Albert Sabin é referência no diagnóstico e tratamento de câncer infantojuvenil

5 de fevereiro de 2014

Levar os filhos ao pediatra regularmente pode prevenir muitas doenças na infância e garantir um futuro saudável para eles. Há aquelas que são graves e mesmo assim se escondem por trás de sintomas os quais parecem comuns na infância e na adolescência. O câncer, por exemplo, é uma delas. Só nos últimos três meses, 12.170 crianças e adolescentes foram atendidos no Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), através do Centro Pediátrico do Câncer (CPC), uma parceria do Hospital com a Associação Peter Pan. O Albert Sabin é o único no Ceará com o serviço de diagnóstico precoce do câncer e é referência nas regiões Norte e Nordeste no atendimento pediátrico a pacientes com doenças graves e de alta complexidade. De acordo com a coordenadora médica do serviço de onco-hematologia do Hias/ CPC, Selma Lessa, cerca de 100 crianças e adolescentes são atendidos diariamente no ambulatório e mais de mil estão em tratamento e acompanhamento na unidade. “Nós somos um dos oitos centros de referência de diagnóstico do câncer no Brasil. Têm exames que só existem no Hias, como alguns de genética e biologia molecular”, diz.

 

Há um ano e seis meses, Kemelin Albino, 16, luta contra o câncer. Em mais uma sessão de quimioterapia, ela está internada há 20 dias no CPC. O tratamento afastou Kemelin da escola e do seu esporte favorito. Cursando o 1º do Ensino Médio e prestes a conquistar a faixa vermelha no Karatê, ela começou a sentir os sintomas da Leucemia Linfoide Aguda (LLA), que a fez adiar seus planos.  “Começou com umas manchas roxas, dor nos ombros. Quando sangrou a gengiva, meu pai me levou para fazer exame de sangue e foi quando descobrimos o que eu tinha”, conta a adolescente.

 

A leucemia linfoide aguda ou leucemia linfoblástica caracteriza-se pela produção maligna de linfócitos imaturos (linfoblastos) na medula óssea  (tecido gelatinoso que preenche a cavidade interna de vários ossos, responsável pelos elementos do sangue como hemácias, leucócitos e plaquetas). O LLA, como também é conhecido, é o tipo de câncer mais comum na faixa etária atendida pela pediatria (de zero a 18 anos incompletos), sendo mais incidente entre os três e nove anos de idade. Segundo a coordenadora da onco-hematologia do Albert Sabin, 30% dos meninos e meninas que chegam ao Hospital são diagnosticados com LLA. “Os sintomas são parecidos com doenças comuns na infância: anemia, dores, manchas na pele. A suspeita começa do hemograma”, esclarece.

 

Selma ainda ressalta que o diagnóstico precoce torna o tratamento do câncer infantojuvenil menos agressivo. O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança por um pediatra, já pode alertar tanto os profissionais quanto os pais para lesões suspeitas. “Quem faz essa suspeita é o pediatra, é ele que percebe que a criança não está bem”. Hoje, em torno de 70% das crianças e adolescentes acometidos de câncer podem ser curados se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados.  “A mãe tem que ficar antenada. E se o filho não estiver bem, ela procura o pediatra”, alerta a médica.

 

Centro Pediátrico do Câncer

 

O Ceará conta com o Centro Pediátrico do Câncer (CPC), uma unidade especializada no tratamento do câncer infantil e que tem uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exclusiva para pacientes oncohematológicos pediátricos, a única no Estado. Inaugurado no fim de 2010, o CPC é uma parceria entre o Albert Sabin e a Associação Peter Pan (APP), entidade sem fins lucrativos. Como resultado dessa parceria, no estado do Ceará, não existe mais lista de espera para atendimento a crianças e adolescentes com suspeita ou diagnóstico de câncer.

 

Os meninos e meninas que estão em tratamento e acompanhamento no CPC,  contam com uma estrutura de assistência integral qualificada, em níveis de atenção terciária. Como parte do tratamento, há serviços de suporte psicossocial disponibilizados em espaços como a Brinquedoteca, Espaço do Adolescente, ABC + Saúde dentre outros, que envolvem o comprometimento de uma equipe multiprofissional e a relação com diferentes setores da sociedade, com foco no apoio às famílias e à saúde de crianças e adolescentes.

 

O ambulatório oncológico do Albert Sabin funciona de segunda à sexta-feira, das 7 às 17h.

 

05.02.2014

Assessoria de Comunicação do Hias

Helga Santos (imprensa@hias.ce.gov.br / 85 3256.1574)

T: @albertsabince

F: albertsabince