PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Supesp realiza seminário sobre pesquisa e tecnologia aplicadas à segurança pública

26 de novembro de 2021 - 16:01 # # # # #

Ascom Supesp - Texto e fotos

O auditório do Centro Universitário Farias Brito (FBUni) abriu as portas em prol da troca de conhecimentos científicos relacionados ao combate à criminalidade. Professores, alunos e colaboradores da Superintendência de Pesquisa e Estratégia de Segurança Pública (Supesp) se reuniram, de forma presencial e virtual, para a realização do I Seminário Sobre Pesquisa e Tecnologia Aplicadas à Segurança Pública. O evento, gratuito e voltado para estudantes de Tecnologia da Informação (TI) e público em geral, aconteceu graças a uma parceria entre Supesp e FBUni.

“O objetivo aqui foi levar conhecimento inovador para os alunos. Muitos deles conhecem a teoria sobre a pesquisa, mas muitos não conhecem onde é aplicado aquilo que estudam. A grande deficiência que um aluno pode ter é acreditar que aquilo que eles fazem dentro de sala de aula não tenha aplicação prática”, afirmou Helano Matos, superintendente da Supesp.

O seminário contou com a presença, além do superintendente da Supesp, do coordenador dos cursos de Ciências da Computação, Jogos Digitais e Gestão de Tecnologia da Informação, Ricardo Wagner Cavalcante Brito, que destacou a iniciativa da Supesp em levar o seminário pro Centro Acadêmico. “Eu acho fundamental esse seminário, porque a academia precisa trabalhar junto com a iniciativa pública de forma conectada. Eu estou sentindo um movimento muito forte, recentemente, dessa aproximação. Essa iniciativa da Supesp é importante e fundamental na aplicação de pesquisas”, afirmou o coordenador.

Durante a atividade, o superintendente, Helano Matos, explanou as principais ações de pesquisa, avaliação e tecnologia que a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) aplica no combate à criminalidade com auxílio da Supesp. Na ocasião foram mostrados aos participantes a organização estatística de manchas e índices criminais, a execução de operações integradas, os softwares utilizados pelos agentes de segurança pública, entre outros elementos, que otimizam, por meio da inteligência tecnológica, a ação da força policial nas ruas.

“Não imaginava que era dessa forma o trabalho da Supesp e isso me chamou atenção. Nunca tinha parado pra refletir sobre a influência da tecnologia da informação dentro da área de segurança e como a gente impacta a sociedade. Os programas que vi aqui são importantíssimos no combate à criminalidade. A gente tem que ficar atento porque a tecnologia é o futuro. Fico feliz que minha área de estudo influencia o bem-estar do cidadão”, declarou Beatriz Oliveira dos Santos, aluna do 3º semestre de Tecnologia da Informação da FBUni, que participou presencialmente do seminário.

Um dos pontos principais foi a apresentação do Programa Cientista Chefe. Os participantes puderam conhecer a linha de pesquisa realizada na Universidade Federal do Ceará (UFC), em parceria com a SSPDS, que aproxima os alunos à gestão pública de segurança do estado. O programa tem como objetivo desenvolver tecnologias, a fim de fortalecer as estratégias e o conhecimento do perfil da criminalidade no Ceará.

A cientista-chefe da SSPDS, Emanuele Marques, entende o seminário como uma forma de ampliar as fronteiras do Programa Cientista Chefe. “Acho que hoje a principal função do seminário é mostrar o que a gente tem feito, apresentar o programa, que nem todos conhecem, e tentar passar aos participantes que tipo de pesquisas temos feito junto à SSDPS. Quando eles assistirem às notícias de redução de crime, vão associar com todas as iniciativas científicas que são realizadas na secretaria”.

O I Seminário de Pesquisa e Tecnologia aplicadas à segurança pública contou ainda com a participação de diretores e gerente da Supesp. Para Manuela Cândido, diretora da Diretoria de Pesquisa e Avaliação de Políticas Públicas (Dipas/Supesp), é importante expandir o Cientista Chefe, por meio de atividades acadêmicas. “A expansão para outras universidades, além da UFC, gera ganhos para Supesp e para sociedade, que vai ter conhecimento de mais um serviço para segurança pública”, declarou a diretora da Supesp.

Os participantes do seminário puderam conhecer melhor, também, como funcionam as diretorias e a gerência da Supesp. “Muito importante a interação com a universidade. Segurança pública é dever do estado, mas é responsabilidade de todos. A pesquisa no meio acadêmico, sem dúvida, auxilia nas soluções para criminalidade”, afirmou Anderson Duarte, diretor da Diretoria de Estratégia de Segurança Pública (Diesp/Supesp).

Na área de estatística, elemento importante para traçar estratégias policiais, o gerente da Gerência de Estatística e Geoprocessamento (Geesp/Supesp), Franklin Torres, acredita que o seminário pode instigar estudos acadêmicos voltados para a segurança pública “Quando se pensa em muitas áreas do conhecimento é muito raro ver algo relacionado à segurança pública, até mesmo quando se trata de estudantes de estatística. O seminário traz essa visão de que a segurança pública precisa do profissional e estudante, também, do curso de Tecnologia da Informação, e que eles visualizem essa opção no campo da pesquisa”, declarou o gerente da Supesp.