Famílias lotam o Cine São Luiz para estreia de filme sobre a primeira infância

10 de Maio de 2016

O desenvolvimento do ser humano, através da combinação entre sua carga genética e as relações com aqueles que os rodeiam. Esse questionamento sobre o futuro das gerações comoveu mães, famílias, representantes de instituições e pessoas interessadas no tema, que compareceram na tarde desta terça-feira (10), ao Cineteatro São Luiz, para o lançamento do filme “O Começo da Vida”. A sessão, aberta ao público, foi promovida pelo Governo do Estado, por meio do Gabinete da Primeira-Dama e do Instituto da Infância (IFAN), com apoio também das Prefeituras de Fortaleza e de Sobral.

A exibição fez parte do programa Mais Infância Ceará, idealizado pela primeira-dama do Estado, Onélia Leite Santana, com o objetivo de capacitar gestores, pais, cuidadores e profissionais que lidam diretamente com os R ARI1876 jovens. Ela destacou as semelhanças do tema abordado pelo longa-metragem com o trabalho que vem sendo realizado no Ceará. “Lançamos o programa no ano passado e estávamos trabalhando justamente com isso, com a formação de vida, através de agentes de saúde, educadores infantis, etc. Então, esse filme chega na hora certa. Sabemos que a violência é tratada com a prevenção e isso vem desde a formação das crianças. O ser humano é um produto do meio em que ele vive. Hoje estão aqui estudantes de Medicina, educadores, gestores municipais e estaduais, estou emocionada pois o filme retrata tudo isso”, disse.

R ARI1620A assistente social Sandra Alves foi uma das espectadoras que se interessou pelo assunto e falou sobre a necessidade de manter as pessoas informadas. “A neurociência já provou que o melhor investimento a se fazer é na primeira infância. Muitas vezes se preocupam com o jovem, o adolescente, mas esquecem que é na criança onde a vida começa, o cérebro está em formação. Até os três anos, os neurônios estão em efervescência. E nesse período é preciso trabalhar as questões socioafetivas, educacional, estipular os limites da criança, ao mesmo tempo em que ela aprende a lidar com tudo isso. E o filme capta essa evolução de maneira muito rica”, disse.

R ARI1623O psicólogo Jáder Nocrato também foi até o Cineteatro São Luiz porque acredita que a atenção com as crianças através de meios alternativos, como a sétima arte, é algo que precisa ser exercido pelos gestores. “Trata-se de uma iniciativa muito válida, pois estimula as pessoas a assistirem filmes como esse, quando em outras ocasiões talvez elas não se interessassem. Eu conheço o trabalho da produtora, sei que há anos eles vêm desenvolvendo um trabalho muito legal voltado para a primeira infância e que serve de exemplo. O resultado é digno de aplausos”.

A diretora do longa-metragem, Estela Renner, veio para o Ceará especialmente para essa exibição e tratou da importância do tema. “Eu espero que através desse filme as pessoas absorvam traços culturais, de liberdade, respeito, honra. Foi um trabalho que durou três anos, viajamos por nove países, conversamos com diversos especialistas do mundo inteiro para mostrar o quanto é importante a formação de uma família”. A cineasta também destacou a relevância de políticas públicas voltadas para a primeira infância. “Mesmo quando uma criança é negligenciada pela mãe, ela ainda tem um pai, um vizinho, ela é cidadã da sua cidade. Por isso, é preciso que a cidade acolha as suas crianças. Ter programas como esses, do bem, de paz, só tendem a enriquecer a nossa sociedade. Fico feliz que a primeira-dama do Estado esteja fazendo tantos projetos para a área, hoje mesmo visitamos um deles e eu fiquei encantada. Desejo que iniciativas como essa sejam adotadas por mais gestores”, disse.

 ARI1897 1Estiveram também presentes na exibição a vice-governadora Izolda Cela, a superintendente do Instituto da Infância (Ifan), luzia laffiteo secretário da Cultura, Fabiano Piúba; o secretário das Cidades, Lúcio Gomes; o presidente do Iplanfor, Eudoro Santana; a primeira-dama do município de Fortaleza, Carol Bezerra; o CEO do Instituto Alana e produtor do filme, Marcos Nisti; , o presidente e o diretor da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Eduardo Queiroz e Eduardo Marinho, respectivamente; o coordenador do escritório do Unicef para os estados do Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte, Rui Aguiar; além de gestores e delegações de 40 municípios do Estado.

A produção

O documentário baseia-se em um dos maiores avanços da neurociência sobre os primeiros anos da primeira infância, período que vai da gestação aos seis anos. Para a realização, a diretora Estela Renner entrevistou especialistas e visitou famílias das mais diversas culturas, etnias e classes sociais nos seguintes países: Brasil, Canadá, Índia, China, Quênia, Itália, Argentina, Estados Unidos e França. Famílias como a de Gisele Bündchen e de Phula, uma menina indiana que cuida sozinha dos irmãos em uma comunidade em meio a obras em construção, mostrando como os cuidados e as relações nesse período são fundamentais para o desenvolvimento do indivíduo e têm impacto em todos os anos posteriores.

R Começo vida
O “Começo da Vida” é uma produção da Maria Farinha Filmes, apresentado pelas instituições Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, especialista em Primeira Infância; Fundação Bernard Van Leer, que busca levar oportunidades a crianças carentes; Instituto Alana que tem como missão “honrar a criança” e o UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Programa Mais Infância Ceará


Mais Infância CearáO programa busca contemplar a complexidade de promover o desenvolvimento infantil, estruturando-se em três pilares: o Tempo de Brincar, Tempo de Crescer e Tempo de Aprender.

– “Tempo de Crescer” compreende que o desenvolvimento infantil requer uma abordagem integral. Visa à construção de uma rede de fortalecimento de vínculos familiares e comunitários através de serviços e formações que contemplem profissionais, pais e cuidadores.

– “Tempo de Brincar” foca nos benefícios da brincadeira para o desenvolvimento físico, cognitivo e emocional das crianças, além do convívio familiar, da socialização e de sua integração à cultura de sua comunidade. O intuito é construir e revitalizar espaços públicos que garantam o direito da criança ao brinquedo e à brincadeira.

– “Tempo de Aprender” entende a escola como direito de todos, buscando atender a meta de universalizar a oferta de pré-escola e ampliar a oferta de creches. Com o objetivo de construir e qualificar os Centros de Educação Infantil (CEIs).

10.05.2016

Fotos: Ariel Gomes

Thiago Sampaio
Repórter / Célula de Reportagem


Assinatura coornenadoria matérias