Doações voluntárias de sangue salvam vidas

13 de setembro de 2013

A falta de sangue para transfusões pode comprometer a realização de cirurgias de grande complexidade, como alguns tipos de transplantes que dão vida nova a pacientes com doenças incuráveis. O sangue doado voluntariamente também é utilizado em terapia para o câncer ou portadores de muitas outras doenças dependem de transfusão de sangue para seu tratamento. O sangue também é essencial para a sobrevida de recém-nascidos prematuros e de pessoas que sofreram grandes acidentes. Em resumo, a falta de sangue põe em risco a vida de pessoas que somente a doação voluntária pode salvar. Doar sangue, portanto, é uma atitude que deve partir de qualquer cidadão que tenha consciência da importância de ajudar o próximo.

 

No Estado, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce) é o banco de sangue responsável por atender a esses pacientes. A Hemorrede Estadual – composta por unidades no Crato, Fortaleza, Iguatu, Juazeiro do Norte, Quixadá e Sobral – é responsável por todos os serviços públicos de hemoterapia do Estado. Desde outubro do ano passado, o Hemoce atende 100% da demanda de fornecimento de hemocomponentes em todo o território estadual, priorizando o atendimento à rede do SUS.

 

O Hemoce assiste 167 hospitais públicos, 105 hospitais privados com leitos SUS contratados, 28 hospitais privados sem leitos SUS contratados e 64 Agências Transfusionais. O Hemocentro Coordenador, em Fortaleza é responsável pelo atendimento em hospitais de maior complexidade e com maior necessidade de transfusões do estado, como o Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e o Instituto Dr. José Frota (IJF).

 

Diariamente, o Hemoce registra histórias de pacientes que necessitam do seu gesto de solidariedade. Algumas com sucesso, como a do pequeno Arthur Alves da Silva, de apenas sete anos, que com apenas dois foi diagnosticado com Púrpura Trombocitopênica Idiopática – uma doença sanguínea, que causa a diminuição do número de plaquetas no sangue – e por bastante tempo precisou receber transfusão de sangue.

 

“Tivemos muito medo, ninguém se prepara para viver uma experiência como esta. Nosso filho por meses teve que receber transfusão de sangue e plaquetas”, afirma o pai da criança, Francisco Aurigledson Ferreira. Diante da experiência, tornou-se doador de sangue. “Por ter vivido, hoje sei a importância da doação de sangue. Sempre doou e incentivo meus colegas e familiares. Não vale a pena esperar precisar para doar”, diz.

 

No Brasil, o número de doadores de sangue está muito abaixo do necessário. Anualmente, o percentual de brasileiros que doam sangue varia de 1,76% a 1,78%, quando o ideal, segundo o Ministério da Saúde, seria de 3% a 5%. No Ceará a realidade não é diferente e o Hemoce, atualmente, está com estoque abaixo do necessário para atender a demanda, em especial dos tipos sanguíneos A positivo e O negativo, que desde o início de agosto vem apresentando uma queda preocupante. No mês de agosto, o número de doações na capital foi menor do que o número de transfusões. Foram realizadas mais de sete mil transfusões e apenas 4.559 coletas de sangue.

 

Nas últimas semanas, as doações de sangue do tipo A positivo, por exemplo, tem variado entre 30 e 60 bolsas, de 165 necessárias. Já o O negativo tem apresentado um número bem menor, entre quatro e quinze bolsas, quando o ideal seriam 42 bolsas. O número é variável e acompanha a demanda dos hospitais atendidos. Para realizar um atendimento de qualidade, são necessárias 250 doações diárias de todos os tipos sanguíneos, mas esse número tem variado entre 90 e 100 doações por dia. Para atender a demanda de sangue durante três dias, o Hemoce estabelece um estoque ideal de 537 bolsas. Na sexta-feira, 13 de setembro, o número de bolsas disponíveis no estoque é de 199 bolsas.

 

A doação de sangue não traz danos ao doador. O procedimento todo (cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta do sangue e lanche) leva cerca de 40 minutos e o organismo repõe o volume de sangue doado nas primeiras 24 horas após a doação. Após a coleta, a bolsa coletada é fracionada em componentes sangüíneos (concentrado de hemácias, de plaquetas e plasma). Esses componentes são liberados para uso somente após o resultado dos exames. As unidades que apresentam reatividade sorológica são descartadas. Uma única unidade doada pode beneficiar três pacientes.

 

Quando o trabalhador doa sangue, tem direito a um dia de folga, no período de um ano, assegurado pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Além disso, as pessoas que exercem atividades de risco, como pilotar avião ou helicóptero, subir em andaimes e praticar paraquedismo ou mergulho, e motoristas de ônibus ou caminhões de grande porte devem interromper suas atividades por 12 horas após a doação.

 

Em 2011, a portaria 1.353 estabeleceu um novo Regulamento Técnico de Procedimentos Homoterápicos, com novas regras de doação. Entre as mais significativos estão a ampliação do universo de doadores (jovens de 16 a 17 anos e idosos com mais de 68 anos podem agora doar sangue) e a exclusão da orientação sexual como critério para a seleção de candidatos.

 

Para fazer a doação, o voluntário deve observar alguns procedimentos e cuidados: levar o documento oficial de identidade com foto, estar bem de saúde e ter entre 18 e 67 anos e pesar mais de 50 Kg. Podem ser aceitos doadores com idade de 16 e 17 anos, com consentimento formal do responsável legal. Candidatos menores de 16 anos ou com mais de 68 anos poderão doar desde que passem por análise de um médico do local de doação e que a necessidade do ato seja justificável.

 

Voluntários podem doar sangue todos os dias. As doações podem ser feitas no Hemocentro Coordenador, Avenida José Bastos, 3390, Rodolfo Teófilo, de segunda a sexta-feira, de 7h30min às 18h30min, e aos sábados, das 8 horas às 16 horas. O Posto de Coleta no Instituto Doutor José Frota (IJF) recebe doações de segunda a sexta-feira, de 7h30min às 18h30min, e aos sábados, domingos e feriados, de 13 horas às 17h30min. A Unidade Móvel do Hemoce realiza coletas externas de segunda a sábado.

 

13.09.2013

Assessoria de Comunicação da Sesa

Selma Oliveira / Marcus Sá /  ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221)

Twitter: @SaudeCeara

www.facebook.com/SaudeCeara

Assessoria de Imprensa do Hemoce
Suzana de Araújo Mont’Alverne ( suzana.araujo@hemoce.ce.gov.br / 8768.0618 / 9663.2344)
Twitter: @Hemoce
Facebook: Hemoce (Oficial)