PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Escolas da rede pública estadual iniciam ano letivo de 2021

1 de fevereiro de 2021 - 15:10 # # # # # # #

Bruno Mota - Ascom Seduc - Texto
Thiara Montefusco - Fotos

Quase 347 mil estudantes da rede estadual estão sendo beneficiados com chips com 20GB de internet para acessar as aulas remotas

O ano letivo de 2021 começou oficialmente nas escolas da rede pública estadual de ensino do Ceará. Nesta segunda-feira (1º), em transmissão on-line, a secretária Eliana Estrela deu as boas-vindas aos jovens que iniciam mais uma jornada na vida acadêmica. As aulas remotas serão mantidas, acompanhadas pela gradual implementação do sistema híbrido, que intercala aulas presenciais e a distância.

No contexto da pandemia, a internet tem sido a grande aliada na manutenção do processo de ensino e aprendizagem, e também dos vínculos afetivos entre educadores e estudantes. Desta forma, incluindo outras estratégias, a Educação cearense vem conseguindo transpor a situação atípica e seguir em frente, sem parar, não deixando nem um aluno para trás. Com o objetivo de aproveitar ao máximo o potencial do recurso on-line, o Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Educação (Seduc), tem distribuído chips com pacotes de internet para os alunos da rede pública estadual, com franquia mensal de 20GB. Assim, busca-se garantir a todos o acesso às aulas remotas.

Quase 347 mil estudantes estão sendo beneficiados com a iniciativa. Serão contemplados com o dispositivo estudantes do 6º ao 9º do Ensino Fundamental e do 1ª ao 3ª do Ensino Médio das escolas públicas do Estado e alunos de baixa renda que cursam o Ensino Superior nas universidades Estadual do Ceará (Uece), Regional do Cariri (Urca) e Estadual Vale do Acaraú (UVA), além do Instituto Centro de Ensino Tecnológico (Centec) e das Faculdades de Tecnologia Centec (Fatec).

O investimento do Tesouro Estadual nos seis primeiros meses será de R$ 29,4 milhões. Apenas na etapa final da educação básica, são 326 mil chips distribuídos. A ação é coordenada pela Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará (Etice) e secretarias da Educação (Seduc) e Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece). O aluno deve se dirigir à escola/universidade que está matriculado para retirar o chip, de acordo com a data pré-agendada pela direção.

Esperança

Melky Santos, que em 2021 entra no último ano da educação básica na Escola de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Aloysio Barros Leal, em Fortaleza, considera a distribuição dos chips uma providência fundamental para o bom acompanhamento das aulas pelos alunos e, também, para a participação em outras atividades escolares on-line.

“O chip veio como uma luz no fim do túnel, pois muitas pessoas não têm internet banda larga, e nem dinheiro para colocar crédito no celular. Em 2020, consegui acompanhar os estudos porque tive acesso à internet banda larga, mas o sinal de wi-fi não era de qualidade e caía bastante. Assim, também tinha que utilizar o meu plano de dados. O chip será muito importante na nossa aprendizagem, pois ainda estamos em meio à pandemia, e ainda teremos aulas on-line até todos serem vacinados”, avalia.

Além dos chips, o Governo do Ceará distribuirá tablets a todos os alunos que estão chegando ao Ensino Médio em 2021, no objetivo de facilitar o acompanhamento das aulas a distância. A compra dos equipamentos está em processo de licitação.

Eliana Estrela lembra que o ano de 2020 foi marcado por incertezas e medos decorrentes da pandemia, mas que o contexto gerou aprendizados e superações. “Foi no movimento de nos reinventar, que aprendemos a ser mais solidários. Iniciamos este ano letivo em pactuação com as escolas, ouvindo a comunidade. Não podemos perder o vínculo. A escola não é apenas um prédio, mas um lugar de sonhos, palco de interações. É onde construímos o conhecimento. Voltamos respeitando os protocolos, usando todas as ferramentas possíveis para prevenir a contaminação”, enfatiza a secretária.

Ensino remoto com qualidade

Fabrício do Nascimento, aluno da Escola Estadual de Educação Profissional (EEEP) Professor Moreira de Sousa, em Juazeiro do Norte, dá início à 3ª série do Ensino Médio em 2021 e acredita que os chips serão fator determinante para que as aulas remotas ocorram com qualidade.

“Moro numa região mais distante do centro da cidade. Às vezes, meu acesso fica comprometido, com lentidão e até mesmo a queda da internet local. Agora, não só eu como todos os alunos terão a garantia de um ensino remoto com qualidade. Com os chips, o Ceará não só garante uma educação inclusiva, como também luta contra a desigualdade social, garantindo assim oportunidades iguais para todas as crianças, jovens e adultos”, afirma.

Acolhida

Neste primeiro dia de ano letivo, escolas da rede estadual realizaram atividade presencial de acolhimento dos estudantes recém-chegados ao Ensino Médio, que irão cursar a 1ª série em 2021, para dar orientações sobre esta nova etapa. Na Escola de Ensino Fundamental e Médio Gentil Barreira, em Fortaleza, duas turmas compareceram à escola nesta manhã, em horários diferenciados, na quadra da unidade de ensino. “Esclarecemos dúvidas dos alunos em relação à entrega dos livros, à carteira de estudante, às avaliações online e à frequência, entre outros assuntos informativos. Foi tudo muito tranquilo”, explica o diretor da escola, Jair Fonseca.

 

Ouça:

A secretária destacou que as aulas remotas vão ser mantidas, acompanhadas pela gradual implementação do sistema híbrido, que intercala aulas presenciais e a distância.

A secretária Eliana Estrela fala que muito do sucesso e melhoria da educação pública estadual no Ceará vem da parceria entre as prefeituras e o Estado.

A secretária Eliana mencionou as soluções encontradas e investimentos feitos para manter a interação, a participação escolar dos alunos e mantê-los conectados em meio à pandemia.