PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Diretoria-executiva do Fórum Estadual Interconselhos do Ceará toma posse nesta segunda-feira (20)

20 de setembro de 2021 - 16:54 # # # # #

Ascom Casa Civil

A Diretoria-Executiva do Fórum Estadual Interconselhos do Ceará foi eleita, de forma virtual, e tomou posse na tarde desta segunda-feira (20). A representante do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca), Mônica Sillan, foi eleita coordenadora-geral, enquanto o representante do Conselho Estadual de Saúde do Ceará (Cesau), José Araújo Junior, foi eleito coordenador suplente. Representando o Conselho Estadual do Direito do Idoso (CEDI), Maria Lúcia da Justa foi eleita secretária-geral do Fórum Estadual Interconselhos do Ceará. A Diretoria-Executiva é composta por um coordenador-geral, um coordenador suplente, um secretário-geral e um secretário suplente, este último sem representante eleito.

“O Ceará está sempre na vanguarda das políticas e essa é mais uma delas. É necessário que a gente faça essas mudanças, de concepções, de valores, e que esse processo seja de uma forma intersetorial”, destacou José Araújo Júnior. “Esse é um momento importante para a história do Fórum. Já aprovamos nossa Carta de Princípios e nosso Regimento Interno. Estamos todos juntos nessa. Precisamos estar unidos, todos os conselhos, e continuar dando os nossos passos. Nós temos que fortalecer as pautas dos conselhos nos estados”, destaca Zelma Madeira, assessora especial de Acolhimento aos Movimentos Sociais.

A Casa Civil através da Assessoria Especial de Acolhimento aos Movimentos Sociais (Asemov), compõe a Comissão de Apoio permanente e da plenária do Fórum Estadual Interconselhos em virtude das suas atribuições, como órgão responsável por coordenar as relações de acolhimento aos movimentos sociais e sociedade civil organizada dentro da administração pública estadual com propósito de aprimorar a participação social para a governança democrática.

Entre as competências do coordenador geral estão convocar as reuniões ordinárias e extraordinárias, expedindo a convocação para os membros titulares e suplentes e para cada um dos conselhos representados, com antecedência mínima de cinco dias, encaminhando a pauta e documentos a ela correspondentes; coordenar as plenárias e reuniões do Fórum; elaborar a pauta das reuniões, fazendo constar as sugestões encaminhadas pelos seus membros e zelar pelo cumprimento das deliberações da Plenária e observar o Regimento. Outras obrigações são submeter à aprovação do Fórum as atas das reuniões e comunicar aos conselhos que compõem o Fórum o não comparecimento dos seus representantes às reuniões ordinárias quando não houver justificativa da ausência.

Já ao secretário geral compete planejar, coordenar e orientar a execução das atividades do Fórum; organizar as atas das plenárias e reuniões da Comissão Executiva; tornar públicas as deliberações da plenária e acompanhar o desenvolvimento dos Grupos de Trabalhos.

Sobre o Fórum

Espaço permanente de representação, interlocução, articulação, discussão, proposição, troca de saberes e de apoio às atividades inerentes ao controle social no estado do Ceará, o Fórum tem como objetivo promover a participação social e fortalecimento das instâncias de controle social das políticas públicas do Estado do Ceará voltadas para a formação de uma cultura política ativa, que permitirá que os próprios integrantes tomem decisões de maneira coletiva e democrática, numa visão integrada dos atores sociais.

Os conselhos gestores constituem a instituição participativa com maior capilaridade nos municípios do país e com presença mais diversa nas áreas de políticas. Além da busca de soluções inovadoras para os problemas sociais e o fortalecimento da democracia no atual contexto, a criação do Fórum foi apontada anteriormente como uma deliberação da XIII Conferência Estadual de Assistência Social, que apontou a necessidade de instituir mecanismos de fortalecimento das políticas públicas de execução da SPS.

Não é exagero dizer que fábricas de alimentos sediadas no Ceará têm presença importante na mesa dos brasileiros, principalmente em relação ao café da manhã. Nesse quesito, três segmentos – lácteos, cafés e massas e biscoitos – figuram entre os mais vendidos no país.

O segmento que talvez seja mais tradicional é o de moagem de trigo e fabricação de massas e biscoitos, que possui quatro unidades de processamento no estado: SL Alimentos, J. Macêdo, Moinho Cearense e o grupo M Dias Branco – este, um gigante com seus produtos em prateleiras em todo o país.

De acordo com o consultor empresarial Marcos Pinheiro, da TP&E Associados, o parque de moagem de trigo cearense é moderno e responde – incluindo suas unidades em outros estados – por cerca de 30% da produção nacional. “O grupo M. Dias Branco, por exemplo, lidera nacionalmente a venda de massas (32%) e biscoitos (31%)”, disse.

Na área de produtos lácteos o destaque é o grupo Betânia, com unidades no Ceará, Bahia, Sergipe e Pernambuco. A fábrica cearense de Morada Nova, que passa a produzir leite em pó, e que deve ser inaugurada nos próximos dias, é a maior da região nordeste do Brasil.

“Teremos capacidade para processar diariamente até 1,2 milhão de litros de leite. Temos participação de cerca de um terço do mercado regional de lácteos. Estamos hoje entre os principais grupos nacionais”, informa Jorge Parente Frota, sócio-consultivo da Betânia, que possui uma linha com dezenas de produtos.

Outro exemplo de vigor é o grupo 3Corações/Santa Clara que tem como carro chefe a produção de café. Embora não tenha origem no Ceará, foi no estado que a companhia consolidou sua atuação nos mercados regionais e nacional.

O grupo atualmente conta com 12 plantas fabris distribuídas no País, e produz mais de 30 itens. Aleḿ do café, com marcas de grande conceito em todo o território brasileiro, também fabrica refrescos em pó e farinha e flocos de milho.

“Em termos de café nossa participação no mercado brasileiro é de cerca de 30%”, afirma o presidente do grupo Pedro Lima, acrescentando que as unidades fabris geram 7 mil empregos e teve faturamento de R$ 5,3 bilhões no ano passado.

“São exemplos da capacidade empreendedora do cearense. Hoje em quase todo lar do país alguns dos produtos fabricados no estado estão presentes no café da manhã dos brasileiros”, observa Maia Júnior, titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará.