Beneficiários do Projeto Corre Pra Vida ganham dia de diversão e serviços

9 de Fevereiro de 2018 # # #

Fernando Brito / Daniela Negreiros - Assessoria de Comunicação da Secretaria Especial de Políticas sobre Drogas (SPD)

Profissionais da ONG Idesq, que executam o Corre Pra Vida da Secretaria Especial de Políticas sobre Drogas (SPD), se juntaram a parceiros e promoveram, na quinta-feira, 9, o Corre Folia, o Carnaval para beneficiários do projeto, que é voltado para pessoas em situação de rua ou em outros contextos de vulnerabilidade social.

A atividade lúdica foi iniciada pela manhã e prosseguiu até o fim da tarde da quinta-feira, destacando a importância de associar diversão e responsabilidade. Na ocasião, os próprios participantes confeccionaram os artigos e adereços utilizados no Corre Folia. A animação ficou por conta da Banda Kebra Mola, do bairro Vicente Pinzón.

O momento também envolveu a realização de exames gratuitos para detecção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (HIV, Sífilis, Hepatite B e C) pelos enfermeiros voluntários Ilana Moura e Leilson Lira.

Os beneficiários receberam, ainda, orientações sobre o uso abusivo de álcool e outras drogas, bem como sobre a importância do uso do preservativo. A Associação de Amparo aos Pacientes com Tuberculose (APTU) realizou a coleta de material junto aos usuários com suspeita de tuberculose. No evento, ocorreu, também, a distribuição de lanche e de kits de higiene bucal, preservativos e lubrificantes.

A oferta de diversão, aliada a serviços, proporcionou uma aproximação ainda maior entre a equipe interdisciplinar e os redutores de danos do Corre Pra Vida com os beneficiários do projeto, grande parte deles com problemas relacionados ao uso abusivo de álcool e outras drogas. A avaliação é de que o lazer também faz parte das demandas da população em situação de rua.

Em Fortaleza, segundo o 1º Censo da População em Situação de Rua (Ceará, 2015), 79,8% das pessoas em situação de rua fazem uso de drogas e 54,4% declararam ter sofrido algum tipo de violência na rua. O centro da capital foi a área escolhida pela SPD como a principal área para a efetivação do Projeto Corre Pra Vida por apresentar contexto de intensa vulnerabilidade social.