Saúde: nutricionista do CIDH orienta sobre cuidados com alimentação

31 de agosto de 2017 # # #

Suzana de Araújo Mont'Alverne - Assessoria de Imprensa – CIDH/ Lacen/ IPC - (85) 3101-1488

Comer mal pode acarretar diversos problemas de saúde, inclusive o aumento do colesterol

A alimentação saudável é um dos pilares para garantir melhor qualidade de vida. No Dia do Nutricionista, comemorado nesta quinta-feira (31), o Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão (CIDH), do Governo do Ceará, reforça a importância dos profissionais que planejam, executam e avaliam diferentes ações de atenção alimentar e nutricional. Por mês, a equipe de nutricionistas do CIDH realiza em média 370 atendimentos a pacientes com diabetes e hipertensão.

Comer mal pode acarretar diversos problemas de saúde, inclusive o aumento do colesterol. “O organismo já produz o colesterol, mas nós também podemos aumentá-lo com a ingestão de alimentos gordurosos. A adição em excesso no sangue pode ser muito prejudicial ao indivíduo”, explica Marília Holanda, nutricionista do CIDH. Para evitar o aumento nos níveis de colesterol, é preciso estar atento à alimentação e isso requer o acompanhamento de um nutricionista. “É preciso tomar cuidado com dietas da moda. O plano alimentar elaborado pelo nutricionista é individual e nem sempre o que funciona pra um vai ser benéfico pra o outro”, enfatiza.

O fígado produz cerca de 70% do colesterol e os outros 30% são absorvidos pelo organismo através da alimentação. Existem dois tipos de colesterol, o HDL (colesterol bom), que remove o excesso de colesterol no sangue e com isso reduz o risco da produção das placas de gordura. “Esse devemos e podemos ter em grande quantidade. Níveis baixos aumentam o desenvolvimento de doenças cardíacas”, ressalta Marília. O segundo tipo é chamado de LDL e é considerado ruim. “É o vilão causador das placas de gordura nas artérias, impedindo assim o fluxo do sangue. O aumento do LDL acresce as chances de infarto e derrame cerebral”, afirma a nutricionista.

Alterações no colesterol podem ocorrer com qualquer pessoa, contudo é mais comum naqueles que tem uma alimentação inadequada e são sedentárias. Nas pessoas com diabetes e/ou hipertensão, os cuidados devem ser maiores, já que as doenças mal controladas acarretam diversas consequências. Mesmo com a rotina atribulada, não se deve recorrer a alimentos fáceis, que proporcionem uma refeição mais rápida. “O principal agente para o controle da doença é o paciente. Ir a consultas, não sair com dúvidas do consultório é fundamental. A boa alimentação é feita de forma equilibrada e rica em alimentos variados que contenham proteínas, açúcares, gorduras, vitaminas e minerais, ingeridos de forma balanceada e aliada à prática de atividade física”, orienta Marília.

Referência

O Centro Integrado de Diabetes e Hipertensão é referência no atendimento a pacientes com diabetes e hipertensão. Atualmente, a unidade acompanha 29.111 pessoas que tem uma ou as duas patologias. O setor de nutrição é um dos mais importantes. Lá são atendidos pela equipe de nutricionistas aqueles pacientes que durante a consulta com o médico ou enfermeiro apresentaram dúvidas quanto à alimentação, com alterações nos exames laboratoriais, e também aqueles que estão apresentando excesso ou baixa de peso. O serviço é atende de segunda a sexta-feira, de 7 às 16 horas.