PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

SSPDS apresenta histórias inspiradoras de profissionais da educação da Aesp e dos colégios militares estaduais

6 de agosto de 2021 - 16:45 # # # #

Ascom SSPDS - Texto e Fotos

É um mestre, um guia, um amigo e às vezes um conselheiro. Muitas vezes, o profissional da educação é quem está conosco em vários momentos da vida. Momentos que ficarão para sempre guardados com carinho em nossa memória. No dia 6 de agosto, comemora-se o Dia Nacional dos Profissionais da Educação. Em homenagem aos profissionais da educação, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS/CE) apresenta histórias inspiradoras de professores dos colégios da Polícia Militar do Ceará (CPM), do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros Escritora Rachel de Queiroz (CMCB-ERQ) e da Academia Estadual de Segurança Pública do Ceará (Aesp/CE).

Professora Ana Cláudia Malagueta (CPM-GEF)

Registro fotográfico antes da pandemia

Em 1998, no Colégio da Polícia Militar General Edgard Facó (CPM-GEF), em Fortaleza, a professora Ana Cláudia Malagueta, iniciava o desafio como profissional da educação na disciplina de Ciências, onde até hoje coleciona histórias com os alunos. Para ela, a transformação de vida dos alunos é sua motivação para ensinar. “Sinto que transformei a vida de vários alunos e é o que mais me motiva. Motivá-los e entendê-los é gratificante e nos impulsiona. Quando vejo meus alunos adultos, profissionais e com filhos, é incrível para mim” destaca a educadora.

Registro fotográfico antes da pandemia

Quando o CPM-GEF ainda iria completar um ano de criação, a professora Ana Cláudia iniciou como educadora, no ano de 1998. Ela, que administrava quatro turmas do sexto ano, explica que o início foi desafiador. “Eu era uma menina. Foi um desafio muito grande para mim, porque eu nunca tinha dado aulas, mas tinha uma força de vontade muito grande, pois desde criança eu tinha muita vontade de ensinar”, cita a professora. Hoje, com 23 anos de profissão, querida pelos alunos e ex-alunos do CPM-GEF, ela é a nossa personagem que representa um dos quatro colégios da Polícia Militar do Ceará.

 

Registro fotográfico antes da pandemia

A aluna Roana Carvalho, do 3° ano do Ensino Médio, agradece a participação da professora em sua vida acadêmica e relembra uma história com a educadora. “Ela é uma pessoa maravilhosa, uma das melhores professoras que eu já tive. Me ajudou muito em momentos difíceis e sou muito grata por ser sua amiga. Queria relembrar de um acontecimento onde ela foi nossa orientadora. Na semana cultural do 8° ano, ela nos deu tanto apoio e nos orientou tão bem, que o resultado foi a medalha que levamos para casa. E uma nota 10 também!”, destacou a estudante.

A aluna Cecília Maia, do 3° ano do Ensino Médio, também agradeceu e comentou sobre os ensinamentos que recebeu da professora. “Ficava muito ansiosa para chegar à aula dela. Tinha certeza de que ela iria trazer um conteúdo de forma diferente. O maior ensinamento que recebi dela foi lutar pelo que eu quero e correr atrás do que eu amo. Sou muito grata por todos os ensinamentos, piadas e risos. Os momentos que tive com ela ficarão para sempre no meu coração”, comenta a aluna.

Professor Romário Fernandes (CMCB-ERQ)

Registro fotográfico antes da pandemia

Grande inspiração para os seus alunos, o professor e tenente do Corpo de Bombeiros Militar, Romário Fernandes, há cinco anos, começou a lecionar no Colégio Militar do Corpo de Bombeiros Escritora Rachel de Queiroz (CMCB-ERQ), com o grande desafio de ministrar a disciplina de Astronomia e Astrofísica. Desde que o professor iniciou a disciplina, os alunos do CMCB-ERQ colhem os frutos, garantindo mais de 300 medalhas em edições da Olimpíada Brasileira de Astronomia e da Olimpíada Nacional de Ciências e Projetos relacionados à Astronomia. A conquista de premiações nacionais propiciou que os alunos se sentissem realizados e entusiasmados a aprender mais sobre a Astronomia. Somente em 2021, os alunos do Colégio dos Bombeiros conquistaram 86 medalhas em competições de Astronomia.

