SAMU vai a congresso internacional apresentar tratamento trombolítico

4 de dezembro de 2017 # # #

Cristiane Bonfim/ Marcus Sá / Helga Rackel - Assessoria de Comunicação da Sesa
(85) 3101.5221 / 3101.5220 - www.facebook.com/SaudeCeara

Estudo sobre a utilização de trombolítico em casos de infarto agudo do miocárdio pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192 Ceará) foi selecionado para apresentação no 13º Congresso Internacional Rede Unida, que acontecerá de 30 de maio a 2 de junho de 2018, em Manaus (AM). Iniciado pelo SAMU 192 Ceará em 11 de abril deste ano, o tratamento trombolítico é realizado por 19 UTIs móveis e UTI aeromédica, que dão cobertura aos 129 municípios de atuação do SAMU 192 Ceará, abrangendo uma população de aproximadamente 6,5 milhões de pessoas. A incorporação do trombolítico pode reduzir em 17% o número de óbitos por infarto.

Até o mês de outubro, 61 pacientes com infarto agudo no miocárdio (também conhecido por ataque cardíaco) atendidos pelo SAMU 192 Ceará receberam tratamento trombolítico, cerca de 10% dos casos, com seis óbitos. A maioria desses pacientes foi transportada para as unidades de referência – 29 para o Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), que não registrou óbito, e 24 para o Hospital do Coração do Cariri (HCC), em Barbalha, com um óbito. Para os demais 90% de pacientes atendidos no período pelo SAMU 192 Ceará, o tratamento trombolítico não era indicado.

O estudo ainda está em conclusão, mas o médico da Unidade Coronariana do HM Francisco Daniel de Sousa, um dos responsáveis pela pesquisa, já percebe os efeitos do tratamento trombolítico pré-hospitalar na redução da mortalidade e no tempo de internação dos pacientes. “Há uma melhor recuperação da obstrução da artéria e menos mortes do músculo cardíaco”, endossa o coordenador do Núcleo de Educação Permanente (NEP) do Samu 192 Ceará, Rogério Pinto Giesta, que também participa do estudo.

Como funciona o tratamento

No infarto agudo do miocárdio, a artéria que irriga o coração fica obstruída. Com isso, o sangue não consegue levar oxigênio para o coração e o músculo cardíaco entra em necrose (morre), causando o infarto e podendo ocasionar uma parada cardíaca. O medicamento trombolítico desfaz a obstrução e a circulação no coração volta a acontecer, interrompendo o infarto. O ataque cardíaco é uma ocorrência grave, que está entre as principais causas de morte no Brasil e no mundo. No entanto, quanto antes a pessoa receba atendimento médico, maiores serão as chances de sobrevida.

Os pacientes recebem o tratamento já na ambulância, uma vez que o trombolítico é de fácil e rápida administração no veículo – apenas uma ampola é suficiente. Além disso, o uso precoce do medicamento reduz as chances de o infartado apresentar sequelas como a insuficiência cardíaca, que obriga o paciente a tomar medicamentos por toda a vida. Ou seja, além do benefício à população, a medida diminui o valor gasto com a compra de medicamentos que seriam utilizados em casos com sequelas.