ESP: II etapa do Curso de Dermatose Ocupacional começa nesta quarta

6 de outubro de 2010

A Coordenadoria de Pós-Graduação em Atenção à Saúde da Escola de Saúde Pública do Ceará, realiza, de hoje (06)  a 8 de outubro, a II Unidade do Curso de Dermatose Ocupacional voltado para profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS). O novo momento abordará as Estratégias de Implantação da Rede Sentinela em Dermatoses Ocupacionais. As atividades acontecem na sede do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest-CE).

 

Segundo José Soares Filho, coordenador do curso, o objetivo geral da segunda unidade é desenvolver habilidades para contribuir com a Construção e estruturação da Rede Sentinela em Dermatoses Ocupacionais no âmbito de atuação dos participantes.

 

Em termos específicos, a unidade habilitará os participantes a compreender o papel da Vigilância em Saúde nos agravos à saúde do trabalhador; Identificar métodos e técnicas de gerenciamento de riscos nas Dermatoses Ocupacionais; Identificar os procedimentos previdenciários decorrentes do diagnóstico de uma doença relacionada ao trabalho; Reconhecer a importância da notificação das dermatoses ocupacionais no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN para a vigilância epidemiológica e controle de doenças; Compreender a Política de Saúde do Trabalhador do SUS; Analisar estratégias de implantação da Rede Sentinela em Dermatoses Ocupacionais.

 

Tipos de dermatoses

As dermatoses ocupacionais representam considerável parcela das doenças profissionais, contribuindo como causa de danos os mais variados à integridade física do trabalhador. Em alguns casos, podem ocasionar, inclusive, o afastamento e a incapacidade permanente para a profissão.

 

“É importante o reconhecimento desse agravo entre os profissionais de saúde, de forma a possibilitar conduta adequada frente aos problemas de pele mais frequentes entre os trabalhadores. Contudo, a pouca informação disponível torna difícil apreender dados precisos sobre o agravo, além do que, geralmente, o adoecimento não é diagnosticado como relacionada ao trabalho”, comenta José Soares Filho.

 

A dermatose ocupacional é toda alteração das mucosas, pele e seus anexos que seja direta ou indiretamente causada, condicionada, mantida ou agravada por agentes presentes na atividade ocupacional ou no ambiente de trabalho.

 

As principais dermatoses são a dermatite de contato por irritantes, a dermatite irritativa de contato forte e a dermatite alérgica de contato.  As dermatites de contato por irritantes podem aparecer em todos os trabalhadores expostos ao contato com substâncias irritantes, dependendo da sua concentração e do tempo de exposição e da periodicidade do contato com o agente irritante. O contato frequente com água, sabões e detergentes favorecem a irritação.

 

A dermatite irritativa de contato forte é provocada por substâncias químicas que produzem, quando em contato com a pele, graves lesões inflamatórias, ao primeiro contato.  A gravidade da lesão dependerá da toxicidade, do tempo de contato e da concentração do agente químico.  O cimento, por ser abrasivo, altamente higroscópico, produz, quando em condições especiais de contato com a pele, ulcerações rasas e profundas.

 

As dermatites alérgicas de contato se manifestam como eczemas agudo ou crônico. Na fase aguda, são acompanhadas, frequentemente, por prurido intenso e, nas ormas crônicas, por espessamento da epiderme (liquenificação), com descamação e fissuras. As DACs correspondem a uma reação imunológica do tipo IV. A substância contactante é capaz de penetrar na pele e estimular o sistema imunológico do indivíduo a produzir linfócitos T que liberam várias citoquinas, provocando uma reação inflamatória.


Programação

Quarta-feira – 06/10/10

Tarde/Atividades

13:30 – 15:00 –  Exposição interativa sobre as portaria de Vigilância em

Saúde- Professora Geovanna Sales

Trabalho de Grupo 1: Estudo Dirigido – Vigilância em Saúde

do Trabalhador.

15:00 – 15:15 – Intervalo

15:15 – 17:00 – Exposição Dialogada: Fluxograma de Dermatoses

Ocupacionais Condutas adotadas em casos confirmados ou

Suspeitos – Professor Lino Alexandre

Quinta-feira – 07/10/10

Manhã/ Atividades

08:00 – 09:15 – Exposição Dialogada – Noções de Direito do Trabalho e Previdenciário e Emissão da CAT- Professora Elza Teresa Domingos

09:15 – 09:45 – Trabalho de Grupo 2: Exercício de preenchimento de CAT- Professora Elza Teresa Domingos

09:45 – 10:00 – Intervalo

10:00 – 11:00- Trabalho de Grupo 3: Estudo de caso – Vigilância em Saúde do Trabalhador – Atuação do CEREST -Professora Elza Teresa Domingos

11:00 – 12:00 – Discussão em Plenária – Apresentação dos resultados do trabalho em grupo

Tarde/ Atividades

13:30 – 15:30 Mesa-Redonda: Vigilância Epidemiológica e Notificação no SINAN – Professoras Geovana Salles e Clara Nantua.

15:30 – 15:45 – Intervalo

15:45 – 17:00 – Trabalho em Grupo 4 Exercício de preenchimento da ficha de notificação do SINAN – Geovana Salles

 

Sexta-feira – 08/10/10

Manhã/ Atividades

08:00 – 09:30 – Mesa Redonda: Política Estadual de Saúde do Trabalhador e Estratégia de Implantação da Rede Sentinela – Bernadete Maciel e Fátima Duarte

09:30 – 10:30 – Debate

10:30 – 10:45 – Intervalo

10:45 – 12:00 – Trabalho de Grupo 5: Aspectos facilitadores e dificultadores na implantação da Rede Sentinela no Estado.

 

Tarde/Atividades

13:30 – 15:00 – Aspectos facilitadores e dificultadores na implantação da Rede Sentinela no Estado – Continuação

15:30 – 16:30 – Discussão em plenária: Apresentação dos resultados do trabalho em grupo

16:00 – 16:15 – Intervalo

16:15 – 17:00 – Avaliação e Encerramento do Curso

 

06.10.2010

 

Assessoria de Imprensa da ESP-CE

Marcos Saudade ( ascom@esp.gov.br – (85) 3101.1412 )