Semana da Água: qualidade é essencial para a saúde

20 de março de 2015

A ingestão de água de qualidade é fundamental para o bom funcionamento dos rins. De acordo com o médico Augusto Guimarães, chefe do serviço de Nefrologia do Hospital Geral de Fortaleza (HGF), o recomendado é ingerir de 2 a 3 litros de água por dia, dependendo do peso da pessoa. “A água deve ter pH alcalino (acima de 7) e poucos sais, principalmente sódio, pois quanto mais minérios presentes, mais dura é a água”, orienta o médico. A dureza da água é predominantemente causada pela presença de sais.

Um adulto perde, em média, 1,5 litro de água diariamente, por meio da urina, transpiração, respiração e evacuação. Para repor essa perda e manter o organismo bem hidratado, a pessoa deve ingerir água regularmente para garantir a saúde, manter a temperatura corporal estável e evitar problemas, tais como a desidratação e o mau funcionamento dos rins. A água regula as reações químicas das células, elimina os elementos nocivos e lubrifica as articulações, fornecendo proteção para os tecidos. Responsáveis por eliminar toxinas e substâncias do organismo, manter os líquidos e sais do corpo em níveis adequados e participar do controle da pressão artéria, os rins são órgãos vitais no corpo humano e é importante ficar alerta com seus cuidados e se prevenir.

Segundo dados da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS), uma em cada dez pessoas apresenta doença renal crônica (DRC) em algum grau. A doença afeta pessoas de todas as idades e etnias, porém a prevalência aumenta com a idade. Testes simples no sangue e urina podem detectar precocemente as DCR e diminuir a progressão da doença. A DRC tem um alto custo econômico e social, pois pacientes necessitam de cuidados pelo resto da vida. Estima-se que tratamento com as doenças dos rins crônicas custe mais do que tratamentos de câncer de mama, pulmão, cólon e pele somados.

De acordo com a OPAS, a pressão arterial elevada e diabetes são as principais causas (entre 25-33%) de doenças renais. Outras afecções menos frequentes são processos inflamatórios (glomerulonefrite) ou infecciosos (pielonefrite). Algumas DRC são herdadas (como a doença policística), ou resultado de prolongado bloqueio do sistema urinário, como a hipertrofia (aumento) da próstata ou cálculos renais. O uso prolongado de algumas drogas podem causar DRC, como anti-inflamatórios não esteroides e analgésicos.

Prevenção e tratamento
A maioria das pessoas em estágio inicial de DRC não foi diagnosticada. No entanto, o teste de função renal é simples e pode ser realizado por meio de dosagens no sangue. O chefe do serviço de Nefrologia do HGF orienta a realização anual de exames de sumário de urina e de dosagem de creatinina no sangue. O tratamento principal consiste de dieta e medicação apropriados, para ajudar a controlar o balanço crítico do corpo, que os rins normalmente controlam. Entretanto, quando há falha renal, metabólitos e fluidos acumulam e pode ser necessário tratamento de hemodiálise, ou até mesmo transplante renal associado à medicação para restaurar a função renal.

Conforme define a Sociedade Brasileira de Nefrologia, hemodiálise é o procedimento em que uma máquina limpa e filtra o sangue, realizando parte do trabalho que o rim doente não pode fazer. O procedimento libera o corpo dos resíduos prejudiciais à saúde, como o excesso de sal e de líquidos. Também controla a pressão arterial e ajuda o corpo a manter o equilíbrio de substâncias como sódio, potássio, ureia e creatinina. A hemodiálise é indicada para pacientes com insuficiência renal aguda ou crônica graves. As sessões de hemodiálise são realizadas em clínicas especializadas ou hospitais. No Ceará, de acordo com Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA), 4.094 pacientes renais realizaram sessões de hemodiálise em dezembro de 2014. Em todo o ano, foram realizadas no Estado 568.313 sessões de hemodiálise pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No HGF, o Serviço de Hemodiálise, que funciona com moderna estrutura, realizou no ano passado 11.510 procedimentos.

O primeiro transplante de rim do Ceará foi a partir de doador vivo em 1977, no Hospital Universitário Walter Cantídio, da Universidade Federal do Ceará (UFC). O HGF realizou o primeiro transplante renal intervivos em 1983. Em 1988 o Hospital Universitário fez o primeiro transplante a partir de doador cadáver. Em dezembro de 2012, o Hospital das Clínicas da UFC comemorou a realização de mil transplantes renais, marca alcançada pelo HGF em abril de 2010. Nos registros da Central de Transplantes da Secretaria da Saúde do Estado a partir da sua implantação, em 1998, foram realizados no Ceará 2.808 transplantes de rim até 2014. Em todo o país, entre 1997 e o ano passado, foram realizados 68.901 transplantes do órgão, segundo a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).

Orientações da OPAS/OMS para reduzir o risco de doenças renais

– Prática de exercícios físicos – O cuidado com a forma física ajuda a reduzir a pressão sanguínea e reduz o risco de DRC;

– Controle da pressão sanguínea – Muitas pessoas estão a par de que pressão sanguínea elevada pode levar a um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ou um ataque cardíaco. Poucos sabem, entretanto, que esta é a causa mais comum de dano renal;

– Alimentação saudável – Opte por uma alimentação saudável, reduza o consumo de sal e mantenha seu peso controlado – Estas medidas podem prevenir diabetes, doenças cardíacas e outras afecções associadas com a DRC. A ingestão de sódio deve ser reduzida para 5-6 g de sal por dia, evitando alimentos industrializados e dando preferência a ingredientes frescos;

– Mais água – Apesar de estudos clínicos não terem chegado a um consenso sobre a quantidade ideal de água a ser consumida, recomenda-se beber 1,5 a 2l de água diariamente para eliminar sódio, ureia e toxinas do corpo, resultando em menor risco significativo de desenvolver DRC e de redução da função renal;

– Não ao fumo – O hábito de fumar diminui o fluxo de sangue para os rins, e quando isso ocorre, a função renal é prejudicada. Além disso, o hábito de fumar aumenta o risco de câncer renal em 50%;

– Não à automedicação – Não consuma medicamentos sem prescrição médica. Drogas como anti-inflamatórios e analgésicos podem comprometer a função renal se consumidos regularmente.

Leia mais:
Semana da Água: como funcionam os sistemas complementares de abastecimento
Semana da Água: conheça as 7 principais ações do Governo para garantir a segurança hídrica no Ceará
Semana da Água: guardar água aumenta risco de dengue. É preciso ter cuidados
Semana da Água: Terminal Portuário reduz gastos com água reutilizando efluentes
Semana da Água: Cagece realiza ações com o Teatrinho de Bonecos
Semana da Água: Governo do Estado realiza leilão reverso para contração de obras e serviços de abastecimento
Semana da Água: evento debate importância do combate ao desperdício


20.03.2015

Assessoria de Imprensa da Sesa

Selma Oliveira / Marcus Sá / ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter:@SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara