Temporada de teatro é destaque na 5ª Mostra de Artes do Porto Iracema

13 de dezembro de 2017 # # #

Raphaelle Batista - Ascom / Porto Iracema das Artes

Ao todo, cinco espetáculos serão apresentados em diferentes espaços da cidade entre os dias 14 e 18 de dezembro. Os trabalhos são resultado dos Laboratórios de Criação em Teatro e do Preamar de Artes Cênicas

A quinta edição da Mostra de Artes do Porto Iracema (MOPI) também tem lugar para o teatro. As apresentações acontecem durante a segunda semana de dezembro, de 14 a 18, no Teatro Dragão do Mar, no pátio do Porto e na sede do grupo Nóis de Teatro, no bairro Granja Portugal. Todas os espetáculos contam com entrada gratuita.

O espetáculo que abre a temporada de teatro na MOPI 2017 é “Além Aquém Daqui”, realizado pelos alunos do programa Preamar de Artes Cênicas. Ao longo do primeiro semestre, jovens atores, figurinistas e cenógrafos passaram pelo curso de formação básica na área e, no segundo período letivo do ano, desenvolveram a peça dirigida por Maria Vitória após seleção para o programa Preamar de Artes Cênicas.

Os papeis femininos são a grande força do espetáculo. Involuntariamente, coube às mulheres dar o tom da peça. Seja para abordar a injustiça, questionar o que é a loucura ou denotar a força presente no ser mulher, são essas personagens que passam na frente e dizem para onde vamos caminhar com “Além Aquém Daqui”. A estreia será nesta quinta-feira, dia 14, às 19h, no Teatro Dragão do Mar, com reapresentação no dia 17, domingo, no mesmo horário e local.

Já os quatro projetos do Laboratório de Teatro deste ano foram desenvolvidos ao longo de sete meses, tutoriados por artistas de diversas partes do País. Com propostas bastante diferentes entre si, trazem discussões de gênero e memória, além de dialogar com a história do Ceará desde a pintura naif de Chico da Silva até o episódio messiânico ocorrido no Crato, “Caldeirão da Santa Cruz do Deserto”.

O primeiro a ser encenado será “Retorno a Juberlano”, na sexta-feira, dia 15, a partir das 20h, no Teatro Dragão do Mar. Com tutoria de Carolina Holanda, o projeto investiga e cria a partir do teatro de objetos, visitando personagens presentes em pinturas do artista naif Chico da Silva. Foram investigados objetos puros deslocados de sua função para compor o universo fantástico criado por Chico: Juberlano.

No sábado, dia 16, é dia de “Nossos Mortos”, que traz o interesse do Teatro de Máquina em aprofundar criativamente as relações entre diferentes versões dramatúrgicas, em um processo com interlocutores em voz, música, dramaturgia e encenação. O projeto tem tutoria de Tânia Farias e acontece às 20h, no Teatro Dragão do Mar.

Já no domingo, 17, a partir das 18h, o Nóis de Teatro em “Despejadas”, sob direção de Edna Freire. O espetáculo apresenta a mulher da periferia e suas questões para um debate com o público sobre cidade, gênero, opressão e feminismo. O projeto tem a tutoria de Adriana Schneider. Será às 18h na sede do grupo, no bairro Granja Portugal.

A semana seguinte começa com o último espetáculo da temporada teatral. É a vez do projeto “Caldeirão de água no deserto – realidades e utopias?”, que será apresentado no Pátio do Porto Iracema, às 19h, e traz um experimento cênico que mescla memória e transformação social na busca de dar continuidade às narrativas acerca do Caldeirão da Santa Cruz do Deserto, em Crato (CE). A tutoria é de Ésio Magalhães.

SINOPSES

Além Aquém Daqui

Além Aquém Daqui surge a partir de três dispositivos criativos:

“Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar”. (Eduardo Galeano)

“Uma vida precisa de utopia e amor como de água e pão, sexo e trabalho?” (Ângela

Lilhares)

“Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã”

(Victor Hugo).

O espetáculo Além Aquém Daqui foi desenvolvido a partir dessas três provocações. Os quatro quadros, criados em processo colaborativo, buscaram ainda inspirações em obras de Fiodor Dostoiévski, Fernando Arrabal e Erasmo de Rotterdam para indagar sobre a utopia no Brasil dos dias atuais.

Os papeis femininos são a grande força do espetáculo. Involuntariamente, coube às mulheres dar o tom da peça. Seja para abordar a injustiça, questionar o que é a loucura ou denotar a força presente no ser mulher, são essas personagens que passam na frente e dizem para onde vamos caminhar com Além Aquém Daqui.

São sete jovens atores, dois figurinistas, dois cenógrafos, uma diretora e o desejo muito claro de dizer que a utopia é essencial para que não tenhamos uma existência apática diante da nossa vida e diante dos nossos sonhos.

