Cai desemprego na Região Metropolitana de Fortaleza

27 de outubro de 2010

As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Fortaleza (PED/RMF) mostram que a taxa de desemprego total diminuiu de 9,2%, em agosto, para os atuais 8,7% da População Economicamente Ativa (PEA), a terceira queda consecutiva, registrando a menor taxa da série histórica, iniciada em dezembro de 2008. A pesquisa foi divulgada nesta quarta-feira (27/10), pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e IDT, o SINE/CE, o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade).

 

O contingente de desempregados foi estimado em 154 mil pessoas, 8 mil a menos do que no mês anterior, resultado da criação de 14 mil ocupações, número bem superior ao de pessoas que passaram a integrar a força de trabalho da região (6 mil). Em setembro, o nível de ocupação cresceu 0,9%, elevando a estimativa do contingente de ocupados para 1.612 mil pessoas, a maior desde o início da pesquisa, na RMF.  Por setor, o serviços e a construção civil criaram 24 mil e 10 mil postos de trabalho, respectivamente, acompanhados pela redução na indústria (15 mil) e no comércio (5 mil). O contingente de ocupados no agregado outros setores permaneceu estável, com 155 mil pessoas.

 

O percentual do desemprego apresentado pela Região Metropolitana de Fortaleza foi um dos menores dos locais pesquisados: Salvador (16,2%), Recife (15,3%), Distrito Federal (13%), São Paulo (11,5%), Fortaleza (8,7%),  Porto Alegre (8,5%) e Belo Horizonte (7,6%). 

 

Para o presidente do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho, De Assis Diniz, “em virtude da alta estação e das festividades do final de ano, conquistamos bons resultados e esperamos números ainda melhores para o próximo mês. Estamos presenciando um bom momento da economia cearense, com grandes perspectivas, principalmente, se considerarmos os projetos que deverão ser implantados, a exemplo dos previstos para a Copa de 2014.”

 

Ainda com dados da PED/RMF, segundo a posição na ocupação, verificou-se crescimento do total de assalariados, dados os acréscimos no setor público (4 mil) e privado (14 mil).

 

Os rendimentos médios reais, em agosto de 2010, cresceram para o total de ocupados (2,6%), assalariados (2,3%) e autônomos (4,5%), estimados em R$846, R$ 948 e R$ 586, respectivamente.

 

27.10.2010

Assessoria de Imprensa do IDT

Ana Clara Braga (anaclara@idt.org.br / 85 3101.5550)