Projeto da ESP é selecionado pelo Ministério da Saúde

22 de dezembro de 2010

O projeto “Escola de Supervisores Clínico-Institucionais da Rede de Atenção Psicossocial, Álcool e outras Drogas do Ceará”, elaborado pela Escola de Saúde Pública do Ceará, em parceria com o Núcleo de Saúde Mental da Secretaria da Saúde do Ceará, foi contemplado na chamada para a seleção de projetos de Escolas de Supervisores Clínico-Institucionais da Rede de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. Da seleção participaram 25 projetos enviados por secretarias estaduais de saúde e universidades de várias regiões brasileiras, dos quais 20 foram aprovados.

A seleção é uma iniciativa da Coordenação Geral de Saúde Mental Álcool e outras Drogas do Ministério da Saúde. Tem como objetivo estimular os Estados a criarem “Escolas de Supervisores”, como um espaço de formação de novos supervisores, articulador das ações de supervisão e promotor de formação permanente  para  todos  os  supervisores  clínico-institucionais  que  atuam  na  rede  de  atenção  psicossocial,  álcool  e  outras  drogas  nos municípios, e como dispositivo capaz de criar  mecanismos de multiplicação e sustentabilidade das ações de qualificação da rede.

A Escola  de  Supervisores  Clínico-Institucionais  de  Rede  da  Atenção  Psicossocial, Álcool e outras Drogas é um projeto de fomento à qualificação das ações de supervisão que acontecem nos CAPS e nas redes municipais e  intermunicipais. Com abrangência intersetorial, o projeto é voltado para a capacitação teórica e prática de profissionais, na forma de cursos, seminários, oficinas, encontros,  ações  de  matriciamento  e  outras,  de  modo  a  assegurar  a  formação permanente de profissionais aptos a atuarem como supervisores clínico-institucionais de rede de atenção psicossocial, álcool e outras drogas.

Atribuições

A  Escola  de  Supervisores  Clínico-Institucionais  de  Rede  da  Atenção  Psicossocial, Álcool e outras Drogas terá como atribuições:  Elaborar Plano de Trabalho anual, que descreva as ações de  capacitação e formação permanente que serão desenvolvidas, e as metas a serem atingidas; Fomentar  a  formação  teórica  e  prática  de  profissionais  para  atuarem  como supervisores de rede de atenção psicossocial, álcool e outras drogas;  Promover o  intercâmbio, a  troca de experiências e de conhecimento específico entre os supervisores que já atuam como supervisores clínico-institucionais; Produzir  textos  de  referência  sobre  a  função  de  supervisor  clínico-institucional, atividades e fundamentos desta prática na rede;

Além disso, a Escola deverá desenvolve e aplicar mecanismos  de monitoramento  e  avaliação  das  atividades  de supervisão clínico-institucionais das redes, produzindo conhecimento e pesquisas que subsidiem o aperfeiçoamento desta prática; Realizar iniciativas regulares de articulação entre a rede de serviços do SUS e a rede de universidades  públicas  no  âmbito  regional  e/ou  estadual,  na  forma  de  seminários, cursos conjuntos, fóruns e outras ações; Promover  ações  de  intercâmbio  com  outras  Escolas  de  Supervisores  Clínico-Institucionais  de  Rede,  voltadas  para  a  formação permanente  e  produção  de conhecimento,  sob as diretrizes da Política Nacional de Saúde Mental .

22.12.2010

Assessoria de Imprensa da ESP-CE

Marcos Saudade (ascom@esp.gov.br / 85 3101.1412)