Diagnóstico precoce é essencial para diminuir sequelas do AVC

17 de julho de 2015

Maria Alves tomou um susto esta semana. A costureira de 52 anos estava trabalhando quando começou a sentir os primeiros sintomas de um Acidente Vascular Cerebral (AVC). “Minha mão e meu pé, do lado direito, ficaram dormentes. Eu não conseguia falar.”, relata. A moradora do município de Barreira, distante 90 quilômetros de Fortaleza, conta que procurou logo o hospital da cidade e de lá foi encaminhada para o Hospital Geral de Fortaleza. “Quando eu cheguei aqui o médico me examinou direitinho e constatou o AVC. Fiquei assustada, porque nunca pensei que isso fosse acontecer comigo. Mas hoje eu me sinto muito bem.”, disse a paciente.

 

A recuperação de Maria Alves foi possível graças a rapidez com que a família procurou ajuda médica. De acordo com especialistas, o diagnóstico rápido é essencial para que uma pessoa vítima de AVC não sofra grandes sequelas. Segundo o chefe da unidade especializada do HGF, Fabrício Lima, os primeiros sintomas devem ser logo observados. “Se o AVC for identificado, com menos de quatro horas do inicio, é possível ministrar o trombolítico; medicamento que dissolve os coágulos no cérebro e diminui em quase 50% as possíveis sequelas da doença. Além disso, também reduz cerca de 30% a mortalidade”, explica o neurologista.

 

avc2A paciente citada no inicio dessa reportagem ficou internada por nove dias no HGF. Ela teve alta esta semana. A Unidade é referência para todo o país em atendimento à pacientes vítimas de AVC. A unidade investe na reabilitação precoce por meio de uma equipe multidisciplinar. São médicos neurologistas, enfermeiros capacitados para tratar de AVC, fonoaudiólogos, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais que monitoram, 24 horas por dia, 20 leitos de internação.

 

 

Fique atento aos sintomas

 

–    Diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um lado do corpo;
–    Alteração súbita da sensibilidade com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo;
–    Alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular, expressar ou para compreender a linguagem;
–    Dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente;
–    Instabilidade, vertigem súbita intensa e desequilíbrio associado a náuseas ou vômitos.

 

 

17.07.2015

 

Assessora de Imprensa do HGF
Oona Quirino
(85) 3101.7086
oona.quirino@hgf.ce.gov.br
Twitter: @Hospital_HGF

 

Giselle Dutra
Gestora de Célula/Secretarias

 

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado – Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br
 (85) 3466.4898