Ceará alcança meta de imunização de adolescentes contra HPV

11 de Abril de 2014

A meta de 80% de cobertura para a vacinação de meninas de 11 a 13 anos contra o HPV, em 30 dias de mobilização, estabelecida pelo Ministério da Saúde, foi superada pelo Ceará, conforme demonstra o “Vacinômetro” do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (pni.datasus.gov.br). Iniciada em 10 de março, a imunização com a vacina papilovírus humano quadrivalente alcançou na sexta-feira, 11 de abril, 82,24% da população-alvo de 242.810 adolescentes, com 201.132 doses aplicadas. A vacina continuará disponível nos postos da rede pública durante todo o ano, como parte da rotina de imunização.

 

Cada adolescente deverá tomar três doses para completar a proteção, sendo a segunda seis meses após a primeira dose e, a terceira, cinco anos depois. A partir de setembro, as meninas vacinadas no primeiro semestre passam a receber a segunda dose. Neste ano, será vacinado o primeiro grupo (11 a 13 anos). Em 2015, a vacina passa a ser oferecida para as adolescentes de 9 a 11 anos e, em 2016, às meninas de 9 anos.   

 

A vacina contra HPV tem eficácia comprovada para proteger mulheres que ainda não iniciaram a vida sexual e, por isso, não tiveram nenhum contato com o vírus. Hoje, é utilizada como estratégia de saúde pública em 51 países, por meio de programas nacionais de imunização. A eficácia da vacina é de 98,8% contra a doença. O câncer de colo de útero, segunda principal causa de morte por neoplasias entre mulheres no Brasil, está associado à infecção pelo HPV.

 

A infecção pelo HPV é muito frequente, mas transitória, regredido espontaneamente na maioria das vezes. No pequeno número de casos nos quais a infecção persiste e, especialmente, é causada por um tipo viral oncogênico (com potencial para causar câncer), pode ocorrer o desenvolvimento de lesões precursoras, que se não forem identificadas e tratadas podem progredir para o câncer, principalmente no colo do útero.

 

Os HPV são vírus capazes de infectar a pele ou as mucosas. Na maioria dos casos, o HPV não apresenta sintomas e é eliminado pelo organismo espontaneamente. O HPV pode ficar no organismo durante anos sem a manifestação de sinais e sintomas. O vírus é altamente contagioso, sendo possível a contaminação com uma única exposição. A transmissão se dá por contato com a pele ou mucosa infectada.

 

 

11.04.2014

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá  
selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220 / 3101.5221
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara