Grávidas precisam dobrar cuidados com a alimentação para evitar diabetes

7 de abril de 2015

A gravidez é um dos momentos especiais na vida da mulher. E é também um período que requer cuidados dobrados. No Dia Mundial da Saúde, 7 de abril, com o tema “Segurança alimentar e saudável”, o Centro Integrado de Hipertensão e Diabetes (CIDH), unidade da rede pública do governo do Estado, faz um alerta sobre a importância de manter uma alimentação saudável e balanceada durante o período gestacional para evitar ou tratar a diabetes.

Durante a gravidez ocorrem adaptações na produção hormonal materna para permitir o desenvolvimento do bebê. E em alguns casos, isso pode acarretar um aumento de peso. Isso porque além de sentirem mais fome e ficarem mais ansiosas, algumas mulheres durante a gravidez exageram na alimentação e podem ficar obesas. Com isso, é possível o surgimento de mais um agravante, a diabetes gestacional. O aumento da glicose no sangue da mãe pode ser prejudicial ao desenvolvimento normal do bebê. “Nas gestantes as necessidades nutricionais estão aumentadas, mas isso não significa que elas terão que comer por dois. É preciso manter uma alimentação bem saudável com alimentos de alto valor nutricional e baixo valor calórico”, afirma Rejane Belchior, nutricionista do CIDH. 

A futura mamãe do Dom, Natália Rodrigues Ramalho, 28 anos, foi pega de surpresa ao ser diagnosticada no sétimo mês de gravidez com diabetes. Hoje, com oito meses de gestação, ela é acompanhada pela equipe de profissionais – endocrinologistas, enfermeiras e nutricionistas – do CIDH e mudou radicalmente a sua alimentação. “Quando soube do resultado me senti muito culpada. Eu pulava muitas refeições e quando batia a fome acabava comendo muita besteira, normalmente biscoitos e refrigerante”, disse.

A dieta da gestante com diabetes não difere muito da adotada por uma gestante com as taxas glicêmicas desejáveis. Toda futura mamãe deve procurar um profissional capacitado. “Dietas mal elaboradas podem interferir na saúde da mãe e o desenvolvimento do bebê”, enfatiza a nutricionista. O planejamento alimentar adequado oferece para a criança nutrientes importantes para o seu desenvolvimento sem elevar a glicose no sangue da mãe. “Hoje não consumo mais refrigerantes, biscoitos e outros produtos industrializados. Coloquei em meu cardápio muitas frutas e verduras”, fala Natália.

A dieta para as mamães com diabetes gestacional ou não deve ser composta por uma alimentação diversificada, mas evitando aqueles alimentos ricos em açúcar e gordura.O indicado é comer pequenas porções, em intervalos semelhantes e fazer o equilíbrio entre os nutrientes como: proteínas, vitaminas, fibras, verduras, frutas e fontes de gorduras saudáveis.“Outra dica importante é não pular as refeições. Isso faz com que seja mais fácil não cair em tentação”, enfatiza Rejane Belchior. Os alimentos ricos em carboidratos devem ser consumidos preferencialmente na forma integral, como arroz integral, pães integrais, cereais e em quantidades determinadas pelo nutricionista que acompanha a gravidez.

 

 

Atendimento às mamães com diabetes gestacional

No CIDH, atendimento as mães com diabetes acontece as quartas e sextas-feiras, no período da manhã. Lá, as mulheres são acompanhadas por nutricionistas, enfermeiras e endocrinologistas. Com o tratamento é possível manter os valores glicêmicos (quantidade de açúcar no sangue) da mãe e do bebê adequados. Em alguns casos, mesmo com uma dieta balanceada, pode acontecer das taxas glicêmicas não atingirem o esperado e com isso inicia-se o tratamento medicamentoso. O encaminhamento ao centro é feito através das unidades de saúde do Estado.

Em muitos casos, com o nascimento da criança, a doença some. Mas é importante que a nova mãe retorne ao médico. “Entre a 4ª e 8ª semana após o parto, ela deve realizar novo o teste de tolerância a glicose para saber se a diabetes permaneceu ou não”, ressalta Rejane. A diabetes gestacional indica risco aumentado de desenvolver diabetes tipo 2 para o resto da vida. No caso de laudos positivos para a doença, é preciso iniciar o tratamento imediatamente para evitar o desenvolvimento de complicações no futuro.

 

07.04.2015

Assessoria de Imprensa – CIDH / IPC/ Lacen
Suzana de Araújo Mont’Alverne ( suzana.alverne@lacen.ce.gov.br / 85- 3101.1488/ 9802.6980)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara

Giselle Dutra
Gestora de Célula/Secretarias
(85) 9922.2712 / (85) 8801.2382

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado – Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br (85) 3466.4898