Ministério da Saúde aprova cinco grupos do Programa PET da UECE

4 de junho de 2010

A Universidade Estadual do Ceará (Uece), através do Centro de Ciências   da Saúde (CCS) foi a única Instituição de Ensino Superior do Ceará e   uma das três universidades brasileiras a ter cinco grupos do Programa   de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde), com foco na   Vigilância em Saúde, aprovados pelo Ministério da Saúde. O resultado   do processo seletivo do PET-Saúde foi divulgado pelo Ministro da   Saúde, José Gomes Temporão e já foi publicado no Diário   Oficial da União do dia 26 de maio. Ao todo, foram selecionados 70 dos   120 projetos apresentados.


Segundo informações da diretora da CCS da Uece, Gláucia Posso Lima, o Ministério da Saúde anunciou também um aumento dos investimentos do PET-Saúde, que era inicialmente de R$ 4 milhões, e subiu para R$ 8 milhões. A revisão dos recursos foi devido ao grande interesse das instituições de ensino por essa modalidade PET investimento no programa, que era inicialmente de R$ 4 milhões, subiu para R$ 8 milhões. Gláucia Posso disse que a Uece está de parabéns, pelo destaque cearense e nacional. Um presente que lhe foi oferecido na “Semana Uece 35 anos”, evento que abre as comemorações dos 35 anos de existência da Universidade e compromisso com ensino superior, reforça Gláucia.


O PET-Saúde é uma parceria entre os Ministérios da Saúde e da Educação e tem como objetivo, aprofundar e ampliar a integração do ensino-serviço do Sistema Único de Saúde (SUS). O programa envolve estudantes de graduação, professores e profissionais de saúde que atuam no SUS. A ideia é estimular e conhecer a prática profissional nos serviços da rede pública, além da produção de pesquisas em temas relevantes para a saúde do brasileiro.


Nessa remessa de projetos apresentados, foram priorizados os temas com foco em Vigilância em Saúde, tais como perfil da população local relativo aos nascimentos, adoecimentos e mortes; análises do perfil de ocorrência de doenças transmissíveis e não-transmissíveis e de agravos à saúde e análise dos riscos ambientais à saúde e da qualidade de vida da população.


04.05.2010

Assessoria de Imprensa da Uece

Fátima Serpa (mfserpa@uece.br / 85 3101.9605)