PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Operação Domus: forças de segurança realizam 658 abordagens no residencial Cidade Jardim

22 de julho de 2021 - 09:38 # # # # # # # #

Ascom SSPDS - Texto e fotos

Com objetivo de coibir a prática de crimes contra moradores que vivem em conjuntos habitacionais e detectar irregularidades, as Forças de Segurança do Ceará e demais instituições parceiras em âmbito estadual e municipal deflagraram mais uma edição da Operação Domus, nessa quarta-feira (21). A missão da ofensiva vai além da presença policial nos territórios. “Vamos atuar em caráter definitivo”, destacou o secretário da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), Sandro Caron, sobre as ações permanentes que irão impactar no cotidiano das famílias, visando à proteção social, à garantia de direitos fundamentais e à ordem pública.

Nas primeiras horas desta quarta-feira, agentes do Estado e da Prefeitura de Fortaleza foram a campo para deflagrar a segunda fase da ofensiva coordenada pela SSPDS, desta vez, no Residencial Cidade Jardim I, no bairro Conjunto José Walter, Área Integrada de Segurança 9 (AIS 9) de Fortaleza. A integração entre as forças é pautada pelo trabalho de inteligência e de investigação, com base em dados e evidências criminais e sociais que são avaliados na formulação de estratégias.

De acordo com o secretário Sandro Caron, que acompanhou toda a ofensiva desde o início, o trabalho integrado propicia o bem-estar dos moradores do conjunto habitacional e será mantido para enfraquecer grupos criminosos que buscam ameaçar a tranquilidade da comunidade. “São vários órgãos atuando em conjunto, reforçando a presença do Estado nesses pontos onde há indicativos criminais de ameaças a moradores. A Operação Domus foi idealizada pela SSPDS e conta com apoio de vários órgãos aliados, atuando em caráter definitivo, exatamente nos conjuntos habitacionais, mas podemos expandir para todo e qualquer lugar em que exista denúncias de ameaças ou outros crimes contra moradores”, afirma o secretário.

Semelhante à primeira fase, que aconteceu no Residencial Alameda das Palmeiras, no bairro Ancuri (AIS 3), em Fortaleza, o trabalho teve seis horas de duração, sendo iniciado às 8 horas. Ao longo desse período, foram realizadas 658 abordagens, 24 veículos foram removidos por irregularidades e 72 autos de infração foram realizados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Ao todo, foram apreendidos ainda 37 pinos e cinco papelotes de cocaína, 15 munições de calibre 38 e uma quantia em cédulas.

Oito prisões em flagrante por furto de energia foram lavradas e dois inquéritos por portaria também por furto de energia elétrica e por apreensão de drogas foram instaurados. A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) fiscalizou a situação de 15 tornozelados e a Enel Distribuição Ceará localizou 44 irregularidades em imóveis.

A operação tem por finalidade detectar irregularidades relacionadas a ameaças recebidas por moradores, além de crimes como furto de energia, pessoas com mandado de prisão em aberto circulando no conjunto habitacional e outras situações encontradas. Em paralelo ao trabalho policial, as Forças de Segurança, em parceria com a Secretaria de Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS) do Governo do Ceará e a Prefeitura de Fortaleza realizam um trabalho de acolhimento às famílias em vulnerabilidade.

“Visitamos cada imóvel do conjunto habitacional, de morador a morador, estabelecendo um contato pessoal e criando um sentimento de aproximação com a comunidade. Em cada endereço, os profissionais dialogam e registram as reclamações das famílias. Esse trabalho é realizado com uma rede de proteção social multidisciplinar. As vítimas são assistidas no próprio território com advogados, psicólogos e assistência social da SPS. Isso materializa um sentimento de ordem”, detalha o major Messias Mendes, à frente do Batalhão de Policiamento de Prevenção Especializada (BPEsp), da Polícia Militar do Ceará (PMCE), responsável pelo Grupo de Apoio às Vítimas de Violência (GAAV).

O secretário Sandro Caron, titular da SSPDS, reforça a necessidade de denúncias para auxiliar o trabalho contra grupos criminosos. “É importante contar com o apoio da população para combater a atuação dessas organizações que tentam enfraquecer as ações do Estado para o bem-estar social. Nós temos o Disque-Denúncia da SSPDS, por meio do 181. Todas as denúncias serão checadas e garantimos o anonimato de quem colabora”, finaliza.

Mobilização

Os trabalhos foram conduzidos pela Coordenadoria Integrada de Planejamento Operacional (Copol) da SSPDS. Ao todo, foram empregados 310 homens e mulheres da Polícia Militar do Ceará (PMCE), da Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE), da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE), da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), da Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF), da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) e funcionários da Enel, concessionária de energia elétrica no Ceará.

A Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer), a Coordenadoria de Inteligência (Coin), a Coordenadoria de Segurança Orgânica e Logística (Cosol) da SSPDS estiveram na ofensiva. Os trabalhos foram subsidiados a partir de dados elaborados pela Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp) da SSPDS.

Domus

Domus é um termo em latim que significa lar. Com isso, a Operação Domus, deflagrada pela SSPDS, busca manter a sensação de acolhimento e bem-estar em conjuntos habitacionais.