PortugueseEnglishFrenchSpanish
PortugueseEnglishFrenchSpanish

Aplicativo desenvolvido na Pefoce acelera trabalho de peritos em local de crime

1 de abril de 2022 - 14:27 # # # #

Ascom Pefoce

As equipes do Núcleo de Perícia Externa (Nupex), da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), atuam com o reforço tecnológico de tablets e o uso aplicativo Galilei, que tem auxiliado os peritos em locais de crime contra a vida e em ocorrências de trânsito a armazenar de modo mais rápido as informações das ocorrências. O aplicativo, que passou por vários aprimoramentos desde a sua criação em 2018, permite realizar digitalmente o registro das informações, bem como fotos, áudios e diversos outros apontamentos necessários que auxiliam na realização das perícias. Anteriormente, os registros eram feitos através de anotações manuscritas, em pranchetas, e agora passaram a ser digitais e inseridos no sistema em tempo real.

A ferramenta é a primeira em órgãos de perícia do Nordeste e foi desenvolvida ainda em 2018, pela Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTI) da Pefoce, mas precisou ser aperfeiçoada para potencializar seus resultados. Hoje, a tecnologia resulta em ganho de tempo e eficiência nas perícias, uma vez que anteriormente, o perito teria que conferir todas observações e anotações manuscritas na prancheta e baixar as imagens da câmera para inserir as informações no sistema, por meio de um computador. Em dias com maior volume de demandas, essa etapa do trabalho dos peritos ocorria, muitas vezes, ao término do plantão.

Outra importante funcionalidade do aplicativo é que ele permite o perito deixar salva a ocorrência mesmo que esteja numa localidade sem conexão de internet. O aplicativo tem grande valor especialmente em locais mais afastados de municípios com conexão. Após cadastrar os dados no Galilei, o perito pode inserir informações sobre ocorrências, vestígios e informações. Tudo isso fica salvo no dispositivo (tablet), que posteriormente é enviado automaticamente para o sistema, permitindo que a perícia externa seja realizada em qualquer localidade.

O perito criminal Júlio César, do Nupex, explica como funciona a ferramenta na integração com outros órgãos da Segurança Pública do Ceará. “A Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) entra em contato conosco, e imediatamente despacha a ocorrência pelo smartphone. Em seguida, é iniciado o processo de cadastro no Galilei. Ao chegar ao local, outras informações são preenchidas no aplicativo, como horário, latitude e longitude, entre outros”, contou.

Uma das principais vantagens do aplicativo é a rapidez e fácil registro que os peritos podem fazer sobre a ocorrência que estão tratando, permitindo enviar dados de vestígios encontrados por eles no local de crime. O aplicativo permite que, na hora do atendimento, o perito já possa cadastrar na plataforma as informações relevantes a respeito da ocorrência. Após a coleta dessas informações, o aplicativo envia tais informações, fotos e registros ao Sistema Galileu, que é o software de gerenciamento de perícia o qual o aplicativo Galilei está vinculado.

O perito Júlio César reforça também o ganho que os peritos tiveram com a criação do aplicativo, que veio para ser mais uma ferramenta que visa dar mais celeridade e eficiência nos laudos. “Hoje o aplicativo otimiza o tempo, porque em vez de cadastrar futuramente, conseguimos cadastrar já finalizando o atendimento. Isso traz agilidade tanto para o nosso setor quanto para setores que dependem da informação de local do crime”, completou.

Desenvolvimento

A criação do aplicativo “Galilei Local de Crime” surgiu com a necessidade de tornar as perícias mais dinâmicas e aceleradas. A sua versão inicial foi lançada em 2018, mas acabou precisando de ajustes para solucionar alguns problemas de usabilidade. Como a carência de um dispositivo para agilizar o processo de perícia continuou, a ferramenta de perícia externa foi reformulada pela equipe CTI da Pefoce.

O desenvolvimento do aplicativo contou com a participação de peritos, supervisores e coordenadores da Coordenadoria de Perícia Criminal (Copec), que acompanharam a criação do app, trazendo novas funcionalidades e melhorias. Durante o processo de aperfeiçoamento do programa, alguns peritos participaram dos testes do aplicativo, com o intuito de se familiarizar com o dispositivo, além de apontar possíveis problemas.

Os peritos começaram a utilizar a versão teste do novo app em 2021. Gabriel Moreira, um dos programadores responsáveis pelo desenvolvimento do aplicativo, falou sobre a relevância do período de testes que foram realizados antes do lançamento oficial da plataforma. “O período foi importante para eles se acostumarem com a interface, como funcionava o registro de ocorrência e vestígios no aplicativo”, disse Gabriel Moreira, um dos programadores responsáveis pela criação do aplicativo. Após aprovação dos usuários em todos os testes, a nova ferramenta começou a ser utilizada pelos peritos no último mês de janeiro, onde foram instaladas as versões oficiais do programa.

Sistema Galileu

O Sistema Galileu é um software que armazena e gerencia digitalmente todos os tipos de informações sobre os procedimentos periciais realizados pela Pefoce. O software é pioneiro no país e também foi desenvolvido pela CTI da própria Pefoce. Com a ferramenta, a custódia dos vestígios fica mais organizada e segura, pois, ao serem recebidos pela instituição, recebem um código identificador QR Code e lacre de segurança, que são facilmente rastreáveis e monitorados internamente, permitindo o gestor identificar, em tempo real, em qual etapa determinada perícia está ou se ela já foi concluída.

Com o Galileu, os laudos também são assinados e liberados digitalmente para as delegacias, funcionalidade que foi essencial para o mantimento do distanciamento social durante a pandemia ocasionada pelo coronavírus, onde os peritos continuaram seus trabalhos, mas assinando os laudos digitalmente, evitando assim a circulação de papel e serviço de entrega de documentos.

O Aplicativo Galilei, instalado nos tablets dos peritos, é uma extensão do Sistema Galileu para o registro de ocorrências. Nele, o perito se cadastra com seus dados do Galileu e pode a partir daí inserir informações sobre a ocorrência. Para a implementação da nova tecnologia, o governo do Estado investiu R$ 98.000 nas aquisições de 60 tabletes para a Pefoce. Os equipamentos foram distribuídos para os peritos de Fortaleza e do interior do Estado, outros 11 instrumentos foram enviados pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) para a Perícia Forense.