Vendas no comércio varejista do Ceará crescem 9,7% no primeiro semestre

16 de agosto de 2011

No mês de junho deste ano, o volume de vendas varejistas do Ceará – sem a inclusão das atividades de materiais de construção civil e veículos, motos e partes de peças – foi de 9,60% sobre junho/2010. Esse resultado possibilitou um aumento de 9,7% no fechamento do primeiro semestre/2011 e proporcionou uma expansão de 11,50% no volume de vendas dos últimos doze meses. As vendas realizadas no Ceará ficaram acima da média nacional, que foi de 7,10% em junho e de 8,90% em 12 meses.

 

Os dados fazem parte do Enfoque Econômico do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE), Órgão vinculado á Secretaria de Planejamento e Gestão (SEPLAG) do Governo do Estado, que acaba de ser divulgado e pode ser acessado na página www.ipece.ce.gov.br. Os volumes das vendas varejistas no Ceará seguem a tendência de crescimento das vendas nacionais, com exceção dos anos de 2001 a 2003, quando os resultados foram negativos, tendo em vista a ocorrência de alguns eventos de natureza política, estrutural e conjuntural.

 

Naqueles anos, segundo o estudo, que é coordenado pela professora Heloisa Bezerra, do IPECE, o Brasil passou por momentos de instabilidade econômica e política, provocados por vários fatores, como alta na taxa de desemprego; elevação do dólar; apagão e eleição presidencial, além da crise econômica da Argentina, que acabou abalando os demais países da América Latina. Essa instabilidade da economia brasileira foi sentida pelas economias regionais. No entanto, a partir de 2004, percebe-se que o comércio varejista em todo Brasil apresentou franco crescimento, sobretudo o do Ceará, que na maioria do tempo evoluiu a taxas superiores às médias do País.

 

Com relação ao varejo ampliado, que inclui as atividades de varejo mais as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, em todas as comparações no tempo, as taxas de variação mostram-se superiores. O Ceará, em junho deste ano, fechou com 12,80%, no semestre em 11,40% e em 12 meses em 14,10%, enquanto a média brasileira foi de 9,50%, 9,20% e 11%, respectivamente.

 

As atividades varejistas no Ceará que contribuíram para a ampliação das vendas no mês de junho/2011 sobre junho/2010, foram: Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria, cosméticos (27,01%), Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (19,14%) e Veículos, motos e parte de peças (18,63%), para citar as três maiores variações. No primeiro semestre de 2011, as maiores variações no volume de vendas do varejo coube aos segmentos: Livros, jornais, revistas e papelaria (39,45%), Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria, cosméticos (20,55%), e Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (16,23%).

 

O desempenho positivo das vendas do Comércio Varejista está refletido no mercado de trabalho formal, que em junho/2011 registrou um saldo de 892 postos de trabalho ou 86,4% do emprego gerado no Comércio como um todo e cerca de 19% sobre o emprego total gerado na economia cearense. No primeiro semestre de 2011, o Comércio Total acumulou um saldo de emprego formal de 2.544 postos, sendo que o ramo Varejista gerou um saldo de 2.300 vagas. Vale ressaltar que a economia cearense gerou um saldo acumulado no período de 20.352 postos de trabalho formal.

16.08.2011

Assessoria de Imprensa do Ipece
Pádua Martins (padua.martins@ipece.ce.gov.br /3101.3508)