PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Sesa intensifica combate ao mosquito da dengue, chikungunya e zika em bairros de Fortaleza

14 de maio de 2021 - 16:56 # # # # # # #

Suzana Mont'Alverne - Ascom Sesa - Texto
Fabio dos Santos - Arte Gráfica

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) vem intensificando o combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor de dengue, chikungunya e zika vírus. Durante o mês de maio, dez bairros de Fortaleza receberão reforço com carros “fumacê”: Jangurussu, Prefeito José Walter, Planalto Airton Sena, Barroso, Conjunto Ceará I e II, Granja Portugal, Bom Sucesso, Parque Dois Irmãos e Passaré. A ação acontece em três fases (de 10 a 14, de 17 a 21 e de 24 a 28 de maio).

“Durante as operações com aplicações espaciais de inseticidas é de suma importância que a população abra as portas e janelas para facilitar a penetração do produto no interior das residências”, recomenda o orientador da célula de Vigilância Entomológica e Controle de Vetores da Sesa, Luiz Osvaldo.

O orientador explica também que, neste ano, o cenário das arboviroses no município de Fortaleza é de baixa transmissão. No entanto, nos bairros selecionados para a ação, há uma incidência elevada de notificações. “Não há surto ou epidemia na cidade, mas algumas áreas, no monitoramento, apresentaram-se acima do esperado. Por isso, optamos por agir de forma oportuna, aumentando o bloqueio contra o mosquito”.

Além da aplicação espacial do inseticida pela Sesa, o município de Fortaleza vai implementar nas mesmas áreas outras ações de controle, como intensificação das visitas domiciliares com os agentes de combate às endemias, mutirões de limpezas, fiscalização sanitária em locais reincidentes de focos de mosquitos, recolhimento de pneus e inservíveis, controle biológico com utilização de peixes larvófagos, atendimento à demanda da população, bloqueio de casos com máquinas portáteis, visitas nos pontos estratégicos, ações de Educação em Saúde e mobilização social.
Prevenção

A melhor forma de combater o mosquito é a prevenção. Osvaldo orienta que, neste momento, em que algumas pessoas podem estar mais em casa, alguns cuidados devem ser adotados e reforçados. “Separe dez minutos por semana para fazer uma vistoria em casa. Vede tonéis, caixas d’água e não deixe recipientes que possam acumular água ao relento. Troque água dos bebedouros dos animais, desobstrua as calhas, guarde o lixo em sacos plásticos bem fechados. Enfim, cuidados básicos são muito eficientes com controle do mosquito transmissor”.