Ficha Técnica:

Direção: Maria Vitória

Orientação Dramatúrgica: Maria Vitória

Dramaturgia – Ícaro Eloi

Elenco: Anderson Marques, Ícaro Eloi, Juliana Maria, Lucas Limeira, Luiza Nobel, Yasmim Ferrer, Ygor Sylva

Figurino: Helder de Pádua e Renato Ferreira

Cenografia: Rodrigo Frota, Maria Vitória, Edite Flávia de Sousa e Diego Brito

Iluminação: Fábio Oliveira

Ilustrações: Helder de Pádua

Retorno a Juberlano

O projeto consiste no desenvolvimento de investigação e criação em Teatro de Objetos, visitando personagens presentes em pinturas do artista naif Chico da Silva. Foram investigados objetos puros deslocados de sua função para compor o universo fantástico criado por Chico: Juberlano. Nessa investigação, operamos com o conceito de objetos-dejetos. Objetos carregados de memória e descartados pelo tempo de uso ou pela perda da utilidade. Buscamos compor um inventário desses objetos, a partir de imersões no cotidiano de beira-mar.

Ficha Técnica:

Artistas pesquisadores: Tatiane Sousa, Cleomir Alencar e Gil Rodriguês.

Tutora: Carolina Holanda

Nossos Mortos

Esse projeto apresenta o interesse do Teatro Máquina em aprofundar criativamente as relações entre diferentes versões dramatúrgicas do mito de Antígona, as sonoridades tradicionais como mote improvisacional para a exploração da voz falada e cantada e os documentos históricos que tratam do massacre de Caldeirão de Santa Cruz do Deserto (CE) como materiais para a criação do espetáculo Nossos Mortos, em um processo criativo com interlocutores em voz, música, dramaturgia e encenação.

Ficha Técnica:

Elenco: Ana Luiza Rios e Loreta Dialla

Direção: Fran Teixeira

Assistência de direção: Levy Mota

Tutoria: Tânia Farias

Direção Musical: Ayrton Pessoa Bob e Consiglia Latorre

Preparação musical: Consiglia Latorre

Preparação corporal: Fabiano Veríssimo e Márcio Medeiros

Figurino: Diogo Costa

Cenografia: Frederico Teixeira

Assistência de cenografia: Marina de Botas

Desenho de luz: Walter Façanha

Despejadas

Despejadas surge como um grito urgente das mulheres do Nóis de Teatro, que em busca de uma cidade que discuta as questões de gênero e periferia, coloca em cena as suas dores, sorrisos, marcas e vivências. Tendo como partida o estudo do livro “Quarto de Despejo”, de Carolina Maria de Jesus, o Nóis de Teatro apresenta o seu novo espetáculo trazendo a mulher da periferia e as suas específicas questões para, junto com o público, debater cidade, gênero, opressão e feminismo.

Ficha Técnica:

Atrizes: Kelly Enne Saldanha, Amanda Freire, Nayana Santos e Dorotéia Ferreira

Direção: Edna Freire

Assistente de direção: Henrique Gonzaga

Texto: Composição dramatúrgica com base no coletivo e no livro “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus

Dramaturgista: Altemar Di Monteiro

Colaboração: Adriana Schneider Alcure

Iluminação: Jefferson Saldanha

Figurino: Coletivo

Trilha sonora: Bruno Sodré

Produção: Kelly Enne Saldanha e Henrique Gonzaga

Caldeirão de água no deserto – realidades e utopias?

O experimento cênico, resultante da pesquisa que vem sendo desenvolvida, mescla memória e transformação social e busca dar continuidade as narrativas acerca do Caldeirão da Santa Cruz do Deserto, em Crato-CE.Assim, poderemos rememorar a comunidade popular onde “nada era de ninguém e tudo era de todos”.

Ficha Técnica:

Pesquisa e dramaturgia: Ésio Magalhães, Joaquina Carlos, Nilson Matos e Rita Cidade
Intérpretes: Joaquina Carlos, Nilson Matos e Rita Cidade

Tutoria: Ésio Magalhães

SERVIÇO

O que: Temporada de teatro – 5ª Mostra de Artes do Porto Iracema (MOPI)

Quando: De 14 a 18 de dezembro

– Além Aquém Daqui (14 e 17/12, 19h, Teatro Dragão do Mar)

– Retorno a Juberlano (15/12, 20h, Teatro Dragão do Mar)

– Nossos Mortos (16/12, 20h, Teatro Dragão do Mar)

– Despejadas (17/12, 18h, Sede do grupo Nóis de Teatro)

– Caldeirão de água no deserto – realidades e utopias? (18/12, 19h, pátio do Porto)

Onde: Teatro Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema)

Sede Nóis de Teatro (Av. José Tôrres, 1211 – Granja Portugal)

Porto Iracema das Artes (Rua Dragão do Mar, 160, Praia de Iracema)

GRATUITO