Hospital de Messejana realiza programação especial para Dia Mundial de Combate à Asma

5 de maio de 2014

Como tratar a asma de difícil controle será um dos temas em destaque no Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes, durante a celebração do Dia Mundial de Combate à Asma, que é comemorado no dia 7 de maio.  Com um dia de antecedência, nesta terça-feira (06), às 09 horas, um evento será realizado no Hospital para os pacientes do Programa de Controle da Asma Grave e de Difícil Controle (Procan). A iniciativa tem o apoio da Sociedade Cearense de Pneumologia e Cirurgia Torácica e vai contar com palestra da pneumologista Mariana Lima, do Rio de Janeiro, que vai orientar o público sobre como tratar e controlar as crises de Asma. Os pacientes participarão ainda de atividades com brincadeiras e bingo educativo.

 

A asma é uma doença que pode ser total e completamente controlada. A comunidade científica que estuda asma, garante que a doença é controlável, por meio de medicamentos potentes e seguros (as bombinhas) e ambiente livre de poluentes, poeiras, fumaças, baratas, excrementos e saliva de animais de estimação e outras medidas simples de hábitos de vida.

 

O Programa de Controle da Asma Grave e de Difícil Controle (Procan) tem uma equipe de profissionais de saúde altamente capacitada para tratar pacientes com problemas mais complexos relacionados à Asma. Atualmente, 1855 pacientes são atendidos pelo programa ou estão recebendo algum tipo de medicação. A proposta é oferecer mais qualidade de vida a cada paciente. “Com o tratamento do Procan conseguimos manter a Asma sob controle e mostramos para os pacientes que é possível viver sem sofrer com as crises da doença”, revelou a pneumologista Tânia Brígido, coordenadora da Pneumologia no Hospital de Messejana. Os profissionais do Procan sempre realizam campanhas para alertar a população sobre a melhor maneira de controlar a Asma.

 

A asma acomete pessoas de ambos os sexos e em todas as fases de suas vidas. Atualmente, é considerada como um importante problema de saúde pública pelas instituições governamentais. No Brasil sua prevalência gira em torno de 20% da população, sendo responsável por 350 mil internações por ano e por 10% das mortes por doenças respiratórias. Em Fortaleza estima-se que existam em torno de 200 mil asmáticos mas, provavelmente, menos de 1% dessa população tenha acesso à assistência adequada e ao controle de sua doença embora, o Ministério da Saúde já garanta medicação e meios apropriados ao controle total da doença (portaria SAS/MS n.12 de 12 de novembro de 2002) e em 2005 a Rede de Atenção Básica teve liberação de todos os medicamentos para tratamento de asma e rinite também pelo MS.

 

Sintomas da Asma

 

Os sintomas da asma na criança, assim como no adulto, são recorrentes, ou seja, não estão presentes o tempo todo. Há períodos em que o paciente apresenta falta de ar, chiado no peito, secreção e um pouco de tosse. Estes sintomas aparecem em diferentes circunstâncias e intensidades e em geral, estão relacionados com mudanças de temperatura, contatos com substâncias irritantes, alérgenos, poeira, ou são desencadeados por exercícios físicos ou estresse.

 

Os principais sinais de alerta são:

 

– Tosse seca persistente – principalmente à noite;
– Sibilância (chiado no peito);
– Respiração mais rápida do que o normal;
– Faltade ar;
– Cansaço físico;
– Sensação de aperto ou dor no peito.

 

Sobre o tratamento da asma:

 

O tratamento regular da asma, além da melhora dos sintomas, resulta em economia para os cofres públicos através da redução de procedimentos de custos elevados como internações e atendimentos de emergência. O controle da doença também implica em redução do seu impacto social já que, livre de sintomas, os asmáticos são capazes de participar de atividades diversas, incluindo trabalho, educação e esportes.

 

05.05.2014

Assessoria de Imprensa do Hospital de Messejana

Stella Magalhães (85 3101.4092)