PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Três homens em dois desafios em comum: serem pais e policiais civis

9 de agosto de 2021 - 11:59 # # # # # #

Ascom PC-CE - Texto

Investigação, operações, perseguições e prisões. Essa é a rotina de trabalho de um policial civil. Entretanto, quando o expediente acaba, muitos trocam o papel para assumir uma outra função: a paternidade. Independente do ângulo pelo qual se olhe a figura do pai, a primeira lembrança que vem a cabeça é de amor e proteção. Na visão das crianças, os pais são seus primeiros heróis. Neste domingo (08), a Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE) vai contar a história de amor e força de três policiais civis e seus filhos.

Para quem ainda não é pai, talvez seja difícil entender a vida daqueles que se dividem entre servir a sociedade e cuidar dos filhos. Nesse texto, Fernando Menezes, Fernando Sant’Anna e Naedison partilham suas histórias de vida que tem duas grandes missões em comum: ser pai e policial civil.

Entre bonecos e carrinhos, Fernando, um garoto de quatro anos, com olhos curiosos, fala do trabalho do pai, o delegado da PC-CE, Fernando Menezes, de quem o filho herdou o mesmo nome. “Meu pai é o meu herói e eu tenho muito orgulho dele. Quando eu crescer, quero ser igualzinho a ele. Vou estudar para ser um grande policial civil”, disse o garoto.

Para o delegado, é uma alegria saber que é inspiração para o filho. “Sempre me emociono quando meu filho de maneira espontânea e, na maioria das vezes, sem qualquer pretensão, fala do orgulho por eu ser um policial civil. É uma emoção muito grande saber que ele quer ser igual a mim, que me admira, mesmo ainda só com quatro anos. Desejo muito que meu filho quando atingir sua maturidade, escolha a profissão que ame, assim como eu fiz com a minha, e que seja feliz nela, mas que se for a vontade dele ser policial civil, que eu possa servir como um bom exemplo na carreira”, destacou o delegado.

Já Fernando Sant’Anna, inspetor da PC-CE e pai da pequena Cecília de dois anos, explicou como a paternidade mudou a sua forma de enxergar seu trabalho. “Quando eu me tornei inspetor de polícia e passei a conhecer o trabalho, me apaixonei pelo ofício de proteger a sociedade. Porém, quando minha filha nasceu, esse amor ficou ainda mais forte. Passei a pensar mais nela e vi que precisava ser exemplo e tornar esse mundo um local mais seguro, onde ela pudesse crescer sossegada. Hoje quando saio para trabalhar, quero dar o meu melhor, pois sei que isso significa um local mais tranquilo para ela. A recompensa depois de um dia de trabalho é voltar para casa e encontrá-la me esperando para brincar. Essa sensação de trabalhar fazendo o que ama e ter a oportunidade de cuidar da minha filha não tem preço”, destacou o inspetor.

Paternidade atípica

Não se pode negar que os primeiros momentos se tornarão eternos. Podem passar anos e mais anos que nada fará esquecer o primeiro colo, os primeiros sorrisos, os primeiros passos no chão. Quem partilha deste mesmo sentimento é o escrivão, lotado no 32° Distrito Policial (DP), Naedison Souza, pai do Isaac Souza, de cinco anos.

O profissional descobriu que seu filho, na época com dois anos de idade, era uma criança autista. Foi então que ele se viu ainda mais fortalecido em iniciar uma nova maneira de viver o mundo. Ciente que deveria investir um tempo ainda maior com o seu filho, Naedison se viu honrado diante da missão mais especial que Deus resolveu lhe presentear: ser pai atípico.

“Ser pai é um desafio bom. Eu vejo o meu filho crescer, evoluir. Como pai de uma criança autista, o desafio é ainda maior, mas não menos apaixonante. Com ele, os desafios são diários e constantes. O sentimento que eu tenho em ser pai do Isaac é de imensa gratidão, de saber que estou construindo um ser humano digno. Meu filho é cheio de amor, um menino de força e muito inteligente. Eu sou um novo homem, graças a ele”, finalizou Naedison.

Os três policiais civis, cada um com sua realidade, dividem o mesmo sentimento que outros pais: a construção diária de um mundo melhor para seus filhos. Com esses exemplos, a Polícia Civil do Estado do Ceará (PC-CE) deseja um Feliz Dia dos Pais a todos os pais policiais civis, aos pais de nossos policiais e a todos os pais!