PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Investimentos para o ensino remoto geram legado para a educação cearense em 2020

21 de dezembro de 2020 - 14:11 # # # # # # #

Ascom Seduc - Texto
Tiago Stille - Foto

O Governo do Ceará adotou providências concretas para a manutenção do processo de ensino e aprendizagem diante do cenário de pandemia. A necessidade de distanciamento social exigiu uma série de adaptações na dinâmica educacional, sobretudo na relação entre professor e aluno, e uma delas foi a prática do ensino remoto. Entre as ações assumidas pelo Governo para que as atividades pudessem ser realizadas de forma satisfatória, e visando à promoção da equidade, foram adquiridos 347 mil chips com pacote mensal de 20GB de internet móvel para os alunos. O investimento estadual, somente nos primeiros seis meses da iniciativa, será de R$ 29,4 milhões.

Ao todo, serão beneficiados 338 mil estudantes do 6º ao 9º do Ensino Fundamental e de 1ª à 3ª série do Ensino Médio das escolas públicas do estado, somados a 8.959 alunos de baixa renda que cursam o Ensino Superior nas universidades Estadual do Ceará (Uece), Regional do Cariri (Urca) e Estadual Vale do Acaraú (UVA), além do Instituto Centro de Ensino Tecnológico (Centec) e das Faculdades de Tecnologia Centec (Fatec).

A ação é coordenada pela Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice) e secretarias da Educação (Seduc) e Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece). A entrega vai ser feita na unidade educacional em que cada aluno está matriculado, mediante agendamento.

O Governo do Ceará também buscou formas de apoiar o trabalho desenvolvido pelos professores. Com o objetivo de melhorar a qualidade da transmissão das aulas virtuais, foram adquiridos kits de gravação para todas as 728 escolas públicas estaduais, incluindo os Centros de Educação de Jovens e Adultos (Cejas), além dos 13 Centros Cearenses de Idiomas (CCIs). O investimento total foi de R$ 5,6 milhões. O kit é composto de computador, câmera e tripé.

Tablets

Ainda no sentido de garantir o acesso às atividades remotas, com ferramentas pedagógicas adequadas para a aprendizagem, o Governo do Ceará vai distribuir tablets aos estudantes do ensino superior e das escolas da rede pública estadual de ensino. O projeto de lei que assegura a medida foi aprovado no último dia 10 pela Assembleia Legislativa.

Além de amenizar o impacto decorrente da suspensão das atividades presenciais, os dispositivos poderão facilitar a implantação do ensino híbrido, garantindo acesso às estratégias e plataformas virtuais disponibilizadas aos estudantes cearenses.

Alimentação

Com o objetivo de assegurar o direito à alimentação a todos os alunos da rede pública estadual, o governo cearense distribuiu kits contendo gêneros alimentícios da cesta básica em escolas de todo o Ceará. O investimento na ação é de R$ 16,5 milhões, provenientes do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e do Tesouro Estadual.

Em abril deste ano, no período mais sensível da pandemia, a Seduc distribuiu cartões vale-alimentação a todos os 423 mil alunos da rede estadual. Naquela oportunidade, houve aporte financeiro de R$ 33,8 milhões do Tesouro Estadual, promovendo um auxílio de R$ 80,00 a cada estudante. Somando a primeira entrega de recursos com a mais recente, chega-se ao total investido de R$ 50,3 milhões.

O kit que cada aluno recebeu era composto por itens básicos e da agricultura familiar, como arroz, feijão, macarrão, farinha de mandioca, açúcar, ovos e polpa de fruta.

A secretária da Educação, Eliana Estrela, aponta que o conjunto de iniciativas promovidas com o intuito de preservar o processo de ensino e aprendizagem também tem servido para reforçar os vínculos afetivos entre estudantes e profissionais. “Estamos vivendo um momento difícil. A pandemia surpreendeu a todos. Tivemos que nos reinventar, procurando todos os meios possíveis para fazer com que as aulas chegassem até os alunos, seja pelas plataformas digitais, pelo livro didático, por atividades impressas, pelo rádio ou pela TV. Precisamos garantir que essa construção do conhecimento continue”, ressalta a secretária.