PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Segunda edição da Revista Viver São José destaca o ensino e a pesquisa na instituição

21 de dezembro de 2021 - 14:51 # # # # #

Diego Sombra - Ascom HSJ - Texto e Fotos

O Hospital São José (HSJ), unidade da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), lançou a segunda edição da Revista Viver São José. A publicação tem o intuito de apresentar o papel de destaque da instituição nos âmbitos do ensino e da pesquisa. Ao longo das páginas, o leitor terá a oportunidade de se aprofundar no universo diversificado e intrigante da Infectologia e conhecer histórias de profissionais de saúde que realizaram residência na instituição.

O lançamento da Revista ocorreu nessa segunda-feira (20) e contou com a participação de membros do corpo editorial e funcionários do HSJ. “A conclusão desta nova edição mostra que o projeto está se consolidando e isso traz pra gente uma sensação muito boa. A ideia da Revista é abrir as portas do São José para que a sociedade possa conhecer o trabalho realizado aqui. Isso, naturalmente, ajuda a reduzir o estigma em torno das doenças infectocontagiosas”, afirma Melissa Medeiros, médica infectologista e editora científica da publicação.

É neste contexto, marcado por aprendizado e troca de conhecimento, que o São José torna-se terreno fértil para a produção científica, fomentando a realização de inúmeros trabalhos acadêmicos. Artigos, depoimentos, entrevistas e reportagens desta edição traduzem o vínculo que a unidade hospitalar construiu com a Ciência e com a Academia em cinco décadas de existência.

Hospital São José contribui para a formação de profissionais de diferentes áreas da Saúde

No entanto, o conteúdo da Revista continua tendo como característica a simplicidade, uma das peculiaridades do HSJ. Nomeadas com expressões do linguajar popular cearense, as seções da publicação reforçam o compromisso do São José de manter um diálogo permanente com sociedade, sempre buscando atingir os diferentes públicos que permeiam a instituição.

A Covid-19, principal desafio enfrentado pela unidade hospitalar nos últimos dois anos, ocupa novamente espaço importante nos conteúdos, que abordam as nuances da pandemia em diferentes perspectivas. “Nesse período, o HSJ alcançou uma grande visibilidade e a sociedade passou a enxergar a instituição com outro outro olhar. Muitas pessoas que antes viam o São José como uma caixinha misteriosa acabaram sendo atendidas aqui e puderam perceber a humanização na assistência prestada pelos profissionais”, avalia Medeiros.

Formação profissional

O Hospital São José desponta como a unidade referência no Ceará para aqueles que desejam se especializar no diagnóstico e no tratamento de doenças  infectocontagiosas. A instituição possibilitou, em 50 anos de atividades, a formação de mais de cem residentes, fornecendo não apenas conhecimentos teóricos  e práticos, mas também uma especialização qualificada, humana e ética.

O Programa de Residência Médica (PRM) do HSJ formou, entre 1988 e 2021, 73 infectologistas e quatro infectologistas pediátricos. O médico Aldo Ângelo Moreira Lima, primeiro residente em Infectologia do HSJ, é o entrevistado desta edição. Pesquisador e professor universitário, Lima revela momentos da sua trajetória até se tornar membro da Academia Brasileira de Ciência, que reúne os mais proeminentes estudiosos do País.

Médico  Aldo Ângelo Moreira Lima, primeiro residente em Infectologia do HSJ 

“A experiência como estagiário, interno e, em seguida, primeiro residente do HSJ foi significativa para o aprendizado e a experiência médica na clínica e terapêutica dos pacientes com doenças infecciosas. À época, tivemos o surto da epidemia de meningite meningocócica e, à semelhança de hoje, com a pandemia da Covid-19, ficamos assustados com o número de pacientes que chegavam ao hospital”, lembra Lima em um dos trechos da entrevista.

Por meio da Residência Integrada em Saúde (RIS), implementada na unidade hospitalar em 2016, o HSJ também contribuiu para a especialização de cerca de 50 profissionais, entre enfermeiros (as), farmacêuticos (as), psicólogos (as),  fisioterapeutas, assistentes sociais e nutricionistas.