PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

HM reduz superlotação e tempo de permanência de pacientes na emergência com apoio de projeto inovador

16 de dezembro de 2020 - 17:48 # # # #

Jéssica Fortes - Ascom Sesa Texto
Priscila Lima Arte gráfica

O Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes (HM), da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), do Governo do Estado, está há cerca de um mês sem macas com pacientes nos corredores da Emergência. Esta é uma das conquistas alcançadas com o projeto Lean nas Emergências, metodologia responsável por otimizar fluxos e melhorar o atendimento de urgência e emergência.

Entre fevereiro e dezembro deste ano, houve redução de 88% na superlotação da emergência do HM. No mesmo período, o tempo desde a entrada do paciente no serviço de Emergência até a transferência para a Enfermaria ou UTI diminuiu 300%. Nos casos que não necessitaram de internação, o tempo de permanência na Emergência caiu 70%.

“Com as mudanças estabelecidas, nós conseguimos reduzir para até 12 horas, dependendo de cada caso, o tempo que o paciente internado leva até a ocupação efetiva do leito”, comemora o coordenador da Emergência do HM, Breno Dantas.

Outro resultado importante diz respeito ao tempo médio de permanência nos leitos de retaguarda do hospital para Emergência. “Reduzimos em 48% o tempo de permanência. Antes eram 13,6 dias e passou a ser de 6,6 dias”, destaca Breno Dantas.

Otimização dos processos

Os resultados conquistados pelo HM são frutos do envolvimento dos profissionais e de uma série de medidas adotadas na unidade. O daily haddle, uma reunião rápida que acontece diariamente entre a equipe multidisciplinar, por exemplo, serve para otimizar os processos de trabalho.

Outra medida foi a construção do Plano de Capacidade Plena (PCP), em que as ações de cada setor estão descritas e são executadas conforme o número de pacientes aumenta na Emergência. Além disso, houve a reativação da sala de alta, espaço para o paciente que recebeu alta aguardar o transporte que o levará para casa ou outras pendências administrativas.

“Todos os setores do HM foram envolvidos no projeto e estão focados em dar uma melhor assistência aos pacientes. Somente através desse envolvimento foi possível alcançar bons resultados. Estamos há 27 dias sem pacientes nos corredores, o que alguns meses atrás era considerado uma tarefa quase impossível de ser concretizada”, ressalta o diretor médico do HM, Carlos Augusto Lima Gomes.’

Para o secretário da Saúde do Ceará, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho (Dr. Cabeto), os resultados obtidos pelo Hospital de Messejana são um estímulo para os outros hospitais da rede. “Vocês são exemplo, são referência de comportamento para as outras regiões do Ceará e do Brasil”, destaca.

Lean nas Emergências

O Lean nas Emergências integra o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), do Ministério da Saúde (MS), e é realizado em parceria com o Hospital Sírio-Libanês, localizado em São Paulo. “Lean”, que em português significa enxuto, é uma metodologia para alinhar toda a organização da unidade e levar qualidade mais rapidamente aos usuários.

Até 2020, a meta do projeto no Brasil é que 100 serviços de urgência sejam reestruturados, com 450 profissionais capacitados e 180 protocolos clínicos implantados. No Ceará, além do Hospital de Messejana, participam do Lean o Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC), Hospital Geral de Fortaleza (HGF) e o Hospital Regional do Cariri (HRC).