O que muda no turismo do Estado a partir de agora

29 de novembro de 2017 # # # # # #

Yanna Guimarães - Assessoria de Comunicação da Setur
Marcos Studart, Davi Pinheiro e Ascom/Setur - Fotos

A última matéria da série Ceará Transparente de novembro mostra como o início das operações da Fraport, a conquista do HUB, a inauguração do Aeroporto de Jeri e o aumento dos cruzeiros podem transformar o turismo no Estado

O ano de 2017 já pode ser considerado um marco na história do turismo do Ceará. O início das operações da empresa alemã Fraport na administração e ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins; a conquista do centro de conexões das companhias Air France, KLM e GOL; a inauguração do Aeroporto Regional de Jericoacoara e o aumento do número de cruzeiros chegando a Fortaleza representam uma série de conquistas permitirão que o turismo – que já é uma das principais vocações do Estado – ganhe outro patamar.

A projeção da Fraport é dobrar o número de passageiros que utilizam o Aeroporto Pinto Martins – que hoje é de aproximadamente 6 milhões de passageiros por ano – durante o período de concessão do equipamento à empresa alemã. O início do plano de ações da Fraport para o aeroporto tem investimento de R$ 600 milhões. A empresa está esperando aprovação do projeto pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e deve iniciar as obras até o início de 2018. A reforma contará com a extensão da pista e a inclusão de sete pontes adicionais, com mais vagas para as aeronaves.

Concomitantemente às obras de melhoria, o Aeroporto de Fortaleza passará a receber 26 novos voos, sendo 21 diários da GOL e cinco semanais do Grupo Air France-KLM. A conquista do HUB permitirá um aumento inicial de 50% no número de passageiros domésticos e 23% no de estrangeiros, representando um aumento de 1,5 milhão de passageiros. Atualmente, o Ceará recebe cerca de 3,3 milhões de turistas, sendo aproximadamente 10% de estrangeiros.

Com o aumento previsto na quantidade de visitantes – nacionais e estrangeiros – a expectativa é que haja um incremento no campo de capacitação e oportunidades de negócio para os cearenses. Para o secretário do Turismo do Estado, Arialdo Pinho, o hub muda a relação do Ceará com o mundo. “Ele vai conectar o Estado com mais de mil destinos através da Air France e KLM, que são empresas que operam no mundo inteiro. Nós poderemos ter pessoas vindo da Rússia, da Ásia, chegando a Fortaleza”.

O secretário avalia que, com a atuação da Fraport e o início das operações do hub, será possível mudar o patamar turístico do Ceará. “Com um hub mundial, passamos a ser integrados. Hoje turismo no mundo é feito principalmente por avião, então nós precisamos ter aviões e mais aviões chegando a Fortaleza para que a gente tenha um benefício turístico. Muda também a relação preço. Hoje pra você viajar pra Europa é muito caro. Aumenta a demanda, a quantidade de voos e a tendência é cair o preço”.

Para além do turismo, Arialdo Pinho cita o exemplo do que ocorreu com o Ceará a partir do voo da TAP vindo de Lisboa. Segundo dados da Junta Comercial do Ceará, em 1998, quando o voo direto teve início e a frequência era de duas vezes por semana, havia 220 empresas com participação estrangeira no Estado. Em 2003, um ano antes de o voo passar a ser diário, esse número já era de 720. Em 2016, o registro é de 4.772 empresas com participação estrangeira. “A relação é diretamente ligada ao voo da TAP. Foram as ligações aéreas que permitiram que esses investidores – além dos turistas – chegassem ao Ceará. E com o novo hub nós teremos países como a França e Holanda, que são bem mais ricos que Portugal, instalando suas empresas no nosso Estado”.

Ele acredita que esses resultados são apenas o início dessa transformação, que será beneficiada também pelos aeroportos regionais, especialmente o de Jericoacoara, inaugurado este ano, e a impulsão da chegada de cruzeiros a Fortaleza. “O Aeroporto de Jeri é um marco para o Nordeste. O único grande acontecimento parecido foi Porto Seguro, há 30 anos. Nós entramos com um aeroporto muito bom e a tendência é que a gente abra o internacional”.

Dentro das negociações com a GOL, a partir de qualquer lugar, chegando a Paris ou Amsterdã, será possível ter conexão direta para destinos como Jericoacoara, Aracati, Sobral. Conforme adianta o secretário, será lançada a partir de junho uma rede de voos internos com a GOL com aeronaves pequenas, de 12 lugares. “O turismo no Ceará ainda está inicial. O Ceará não tinha estrutura, isso já mudou muito e é papel do Governo ser indutor. Isso precisa permanecer independente de quem assuma”.

Arialdo Pinho avalia ainda que a promoção do turismo é fundamental para impulsionar a economia, especialmente no Ceará, que tem 70% do seu Produto Interno Bruto (PIB) no setor de serviços. “O Ceará vinha se estruturando ao longo dos últimos anos, com a construção do Centro de Eventos, o início da ampliação do Aeroporto Pinto Martins. A concessão do aeroporto e a conquista do HUB são apenas as primeiras grandes conquistas, outras virão até 2018”.

NOTAS

– Fortaleza é o ponto mais perto da Europa para a América Latina. Benefício para os voos internacionais e também os cruzeiros marítimos. Com o terminal de passageiros do Porto do Mucuripe, mesmo ainda sem conseguir fazer a dragagem por falta de verba do Governo Federal, o cenário da chegada de navios mudou. Há quatro anos, Fortaleza não recebia nenhum cruzeiro.

Neste ano, o Terminal do Mucuripe já recebeu 11 cruzeiros, totalizando quase 13 mil visitantes. Um não atracou por mau tempo. Outros dois estão previstos até o fim deste ano. O número de turistas chegando pelo porto em 2017 já é maior que o total de passageiros que vieram em todo o ano de 2016, quando a Capital recebeu oito navios, com 8.625 passageiros. Em 2015, Fortaleza recebeu sete navios com 18.585 passageiros ao todo.

“Hoje somos passagem. Buscamos a vantagem dos navios que saírem do Sul, passarem e abastecerem aqui, antes de seguir para América ou Europa. Estamos tentando também começar a vender para o cruzeiro sair daqui ou terminar aqui. De Fortaleza para a Itália, por exemplo. Acho que com um ano de trabalho nós conseguimos”, detalha o secretário Arialdo Pinho.

– A Fraport conquistou a concessão do Aeroporto Internacional Pinto Martins em leilão realizado em 16 de março deste ano, na sede da Bolsa de Valores de São Paulo. A empresa vai gerir o aeroporto pelo período de 30 anos, mediante lance de R$ 1,5 bilhão – R$ 425 milhões pagos no arremate. Atualmente, os alemães administram 24 terminais distribuídos por Europa, Ásia e América do Sul, entre eles o Aeroporto de Frankfurt, um dos mais movimentados do mundo.

Assista à entrevista com o secretário Arialdo Pinho: