Curso capacita 20 agentes de endemia em vigilância da esquistossomose

15 de julho de 2016 # # # # # # # #

Em 16 anos, o número de casos de esquistossomose no Ceará despencou de 1.267 registros no ano 2000 para 118 em 2015. Mesmo assim, a quantidade de óbitos no período manteve-se estável, com sete mortes pela doença em 2000 e o mesmo número em 2014. Diferente de outros estados, onde a esquistossomose é endêmica, no Ceará a transmissão da doença é focal, não atingindo grandes áreas. Entre 2010 e 2015, por exemplo, os 488 casos registrados no Estado ocorreram em 19 municípios, com 16 óbitos. A Secretaria da Saúde do Estado do Ceará vai concentrar esforços nas áreas endêmicas e realiza de 18 a 21 de julho, em Itapipoca, o Curso de Vigilância e Controle da Esquistossomose Mansoni, para capacitação de 20 agentes de endemias dos municípios de Itapipoca, Uruburetama e Tururu.

A esquistossomose mansoni é uma infecção adquirida quando as pessoas entram em contato com água doce infectada. Caramujos do gênero Biomphalaria são os hospedeiros intermediários do Schistosoma mansoni. Esses moluscos vivem em água doce de córregos, riachos, valas e açudes onde há pouca correnteza e bastante quantidade de matéria orgânica. Transmitida ao homem, a doença inicialmente assintomática pode evoluir para formas clínicas extremamente graves e levar o paciente a óbito. No Ceará, o inquérito do Programa de Vigilância e Controle da Esquistossomose realizou entre 2010 e o ano passado 171.927 exames em 71 municípios e em 52 deles não houve registro de casos.

A pesca em águas interiores é o principal fator de risco para a esquistossomose no Ceará. Para prevenir a doença, é preciso evitar tomar banho em coleções de águas doces, como rios, lagos, açudes, valas e canais de irrigação em áreas onde há transmissão da esquistossomose. Os moluscos são hospedeiros de parasitas do homem e dos animais domésticos. No Brasil, as principais doenças relacionadas aos moluscos são a esquistossomose, a fasciolose e a angiostrongilose abdominal. Existem outros moluscos que podem acidentalmente injetar veneno, causando a morte de seres humanos (normalmente, catadores de conchas). Outras espécies podem causar intoxicação alimentar e transmitir a cólera. Ostras e outros moluscos são os principais alimentos responsáveis pela transmissão da febre tifoide.

 

Leia mais: Semana do Hospital: enfermeira acompanha histórias de superação no tratamento de doenças infecciosas

15.07.2016

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá / Helga Rackel ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5221 / 3101.5220)
Twitter: @SaudeCeara
www.facebook.com/SaudeCeara