PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Inaugurado o Meliponário do Parque Estadual do Cocó

22 de novembro de 2021 - 10:44 # # # # #

Ascom Sema

A Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e o Serviço Social da Indústria e Comércio (SESC), inauguraram no sábado (20), no Parque Estadual do Cocó, em Fortaleza, o Meliponário Parque Escola. O espaço, destinado às abelhas nativas sem ferrão, ficará disponível para visitação e ações de educação ambiental, na Unidade de Conservação (UC) estadual, de proteção integral, em Fortaleza. A solenidade contou com as presenças do secretário estadual, Artur Bruno, do Meio Ambiente, e dos diretores do SESC, Henrique Jorge Javi de Sousa e Débora Sombra Costa Lima.

Bruno, citando o filósofo estóico, Sêneca, lembrou que “nenhum vento sopra a favor do marujo que não sabe para onde ir”, de modo a destacar que o SESC e o Governo do Ceará, por meio da Sema sabem onde querem chegar. “Preservar a fauna e a flora, e a meliponicultura são fundamentais, por isso que o Sesc está nos dando de presente, através da nossa parceria, esse meliponário”, disse.

A grande luta de 40 anos de criação do Cocó foi lembrada pelo secretário. Para Bruno, algumas coisas importantes foram feitas, nesses sete anos de gestão, mas como educador que é, está convencido que o principal trabalho, na sua gestão, foi e é, a educação ambiental. “O mais importante é mudar comportamento, cultura e pensamento, para entendermos que nós não somos donos da natureza, somos a natureza”, encerrou.

Para Henrique Javi, o SESC tem algo muito especial que é inserir em todas as suas ações o conceito de educação. “Isso é que faz com que desde o pequenino até o mais velho de nós , possamos conservar projetos como esse”, afirmou. Ele fez questão de destacar o trabalho da Sema, na gestão de Artur Bruno, que, de acordo com o dirigente, “transformou a realidade ambiental do Ceará”. O coordenador Ulisses Rolim, de Educação e Articulação Social, da SEMA e o Gestor do Parque Estadual do Cocó, Paulo Lira, também participaram do evento.

Abelhas e sustentabilidade

O meliponicultor e educador ambiental, Joaquim Saldanha, idealizador do Projeto Meliponário Escola, deu uma aula sobre meliponicultura. De acordo com ele, sem conhecimento e sem saber a importância das árvores para as espécies da fauna, as pessoas derrubam as árvores. “Com esse projeto, todos terão a oportunidade de conhecer as abelhas de perto e a importância delas para o equilíbrio dos ecossistemas naturais e até mesmo para a economia”, afirmou.

Saldanha disse que as abelhas brasileiras não têm ferrão e a Jandaíra é uma espécie que estava desaparecendo. “Elas vivem dentro do oco de árvores como a Imburama, a Catingueira” e quando o meio ambiente é devastado, as perdemos. “Eu lembro que no passado, o meu avô colhia mel de Jandaíra naturalmente. Hoje, isso já não é mais possível, por isso, estamos resgatando primeiro a cultura da meliponicultura da abelha sem ferrão, para mostrar às pessoas que elas existem”, contou.

Ele trouxe uma informação relevante sobre o serviço ambiental fornecido pelas abelhas. “As nativas produzem menos mel, mas o serviço ecossistêmico prestado por esses polinizadores à agricultura brasileira, contribuiu com um valor econômico estimado em R$ 43 bilhões. “Quando a abelha é introduzida na cultura do melão, por exemplo, aumenta em 30% a produção da fruta, sem precisar aumentar o uso de terra. Por isso, os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) colocaram as abelhas como espécies importantíssimas na questão da sustentabilidade. Com mais abelhas, nós teremos mais o que comer, com menor custo para a natureza. Com certeza teremos um mundo muito melhor para todos”, explicou.

Elos

O representante da Associação dos Apicultores e do Projeto Brigada da Natureza, Mauro Memória, incentivou os presentes a terem em suas casas abelhas do tipo mellitus, ou seja, sem ferrão, para polinizar os jardins e as flores dos nossos entornos. “As abelhas são elos entre o homem e a natureza. Estão aqui muito antes de nós e sabem fazer uso do meio ambiente natural”, disse. Segundo ele, as melíponas não têm ferrão e por isso compartilham a curiosa característica de serem inofensivas, ao contrário das espécies estrangeiras, mais conhecidas, cujas picadas causam desconforto e até alergias nas pessoas.

O evento foi aberto com uma apresentação musical do Grupo Flor da Natureza, do Sesc Iparana. Além de inúmeros visitantes do Parque Estadual do Cocó, também participaram do ato inaugural, integrantes do Programa Agente Jovem Ambiental (AJA), da Região de Fortaleza. Eles foram convidados pelo meliponicultor e educador ambiental, Joaquim Saldanha, para em um futuro próximo, participar de um curso de capacitação no Meliponário Parque Escola. O projeto existe também no Parque Estadual Botânico do Ceará.

O Meliponário Parque Escola é resultado da parceria SEMA e SESC, por meio do Termo de Cooperação Técnica (TCT), assinado entre ambos. O TCT tem como objetivo, a “consolidação e o desenvolvimento de esforços entre as partes, no sentido de estabelecer um sistema de cooperação, por meio da promoção de ações integradas, com o intuito de operacionalizar um viveiro educativo de mudas e implantar meliponário, bem como realizar atividades para estimular a produção de mudas e a conservação de espécies de abelhas nativas de ecossistemas cearenses”.