PortugueseEnglishSpanish
PortugueseEnglishSpanish

Projeto “Esquadrão EquoNaia” proporciona benefícios a pacientes do HSM com autismo, quadros de ansiedade e TDAH

20 de junho de 2022 - 13:44 # # # # #

Milena Fernandes - Ascom HSM Texto
Brauliana Barbosa Fotos

Atividades são realizadas quinzenalmente no Centro de Equoterapia do Regimento da Polícia Montada da Polícia Militar do Ceará

Crianças e adolescentes que fazem tratamento no Núcleo de Atenção à Infância e Adolescência (Naia) do Hospital de Saúde Mental Professor Frota Pinto (HSM), unidade da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), participam de atividades ao ar livre que envolvem o contato com os cavalos do Projeto Equoterapia, do Regimento da Polícia Montada (RPMont) da Polícia Militar do Ceará (PMCE).

A parceria teve início neste mês de junho e foi idealizada pela assistente social do Naia, Cíntia Raquel de Lima. “Nós fechamos essa parceria com a Cavalaria, com duração de seis meses, para trabalhar diversos aspectos, inclusive a interação social envolvendo a família e os pacientes. Foram formadas duas turmas, uma só com as crianças e outra com os adolescentes. Cada grupo participa das atividades quinzenalmente”, explica.

Denominado Esquadrão EquoNaia, o projeto vem sendo desenvolvido com o objetivo de agregar questões importantes para o tratamento realizado no ambulatório, principalmente junto aos pacientes com os transtornos do Espectro Autista (TEA) e de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), além dos que apresentam quadros de ansiedade.

Socialização

A psicóloga Rita Rodrigues ressalta que, durante as sessões que envolvem a aproximação dos cavalos, são trabalhados aspectos como o estímulo ao aprendizado e à socialização, confiabilidade e sensibilização. “A nossa intenção é observar o comportamento deles e perceber o desenvolvimento das potencialidades que podem ser estendidas a outros ambientes”, frisa.

Contato com cavalos estimula a socialização e a comunicação de pacientes diagnosticados com transtornos do Espectro Autista e de Déficit de Atenção e Hiperatividade

A dona de casa Patrícia Saraiva, 37, é mãe de um adolescente de 14 anos diagnosticado com autismo. Além de acompanhá-lo nas consultas ambulatoriais, ela participa dos passeios à Cavalaria. “Meu filho é muito introvertido, fala pouco, mas, desde que começou a participar desse projeto, tem se soltado mais. Ele fica empolgado para conhecer cada detalhe dos cavalos e não vê a hora de poder montar”, afirma.

Gerando vínculos

No local, os pacientes do Naia são recebidos por uma equipe multidisciplinar com psicóloga, mediadores (que são policiais militares) e fisioterapeuta, além de assistente social. Os cavalos são treinados para a prática do projeto. “Observamos que muitas crianças chegam com dificuldade de socialização e comunicação. Com esse trabalho junto aos cavalos, que é um mediador afetuoso, conseguimos facilitar a ligação entre a equipe e a criança. O aconchego do animal e a temperatura ajudam a sensibilizar as crianças, que são estimuladas a escovar o pelo do cavalo, a dar banho neles, a cuidar com afeto. Tudo isso vai gerar um vínculo que se estenderá à família e aos amigos”, relata a psicóloga que atua na Cavalaria, Natali Carvalho.

Crianças e adolescentes atendidos pelo Naia do HSM são recebidos por equipe multidisciplinar

De acordo com o tenente Leonardo Moura, coordenador do Centro de Equoterapia do RPMont, foi criado um cronograma de atividades específico para o público atendido pelo Naia. Nas primeiras visitas, eles conheceram as baias, as ferradorias, a selaria e o funcionamento do policiamento montado. “Mostramos também como se faz a limpeza dos cavalos e a escovação correta do animal. Hoje, eles estão conhecendo os arreios. Teremos ainda uma montaria guiada, que é uma das atividades mais aguardadas por eles. Ao longo de seis meses, várias atividades estão programadas e vão proporcionar muitos benefícios a esses pacientes”, destaca.