Curso capacita na vigilância das doenças crônicas não transmissíveis

24 de novembro de 2017 # # #

Cristiane Bonfim/ Marcus Sá / Helga Rackel - Assessoria de Comunicação da Sesa (85) 3101.5221 / 3101.5220 - www.facebook.com/SaudeCeara

Os dezesseis municípios prioritários para a vigilância das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) terão representantes no Curso Básico de Vigilância das Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs), realizado pela Secretaria da Saúde do Ceará, através da parceria entre a Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde (COPROM) e a Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE). Destinada aos coordenadores de Vigilância Epidemiológica e profissionais da Atenção Básica dos municípios, o curso será realizado de 27 de novembro a 1º de dezembro, na ESP/CE.

O objetivo do curso é capacitar na vigilância das doenças não transmissíveis profissionais de saúde dos municípios de Fortaleza, Eusébio, Aquiraz, Itaitinga, Maracanaú, Palmácia, Redenção, Guaiúba, Maranguape, Barreira, Itapipoca, Russas, Morada Nova, Jaguaretama, Sobral e Juazeiro do Norte. Os profissionais serão capacitados para implantar o Plano Estadual de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no município e elaborar o plano municipal, a fim de reduzir as altas taxas de morbimortalidade prematura com ações de promoção e prevenção de saúde.

As DCNT são as principais causas de morte no mundo. Um terço dessas mortes ocorre em pessoas com idade inferior a 60 anos. A maioria dos óbitos por DCNT são atribuíveis às doenças do aparelho circulatório, ao câncer, diabetes e às doenças respiratórias crônicas. As principais causas dessas doenças incluem fatores de risco modificáveis, como tabagismo, consumo nocivo de bebida alcoólica, inatividade física e alimentação inadequada. No Brasil, as doenças crônicas não transmissíveis constituem o problema de saúde de maior magnitude e correspondem a 72% das causas de mortes. No Ceará, as principais causas de morte são o Acidente Vascular Cerebral (AVC), câncer e as violências, todas classificadas como DCNT.

Em 2011, o Ministério da Saúde lançou o Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil, 2011-2022, que define e prioriza as ações e os investimentos necessários para preparar o país para enfrentar e deter as DCNT, entre as quais o AVC, infarto, hipertensão arterial, câncer, diabetes e doenças respiratórias crônicas. O objetivo do Plano de Enfrentamento de DCNT é o de promover o desenvolvimento e a implementação de políticas públicas efetivas, integradas, sustentáveis e baseadas em evidências para a prevenção e o controle das DCNT e os fatores de risco e fortalecer os serviços de saúde voltados às doenças crônicas.

As metas nacionais propostas no Plano incluem reduzir a taxa de mortalidade prematura (até 70 anos) por DCNT em 2% ao ano; reduzir a prevalência de obesidade em crianças e adolescentes; deter o crescimento da obesidade em adultos; reduzir as prevalências de consumo nocivo de álcool; aumentar a prevalência de atividade física no lazer; aumentar o consumo de frutas e hortaliças; reduzir o consumo médio de sal; reduzir a prevalência de tabagismo; aumentar a cobertura de mamografia em mulheres entre 50 e 69 anos; aumentar a cobertura de exame preventivo de câncer de colo uterino em mulheres de 25 a 64 anos; tratar 100% das mulheres com diagnóstico de lesões precursoras de câncer.

Mais informações com o Núcleo de Vigilância Epidemiológica da Sesa, (85) 3101.5125