PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

SSPDS expande Proteger para Maracanaú; Capital e RMF já contam com 31 bases

3 de agosto de 2020 - 17:37 # # # # # # #

Aline Freires - Ascom SSPDS

Fortaleza e Região Metropolitana da Capital agora contam com 31 bases do Programa de Proteção Territorial e Gestão de Riscos (Proteger) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS). A inauguração da 31ª estrutura fixa ocorreu na manhã desta segunda-feira (3), na cidade de Maracanaú, na Área Integrada de Segurança 12 (AIS 12). A instalação integra o cronograma da pasta, que prevê a expansão do programa, que foca no combate aos crimes territoriais, especialmente os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs).

As bases do Proteger estão sendo colocadas regiões críticas com maiores incidências de delitos, apontadas a partir do mapeamento de 70 indicadores sociais e criminais, como renda, saneamento, educação e de CVLIs. A instalação de hoje no bairro Macaranãzinho soma-se às 29 bases existentes em bairros de Fortaleza e uma em Itambé, na cidade de Caucaia. A previsão é que até o final de 2020, um total de outras 13 novas estruturas sejam instaladas na Capital e RMF.

Na manhã de hoje, o secretário da SSPDS, André Costa; o coronel comandante geral da Polícia Militar do Ceará (PMCE), Alexandre Ávila; e o deputado estadual Júlio César (Cidadania), acompanharam o início dessa modalidade de policiamento na comunidade. “É uma base permanente, que não será retirada daqui desse local. Ou seja, a população passará a contar com esse efetivo fixo da Polícia Militar. Tentaremos agora, junto à Prefeitura de Maracanaú e também com outras pastas do Governo do Ceará, trazer outras ações de proteção social para região, não se resumindo apenas ao trabalho da PM. Outro passo é agregar equipes da Polícia Civil, que atuarão na troca de informações com os policiais militares, para que possamos combater incisivamente criminosos, que nem sempre estão aqui, mas que interferem na segurança da comunidade”, explicou o secretário.

Para o comandante geral da Polícia Militar do Ceará, essa aproximação com a população contribui para o fortalecimento de laços entre forças de segurança e moradores, impactando na ação de grupos criminosos. “O Proteger oportuniza à Polícia Militar o desenvolvimento de estratégias eficientes de policiamento e de aproximação com a população, o que permite uma maior legitimidade do Estado. Então hoje a implantação de bases dessa natureza proporciona aos nossos policiais militares um melhor contato com as pessoas, com informações mais fidedignas das questões de proteção social atinentes à Polícia Militar, desenvolvendo um trabalho mais eficaz”, pontua.

O policiamento de proximidade

O efetivo empregado no Proteger passa por uma formação promovida pela Assessoria de Polícia Comunitária (APCom) da Polícia Militar. Só neste ano, já foram 97 policiais militares capacitados com a doutrina de policiamento comunitário e de proximidade. Durante a instrução especializada são ministrados módulos sobre a mediação de conflitos, justiça restaurativa, filosofia de polícia comunitária, atuação dos policiais militares no Estado democrático de Direito e sobre o uso adequado da força.

“Além da presença continuada, esse território também contará com os trabalhos de polícia comunitária e de aproximação. Temos o Grupo de Segurança Comunitária (GSC), que visitará os moradores em suas casas, estabelecendo uma relação com as pessoas, trazendo dicas de segurança e construindo, com elas, as melhores estratégias para a segurança de todos. Temos ainda o trabalho desenvolvido pelo Grupo de Apoio às Vítimas de Violência (GAVV), que cuida de mulheres, crianças e idosos. De forma permanente, a Polícia Militar atua até a dissuasão o problema, trazendo mais tranquilidade para a comunidade”, explica o capitão Messias Mendes, assessor de Polícia Comunitária da PMCE.