvimento de ações voltadas para a construção de uma cultura de paz nas escolas e redução dos impactos da violência urbana no ambiente das unidades de ensino públicas municipais. O compromisso, a ação, a promoção e o desenvolvimento das ações de mediação escolar tem como base fundamental a relação entre o município e a Seduc.

A vice-governadora Izolda Cela destaca a importância da mediação nas resoluções de problemas e como um uma relação direta com o eixo do Ceará Pacífico na melhoria da segurança e principalmente na prevenção. “Nós iniciamos a experiência de mediação das escolas no Estado, e precisamos ter a disposição e a compreensão do problema, pois quanto mais ampla a questão é vista, temos mais chances de nos movimentar em algumas frentes que podem contribuir trabalhando sério e forte a curto prazo, para termos repercussões a médio e longo prazo”, explicou Izolda Cela.

Com a assinatura do termo, o próximo passo é uma formação de mediadores já na primeira semana de novembro. O processo será coordenado pela Secretaria de Educação e pelo Gabinete da vice-governadora.

De acordo com a secretária adjunta da Seduc, Márcia Campos, “precisamos ter nas secretarias de educação dos municípios locais para tratar questões relevantes como conflitos emocionais, violência escolar, entre tantas outras. Faz-se necessário uma célula para tratar de coisas que fazem parte das realidades da escolas e para isso temos que ter profissionais capacitados. A Seduc e todos os parceiros aqui vai possibilitar a formação para que as pessoas no município tenham competência para implementar este trabalho de forma assertiva e para que este possa ser um multiplicador”.

O procurador-geral de Justiça do Estado, Plácido Rios, a mediação nas escolas e nos núcleos de mediação do Ministério Público que fazem parte do Pacto por um Ceará Pacífico são a base para a resolução de problemas. “Vivemos em uma sociedade conflituosa e por isso é de uma importância tão grande a mediação escolar. A mediação tende a resolver os problemas pela própria raiz do problema. O sistema de justiça no Brasil provou por si só não é capaz de trazer a pacificação na nossa sociedade”.

Estiveram presentes no evento, membros do MP e gestores dos municípios de Sobral, Brejo Santo, Russas, Camocim, Canindé e Icó.

Já assinaram o termo de cooperação, os municípios de Acaraú, Baturité, Beberibe, Caucaia, Crateús, Crato, Guaramiranga, Iguatu, Itapajé, Jaguaribe, Juazeiro do Norte, Maracanaú, Quixadá, Redenção, Senador Pompeu, Tauá e Tianguá.

Mediação Escolar

É o conjunto de saberes, comportamentos, habilidades, técnicas de mediação, práticas restaurativas e processos circulares, além de procedimentos que têm como objetivo a gestão positiva dos conflitos, a prevenção da violência e a construção de uma Cultura de Paz, conceito abrangente esse que é adotado em razão do contexto e do ambiente escolar.

 

Ouça

A vice-governadora Izolda Cela destaca a importância da mediação nas resoluções de problemas e como um uma relação direta com o eixo do Ceará Pacífico na melhoria da segurança e principalmente na prevenção.

De acordo com a secretária adjunta da Seduc, Márcia Campos, é preciso pensar em locais específicos nas escolas que tratem desses conflitos.

Para o procurador-geral de Justiça do Estado, Plácido Rios, a mediação nas escolas e nos núcleos de mediação do Ministério Público que fazem parte do Pacto por um Ceará Pacífico são a base para a resolução de problemas.