Setor de pediatria do HIAS alerta sobre cuidados no período chuvoso

8 de Abril de 2014

Com as mudanças climáticas, comuns nessa época do ano, aumenta a incidência das chamadas viroses ou “doenças da chuva”. A combinação de alta umidade do ar, aumento do calor e chuvas permitem a proliferação de vírus e bactérias, transmitidos por mosquitos, falta de higienização, contatos direto com pessoas gripadas em ambientes úmidos e fechados etc. Febre, dor de cabeça, diarreia, vômito e dor no corpo. Estes são alguns dos sintomas que afetam principalmente às crianças. De acordo com a pediatra Nilza Frota, do Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), ao perceber qualquer um desses sintomas, os pais devem logo buscar atendimento médico para os filhos. Mas é importante primeiro procurar um posto de saúde.

 

Seja em casa ou na escola, as crianças ficam expostas e mais vulneráveis quando o ar do ambiente não se renova, ou seja, passam mais tempo em lugares fechados e próximos a outros meninos e meninas ou até mesmo adultos com o vírus incubado. “Se no colégio não ficam expostas ao ar livre, onde o ambiente se renova, o ciclo de doenças ficam se renovando”, explica. A transmissão de bactérias nocivas à saúde ou diferentes vírus, tanto adquiridos no contato direto com água contaminada ou falta de higienização, por exemplo, desencadeiam infecções respiratórias e intestinais.

 

Há dois dias, o pequeno Carlos Eduardo, 2, reclama de dores e tosse bastante. Para a mãe dele, a monitora Carmem Liana Passos de Assis, 22, esse pode ser mais um sinal de pneumonia. Três meses atrás, o filho foi encaminhado ao Hospital Albert Sabin, onde foi receitado medicações e cuidados necessários para evitar um quadro pior, pois se tratava apenas de um princípio da pneumonia. Liana diz que o filho Carlos gosta muito de brincar na rua e tomar banho de chuva. “Ontem, ele estava todo molhado da chuva, com febre e tossindo muito”, conta.

 

Aos primeiros sintomas de mal-estar, os pais não devem medicar a criança por conta própria e sim, levá-la ao posto de saúde mais perto de sua casa. A médica Nilza Frota afirma que pela clima frio por causa das chuvas, alguns pais podem relaxar em relação ao controle da higienização. Por isso, aqui estão algumas dicas:

 

– Lave bem as mãos antes de preparar alimentos e ao se alimentar. Procure beber sempre água potável  e a utilize no preparo dos alimentos, especialmente das crianças;

 

– Espirrou, lave as mãos antes de pegar nos brinquedos filhos;

 

– Gripe, resfriados, sinusites, pneumonias, asma e outras infecções respiratórias causam corizas, por isso é bom manter o nariz limpo, lavando com soro fisiológico;

 

– Não deixe que crianças nadem ou brinquem na água e nas poças de lama causadas pelas chuvas, pois elas podem ficar doentes;

 

– Evite manusear objetos que tenham sido atingidos pela água ou lama. Proteja os pés e as mãos com botas e luvas de borracha ou sacos plásticos duplos;

 

– Se está com alguma infecção respiratória ou intestinal, o ideal é que fique em casa, em repouso, evitando aglomerações e a troca de utensílios e objetos pessoais como copo, roupa íntima, lençol, rede etc.

 

Atendimento no Hias

 

O Hospital Infantil Albert Sabin é um equipamento de alta complexidade, que presta assistência terciária a crianças e adolescentes, priorizando os casos mais graves no atendimento de emergência. O Hospital conta com um ambulatório que funciona de segunda à sexta-feira, das 7h às 17h, e emergência 24 horas. Ao perceber qualquer sintoma, a população deve procurar primeiro os postos de saúde. Dependendo da gravidade do diagnóstico, os profissionais do posto de saúde fazem o agendamento e encaminhamento do paciente para atendimento no Albert Sabin. Já as consultas de retorno, a marcação é feita diretamente no Ambulatório do Hias.

 

08.04.2014

Assessoria de Comunicação do Hias

Helga Santos (imprensa@hias.ce.gov.br / 85 3256.1574)

T: @albertsabince

F: albertsabince