Pólo de Saúde do bairro Rodolfo Teófilo é apresentado na Seplag

13 de novembro de 2017 # # # # #

Joanna Cruz - Ascom/Seplag
joanna.cruz@seplag.ce.gov.br

O cardiologista Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, conhecido como Dr. Cabeto, é coordenador do projeto e tirou as dúvidas dos servidores da Seplag

Um modelo de desenvolvimento baseado na geração do conhecimento. É com esse olhar que o Estado pretende transformar o bairro Rodolfo Teófilo e o município de Eusébio em dois pólos de saúde como estratégia de desenvolvimento sustentável. O assunto foi tema da palestra realizada na última quarta-feira (01.11) no auditório da Seplag, ministrada pelo cardiologista Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, conhecido como Dr. Cabeto, que coordena o projeto.

Reduzir o custo da saúde para o Estado, ampliar a rede de atendimento aos usuários, gerar novos negócios, criar postos de trabalho de alta qualificação são alguns pontos que estruturam o projeto. A idéia central é unir Governo, a Academia e o Setor Produtivo. Isso significa que devem ser atraídos também investimentos e serviços não relacionados à saúde, como entretenimento, hotelaria e alimentação. Há ainda o intuito de instalar uma Escola de Cidadania para trabalhar a inclusão de maneira diferente em parceria com a Fundação Dom Cabral de Minas Gerais. “Teremos uma requalificação do bairro com a melhoria das redes públicas e atração de instituições de ensino voltadas à formação para a produção tecnologia, como por exemplo, o ITA.”

Em sua apresentação, Dr. Cabeto mostrou que a transformação que se quer envolve a participação da sociedade e da comunidade que vive no entorno dos hospitais que já existem no bairro Rodolfo Teófilo. “Estamos prevendo uma série de modificações na área sem tirar as pessoas do local. Vamos dar oportunidades a esses antigos moradores. Se não tiver uma economia boa não há saúde boa. Em Barcelona, há um projeto semelhante que em 10 anos gerou 100 mil novos empregos”, lembrou o médico.

Entre os impactos propostos pelo projeto estão a melhoria dos indicadores sociais, aumento da economia e do turismo da saúde, e arrecadação de impostos. “Daremos incentivos fiscais para atrair empresas e investidores. Hoje o mundo não tem fronteiras”, finalizou Cabeto.

O modelo de Governança Interfederativa ainda aguarda implantação da Lei Estadual com inclusão de artigos que contemplem a implantação dos Pólos de Saúde.

Veja a apresentação da palestra.