PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Projeto EJA do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros já formou mais de mil jovens e adultos no Ceará

8 de setembro de 2021 - 12:03 # # # # # #

Ascom CMCB

No Dia da Alfabetização, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) parabeniza todos os profissionais da Educação, e presta essa homenagem mostrando um pouco de como funciona o Projeto de Educação de Jovens e Adultos (EJA), do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros Escritora Rachel de Queiroz (CMCB). A iniciativa ajuda na realização de sonhos, todos os anos, por meio dos estudos.

Criada no ano 2000, a Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros Escritora Rachel de Queiroz fez a diferença na vida de mais de mil estudantes, que foram formados pelo projeto. Atualmente, a EJA conta com quatro turmas, atendendo 100 alunos, sendo 25 por turma. Atualmente, os estudantes participam das aulas de forma remota, em razão da pandemia da Covid-19.

No começo, a EJA tinha o objetivo de formar os bombeiros e funcionários da corporação que ainda não haviam concluído o ensino médio. Em seguida, foram incorporados os familiares dos bombeiros e pessoas da comunidade. Antes da pandemia, eram ofertadas 180 vagas, mas devido ao atual estado de distanciamento social, a quantidade foi reduzida. Plataformas digitais são utilizadas para ministrar as aulas, o que auxilia professores e alunos no desenvolvimento de suas atividades escolares. No total, o projeto do Corpo de Bombeiros já formou 1.174 alunos.

Alguns profissionais que hoje atuam na Polícia Militar do Ceará (PMCE), na Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) e em outras áreas já passaram pelo projeto. É o exemplo do cabo da Polícia Militar do Ceará (PMCE), Jonnas Levy. Atualmente lotado na 1ª Companhia do Batalhão Especializado de Policiamento do Interior (Bepi/Cotar), o PM é formado em Gestão Pública e cursa o 4º semestre de Direito em uma faculdade particular. “Concluí meu ensino médio no (colégio) Corpo de Bombeiros no ano de 2005 e, de lá pra cá, não parei mais. Foi uma grande honra ter concluído os estudos através do programa EJA, fui atenciosamente recebido pelo subtenente BM Cavalcante, que sempre conduziu com muita presteza e dedicação a formação dos alunos. Sou muito grato a todos os professores que repassaram seus conhecimentos com muita dedicação e empenho. Hoje, sou concursado graças ao apoio que tive na formação educacional repassada por todos que fazem parte do Colégio do Corpo de Bombeiros Militar”, reforça o policial.

Outro exemplo é a ex-aluna Talita Oliveira, que frequentou a EJA em 2018 e concluiu o primeiro e o segundo grau no projeto dos Bombeiros. Para a jovem, foi uma oportunidade única, que ela não poderia abrir mão, pois tinha muita vontade de começar a faculdade de Direito e demoraria bastante para concluir os estudos no ensino regular. “Eu estava muito atrasada nos estudos, então surgiu a oportunidade de estudar no (projeto) EJA do Colégio dos Bombeiros. Fiquei muito feliz, porque eu teria como realizar o meu sonho mais rápido. Foi uma experiência muito legal, conheci pessoas muito interessantes e dedicadas que estão em busca de realizar seus sonhos, assim como eu”, ressalta.

Talita foi aprovada no curso de Direito da Universidade Federal do Ceará (UFC) e ressalta a relevância do projeto, que ajuda tantas pessoas a realizarem seus sonhos. “Espero que o projeto continue atuante, pois ele tem um lado social muito esplendoroso, devido a essa ajuda que eles prestam às pessoas que pararam de estudar por diversos motivos. Então, graças a eles, consegui ir para a universidade. Estudei um ano e meio em uma faculdade particular, e devido ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que eu prestei em 2020, consegui entrar na Faculdade de Direito da UFC, este ano. O EJA tem um papel muito importante na minha conquista, devido à oportunidade que eles me deram de continuar os meus estudos de onde eu tinha parado”, afirma.

Para o subtenente BM Cavalcante, coordenador da EJA do CMCB, é uma enorme satisfação fazer parte de um projeto tão importante. “Hoje, além de resgatarmos vidas e bens materiais nas inúmeras ocorrências que diuturnamente ocorrem, passamos também a resgatar a dignidade das pessoas. O brilho nos olhos de um aluno que conclui uma etapa da educação básica prova que vale a pena o nosso esforço. É o Corpo de Bombeiros cumprindo mais um importante papel social: educando para o progresso individual e comunitário”, ressalta o militar.

Muitos jovens e adultos procuram o projeto como uma forma de mudar de vida, vários alunos conseguem empregos melhores e ingressam nas universidades, após a conclusão do ensino médio. A EJA é um projeto muito importante na vida das pessoas que querem ter a oportunidade de crescer profissionalmente.

Como participar

As matrículas são feitas semestralmente, nos meses de janeiro e julho. Os interessados devem entrar em contato com o subtenente BM Cavalcante, coordenador do projeto, por meio do telefone (85) 98831-4833, pelo e-mail: cavalcante@cm.cb.ce.gov.br; ou ainda, de forma presencial, na sede do Colégio Militar do Corpo de Bombeiros Raquel de Queiroz, situado na Rua Adriano Martins, 435, no bairro Jacarecanga, em Fortaleza.

O interessado preencherá um formulário de pré-matrícula online, e logo que as vagas forem disponibilizadas, o candidato será convidado a comparecer ao colégio, com a devida documentação para matrícula:
– Pasta escolar;
– Originais do RG, CPF
– Comprovante de residência;
– Duas fotos 3×4;
– Comprovante de escolaridade.

Breve histórico

Inicialmente o projeto visava capacitar os militares e servidores da própria corporação, no entanto, o sucesso da EJA virou algo muito maior, de forma que se tornou um importante projeto social para o Corpo de Bombeiros, cujo lema é “Vidas alheias e riquezas salvar!”.

Os cursos contavam com aulas expositivas com professores em sala e com apresentação de teleaulas do Telecurso 2000, incluindo os livros para acompanhamento e com as disciplinas regulares (Português, Matemática, Física, Química, Biologia, História Geral, História do Brasil, Inglês, entre outras). Os professores eram polivalentes e ministravam aulas de todas as disciplinas, independente da área na qual eram graduados.

A partir de 2010, a nomenclatura EJA (Educação de Jovens e Adultos) foi adotada. Em 2014, novos livros foram recebidos da Secretaria da Educação (Seduc). Foram adotados os estudos por área do conhecimento (Linguagens e Códigos, Ciência Humanas, Ciências da Natureza e Matemática), similares aos propostos pelo Enem. Em dezembro de 2015, as atividades da EJA foram encerradas. Mas devido à grande procura por vagas na EJA, pois ao longo dos anos o CMCB havia se tornado uma referência nesta área, em julho de 2017 as matrículas para a turma do ensino médio foram reabertas. A primeira turma desta nova fase concluiu os estudos em dezembro de 2018. Desde então, sete turmas já se formaram.