Registro fotográfico antes da pandemia

Para o professor Romário Fernandes, ser profissional da educação não é apenas transmitir informações mas estimular a curiosidade dos alunos para aprender. “Existe um problema crônico na forma clássica de se estruturar a educação. Estamos acostumados com o ensino apenas transmitindo informações. Educação não é só repassar informações. Educação é um processo para estimular as pessoas a quererem aprender. O grande desafio na educação é apresentar estímulos para o aluno”, comenta o professor e militar do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Ceará (CBMCE).

Compartilhando um caso de estímulo aos alunos, o professor destaca um acontecimento importante para ele, em que ele se viu desafiado a estimular a curiosidade de dois alunos. “Eu tinha dois alunos que não se interessavam pela matéria. Eu tentava, mas nada fazia com que eles se dedicassem. Quando eu trouxe o desafio de lançar foguetes na Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG), esses alunos se dedicaram tanto, que na primeira competição, ganharam uma medalha de bronze. No outro ano, eles ganharam uma medalha de prata. O estímulo certo conquista a mente”, garante o professor.

Registro fotográfico antes da pandemia

A estudante Bianca Lima, do 2° ano do Ensino Médio, fez questão de expressar o seu carinho pelo professor. “O que falar deste grande homem? Bom, ele é um professor incrível, com todo o seu carisma, envolvimento com as matérias, sua plena disposição para ensinar e repassar valiosos ensinamentos, que não são só aqueles que colocaremos no papel, mas aqueles que se mostram nas atitudes. Atitudes que os tornam mais que um exemplo, uma inspiração. Como aluna dele, posso afirmar que ele sempre faz questão de manter seus alunos com bom astral, enaltecendo qualquer que seja nossa conquista e nos incentivando sempre a darmos nosso melhor. Independente da situação”, afirmou.

Professora Cylviane Brito (AESP)

A professora e delegada da Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE), Cylviane Maria Brito, exerce a função de orientadora da Célula de Pós-Graduação da Aesp/CE desde 2014. Para a educadora, não importa o número de alunos, o objetivo do educador é ficar atento aos problemas que dificultam a aprendizagem. “Cada discente é único, e o papel do educador é ficar atento aos problemas que dificultam o processo de ensino e aprendizagem. É preciso lutar continuamente para que nenhum fique para trás ou desista de alcançar seus objetivos”, destacou.

Em sua história inspiradora, a delegada conta um ocorrido recente, que envolve sua aluna, cabo Juliana França, que estava com dificuldades na pandemia. “Uma aluna de um dos cursos de pós-graduação da Aesp, que era minha orientanda, ficou desestimulada e quis desistir. Assim que tomei conhecimento, entrei em contato para entender o que estava acontecendo e pedi para que ela não desistisse. Pedi que ela compartilhasse com os discentes e os docentes dos cursos os conhecimentos que ela possuía com relação às tecnologias. Ela aceitou e nós realizamos o workshop, sem qualquer ônus para a Academia e nem para os participantes. Ela não apenas não desistiu como se destacou de forma brilhante no curso de especialização e, mais importante, se sentiu parte integrante e indispensável do todo. Sou muito grata a Deus por ter a oportunidade de aprender todos os dias com os meus alunos”, comentou a orientadora.

A cabo Juliana França agradece o desempenho e os diálogos acolhedores da professora doutora Cylviane na sua trajetória. “Em minha trajetória, conheci a professora, uma profissional de segurança pública com currículo e conhecimento acadêmico excelentes, que transformou cada uma das minhas muitas incertezas em realizações concretas. Uma docente atuante e diligente na oferta de formação continuada de qualidade, sempre buscando novas estratégias de ensino e inovações tecnológicas para a Aesp. À minha professora e amiga, agradeço pelos diálogos acolhedores, pelo conhecimento frutífero, pela produção textual de excelência, pelo profissionalismo irrefutável e por crer que a educação transforma a segurança pública”, declarou.

O aluno e delegado João Alberto também comentou sobre a orientação da professora Cylviane, sentindo-se honrado por ser aluno dela. “Ela é uma profissional de destaque e multifacetada. Além de ser uma excelente delegada na atividade de investigação, possui grande capacidade em administrar a parte educacional dos policiais do estado do Ceará. Uma professora que sabe dominar o assunto e a sala. Por ser doutora de formação, é uma grande honra poder ser aluno de quem tem conteúdo e sabe transmitir”, comentou.

“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. O saber se aprende com mestres e livros. A Sabedoria, com o corriqueiro, com a vida e com os humildes. O que importa na vida não é o ponto de partida, mas a caminhada. Caminhando e semeando, sempre se terá o que colher”. A frase é da escritora Cora Coralina, pseudônimo de Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, poetisa e contista brasileira.